69% dos portugueses não conhecem um único eurodeputado português

Apesar da falta de conhecimento sobre os eurodeputados, cerca de 70% dos inquiridos acreditam que Portugal beneficia de ser membro da União Europeia.

O cabeça de lista do PSD às eleições europeias, Paulo Rangel, é o nome mais mencionado
Foto
O cabeça-de-lista do PSD às eleições europeias, Paulo Rangel, é o nome mais mencionado TIAGO PETINGA/LUSA

A maioria dos portugueses não consegue identificar um único eurodeputado português actualmente em funções. De acordo com a sondagem feita pelo ISCTE/ICS para o Expresso e a SIC, 69% dos portugueses não são capazes de indicar o nome de um eurodeputado português, “seja porque admitem que não sabem ou recusam responder (55%), ou porque indicam um nome incorrecto (14%)”, explica o relatório do estudo.

Só 31% dos inquiridos acertaram nas respostas, sendo que o nome mais mencionado é o de Paulo Rangel (13%), cabeça-de-lista do PSD às eleições europeias de domingo. Segue-se o nome da socialista Ana Gomes (8%) – que desta vez ficou de fora das listas do PS –, o candidato do CDS Nuno Melo (4%) e a bloquista Marisa Matias (3%). Pedro Marques é o único dos cabeças-de-lista que não é já eurodeputado.

“Quem vamos eleger nas eleições europeias?”

Perante a questão “Quem vamos eleger nas eleições europeias?”, 34% dos inquiridos assumem não saber, 5% afirmam que se irá escolher “os membros da Comissão Europeia”, 4% acreditam que se irá eleger “os membros do Conselho Europeu” e 1% chegam mesmo a afirmar que o objectivo é nomear “os membros do Tribunal de Justiça da UE”.

Apenas 55% dos inquiridos respondem acertadamente e dizem que nas eleições europeias o objectivo é eleger “os membros do Parlamento Europeu”.

Os jovens até aos 24 anos foram os que menos acertaram (apenas 47%), assim como os inquiridos com menor grau de instrução (50%, em comparação com 76% de respostas correctas no caso dos licenciados) e aqueles sem simpatia partidária assumida. Os que mais acertaram foram os apoiantes do PSD (68%), face a 52% do PS.

Confiança no projecto europeu

Apesar da falta de conhecimento sobre os eurodeputados, os portugueses mostram-se adeptos do projecto europeu e defendem até uma maior integração política e um maior poder de Bruxelas quanto às decisões económicas.

Cerca de 70% dos inquiridos acreditam que Portugal beneficia de ser membro da União Europeia (numa escala de 0 a 10, 70% posicionam-se do lado positivo da escala). Os jovens são os mais entusiastas apontando para 7,1 na escala, face a uma média de 6,8 acima dos 65 anos.

Questionados se Portugal deveria sair da UE, apenas 10% dos portugueses inquiridos admitem uma resposta positiva. “Em média”, a maioria dos portugueses discorda “totalmente” de uma possível saída da União Europeia, principalmente entre os mais jovens e instruídos.

Sobre as consequências da adopção do euro, as respostas continuam a ser maioritariamente positivas (59% dos inquiridos). Numa escala de 0 a 10, os eleitores de direita classificam com 6,4 os benefícios da adesão à moeda única. Já os votantes à esquerda ficam-se pelos 5,5.

Cerca de 70% dos inquiridos responderiam “não” a um eventual referendo à saída de Portugal do euro. A sondagem mostra ainda que dois terços dos portugueses concordam que as decisões económicas da UE têm “muito mais impacto na vida dos portugueses do que as tomadas pelo Governo nacional” e 30% concordam que “as decisões económicas tomadas pela UE deviam condicionar mais as políticas nacionais”.

E uma maior integração política da UE? Cerca de 47% são a favor. Os mais “federalistas”, destaca o Expresso, são os simpatizantes do PSD (com 6,7 na escala, face a 5,9 dos socialistas).

Porém, 51% dos portugueses mostram-se insatisfeitos com a democracia na União Europeia. Entre os mais satisfeitos, estão os apoiantes do PS (55%) face a 38% dos sociais-democratas.