“Brexit”: Liberais são a escolha para quem quer ficar na UE

Trabalhistas preocupados em ficar atrás do “ressuscitado” Lib Dem, que pode ganhar em Londres e tirar-lhes o segundo lugar. O conservador Michael Heseltine também vai votar nos liberais.

Posição dúbia de Jeremy Corbyn em relação ao "Brexit" poderá custar caro aos trabalhistas
Foto
Posição dúbia de Jeremy Corbyn em relação ao "Brexit" poderá custar caro aos trabalhistas TOBY MELVILLE/Reuters

A posição dúbia de Jeremy Corbyn em relação à União Europeia (UE) parece estar a empurrar parte dos apoiantes do Partido Trabalhista em direcção aos Liberais Democratas (Lib Dem), agora liderados por Vince Cable. De acordo com as sondagens, o Lib Dem é agora o favorito entre os britânicos favoráveis à permanência do Reino Unido na UE.

Segundo o Observer, o gabinete sombra do Labour está preocupado com a ajuda que o seu partido está a dar a este ressurgimento dos liberais – desde o desastre na eleição de 2015, em que a sua participação na coligação governamental com os conservadores lhe trouxe o dissabor de ver a sua bancada parlamentar passar de 57 para oito deputados, o partido nunca mais recuperou.

“Parece que estamos a dar [ao Lib Dem] o equivalente político a uma ressuscitação”, referiu o ministro das Finanças na sombra Clive Lewis. “Se a consequência da posição do Labour em relação ao ‘Brexit’ é, na sua essência, desintoxicar os Lib Dems, então estamos perante um verdadeiro problema”, acrescentou, citado pelo Observer.

A sondagem sobre as eleições europeias no Reino Unido dá conta que os Liberais Democratas superaram o Partido Trabalhista entre os eleitores que preferem a permanência do país como Estado-membro da UE, com 29% para a formação de Cable e 28% para a de Corbyn.

Numa outra sondagem, feita pela YouGov/Datapraxis para a campanha Best for Britain e a Hope Not Hate, traz resultados ainda mais desanimadores para os trabalhistas, que não só vêm o Lib Dem a liderar as intenções de voto em Londres e a ameaçar o segundo lugar nacional do Labour.

Enquanto o Partido do Brexit, de Nile Farrage, continua a liderar destacado com 34% das intenções de voto, o Lib Dem surge a seguir com 17%, superando os 15% do Labour. Os Verdes, com 11%, e o Partido Conservador, com 9%, completam o panorama.

“Há algum tempo que venho alertando que os Lib Dems não estão mortos e que poderiam voltar, mas tenho sido ignorado”, disse um ministro do Governo conservador. “Se sobrepusermos o mapa das eleições locais com o das eleições gerais, há lugares com grandes maiorias de 10 mil votos que podem desaparecer”, acrescentou.

Também os conservadores que pretendem continuar na UE se estão a virar para os liberais nestas eleições europeias, como uma das grandes referências dos Tories e antigo vice-primeiro-ministro Michael Heseltine: “Não posso, em consciência, votar no meu partido quando está focado de forma míope em forçar o maior acto económico de autoflagelamento alguma vez realizado por um governo democrático.”

Sugerir correcção