Irão diz que não quer guerra e que não vai haver guerra

EUA avisam companhias aéreas comerciais de risco de sobrevoar o Golfo Pérsico. Exxon Mobil retira todos os trabalhadores estrangeiros de campo petrolífero do Iraque.

,Irã
Foto
Mohammad Javad Zarif, recusa hipóetse de uma guerra no Irão, no fim de uma visita a Pequim KIM KYUNG-HOON/Reuters

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Mohammad Javad Zarif, declarou que não vai haver guerra no país, quando a tensão na região está a aumentar e os Estados Unidos levam a cabo várias acções que dizem servir para prevenir um possível ataque iraniano e que Teerão tem classificado como “guerra psicológica”.

“Não vai haver guerra porque nem nós queremos uma guerra, nem ninguém tem a ideia ou ilusão de que pode confrontar o Irão na região”, disse Zarif, após uma visita a Pequim, segundo a agência iraniana IRNA.

Os EUA saíram o ano passado do acordo com o Irão sobre o nuclear e endureceram recentemente as sanções por causa do seu programa nuclear. Teerão tem pressionado a União Europeia (e China e Rússia, que permanecem signatárias) para melhores condições ameaçando enriquecer mais urânio (o que poderia levar a um grau de enriquecimento suficiente para usar numa arma atómica).

Enquanto isso, Washington pôs a força de elite Guardas da Revolução na lista de organizações terroristas, enviou um porta-aviões para o Golfo Pérsico, e anunciou a retirada de parte do pessoal diplomático das representações diplomáticas de Bagdad e Erbil, no Iraque, sem justificar (mas dizendo antes que havia informação concreta sobre um plano de ataque do Irão a alvos americanos).

Antes, dois navios sauditas foram alvo de sabotagem, e os EUA avisaram ainda as companhias de aviação comercial para riscos de “erros de cálculo ou de identificação” de aviões que sobrevoem o Golfo Pérsico.

A petrolífera Exxon Mobil retirou todos os trabalhadores estrangeiros de um campo petrolífero no Iraque.

“O facto é que [o Presidente norte-americano, Donald] Trump disse oficialmente que não quer uma guerra, mas há pessoas à sua volta que estão a pressionar para uma guerra com o pretexto de que querem fazer a América mais forte contra o Irão”, disse ainda Zarif.

O conselheiro de Segurança Nacional John Bolton defende há muito um ataque ao Irão para mudar o regime (e não só, também à Coreia do Norte).

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Jeremy Hunt, avisou há dias para o risco de apesar de nem os EUA nem o Irão quererem uma guerra, um erro de cálculo de um deles poder mesmo levar a um conflito.

O MNE britânico desaconselhou entretanto viagens de cidadãos com dupla nacionalidade ao Irão, dizendo que há um risco inaceitável de detenção comparado com outras nacionalidades. Uma britânica de ascendência iraniana está detida há quase três anos, e esta semana as autoridades anunciaram a condenação de uma segunda londrina, detida enquanto visitava a família. As duas são acusadas de espionagem.