O ADN recolhido na investigação criminal também se partilha

Investigadora da Universidade do Minho coordena projecto para compreender como funciona a partilha de informação genética entre os países da UE no âmbito da investigação criminal.

Fotogaleria
Helena Machado Inês Fernandes
Fotogaleria
Investigadora da Universidade do Minho Inês Fernandes

Helena Machado, investigadora da Universidade do Minho (UMinho), reuniu uma equipa de nove investigadoras das áreas da sociologia, do direito e da criminologia para estudar o modo como os ainda 28 estados-membros da União Europeia (UE) utilizam as bases de dados ADN para investigação criminal, regulam esse uso através dos sistemas de justiça nacionais e como partilham essa informação no âmbito da Convenção de Prüm, assinada em 2005 para combater o terrorismo e a criminalidade transfronteiriça. 

Uma das conclusões do projecto Exchange, financiado pelo Conselho Europeu de Investigação, com 1,8 milhões de euros, é a de que a partilha transfronteiriça de informação genética para investigação criminal é um “retrato da fragmentação e da heterogeneidade que existe na UE”. “Há uma clivagem muito vincada entre o que se designa Europa de Leste e o resto da Europa, na forma como se encara a partilha das bases de dados de ADN”, realçou a socióloga, também presidente do Instituto de Ciências Sociais (ICS) da universidade minhota – tomou posse na passada sexta-feira.

Para levar avante o projecto que arrancou em Outubro de 2015 e tem conclusão prevista para 30 de Setembro de 2020, o grupo coordenado por Helena Machado entrevistou todos os responsáveis pelos sistemas da Convenção de Prüm em cada país, com excepção da Grécia e da Itália, que ainda não têm bases de dados de ADN instituídas, e da Dinamarca, que não se mostrou, até agora, disponível para participar. Além disso, a equipa que conduziu o projecto na Universidade de Coimbra, entre 2015 e 2017, e está agora vinculada à UMinho, avançou com um estudo comparativo dos casos de Portugal, da Polónia, da Alemanha, dos Países Baixos e do Reino Unido.

A equipa de investigação descobriu que, no Leste da Europa, “há muita vontade e receptividade em aderir ao sistema de Prüm”, apesar das “dificuldades financeiras e de recursos humanos” para se garantir a entrada de mais perfis de ADN nas bases de dados e a sua manutenção. “Esses países crêem que, se forem europeus, conseguirão um dia ser menos pobres”, explicou Helena Machado. No caso concreto da Polónia, a investigadora realçou que a base de dados, apesar de relativamente pequena, é muito utilizada para a identificação civil de pessoas desaparecidas durante a II Guerra Mundial.

Já o caso do Reino Unido, o país com a maior e mais antiga base de perfis de ADN – entrou em vigor em 1995 e alberga os dados de nove a dez milhões de pessoas -, persiste a hesitação em aderir ao sistema de Prüm, algo que se deve concretizar ainda neste ano, apesar do Brexit, afirmou a coordenadora do projecto. “O país vai aderir, mais foi um processo de avanços e recuos, o que diz muito da história e do posicionamento do país em relação à UE”, descreveu.

Uma das justificações para a cautela britânica é o receio de toda a informação da base de dados poder circular por todos os Estados-membros. O país é, por isso, contra um sistema de Prüm “completamente automatizado”, ideia com a qual Helena Machado concorda. “Se houvesse nove milhões de perfis a circular, iam acontecer imensas correspondências positivas de ADN falsas”, explicou.

Crime e categorias sociais

O sistema baseado na convenção de Prüm sustenta a investigação criminal transfronteiriça a partir do momento em que se encontra uma correspondência entre um perfil de ADN e os vestígios biológicos encontrados numa cena de crime, disse a socióloga. As trocas de informação são, no entanto, limitadas pelas leis de cada país.

Apesar dos Países Baixos terem ligações informáticas a todos os outros países da UE, a maioria dos Estados-membros só pode partilhar as suas bases de dados com seis ou sete países – é o caso de Portugal. Apesar de haver ligações entre países pela proximidade geográfica, tal como acontece entre Portugal e Espanha, os países várias vezes querem ligar-se com países associados a um estereótipo de emigração e de criminalidade, nomeadamente a Roménia e a Polónia. Essa ideia, explicou Helena Machado, está presente nos muitos perfis da Europa de Leste nas bases de dados da França, a Alemanha e os Países Baixos, segundo os testemunhos dos responsáveis desses países. “As bases de dados têm categorias sociais mais vulneráveis à criminalização, como o estrangeiro. Não qualquer estrangeiro, mas o estrangeiro de determinadas nacionalidades”, descreveu.

A influência das categorias sociais na forma como se olha para o crime não é uma novidade na carreira de Helena Machado, que desenvolve investigação na sociologia do crime e da justiça desde 2000. Um dos seus estudos, publicado em 2012, dá conta das perspectivas de vários reclusos nas cadeias portuguesas sobre o papel do ADN na investigação criminal. A base de dados portuguesa, disse, tem cerca de 8.000 perfis, que, segundo os dados das populações prisionais, correspondem, na maioria, a cidadãos oriundos de cabo-verde ou de etnia cigana.

Divergência entre polícia e justiça

Mas as diferenças de perspectiva quanto ao uso dos perfis de ADN nas bases de dados nacionais não se resumem a países. Aplica-se também a classes profissionais, nomeadamente o sistema policial e o sistema judiciário. Os magistrados do sistema de justiça, disse Helena Machado, tendem a ser “mais cautelosos e zelosos quanto à protecção de dados” e não disponibilizam informação de qualquer forma. Os agentes policiais, por seu turno, querem “trocar a informação o mais rapidamente possível”, alegando, normalmente, que as primeiras 48 horas são de ouro” numa investigação. Queixam-se também que os magistrados, além de “lentos a facultar informação”, não têm cultura de cooperação internacional. A socióloga afirmou que, entre a polícia, prevalece “uma cultura da eficiência e da rapidez na obtenção da informação”, que por vezes pode ser invasiva da privacidade das pessoas.

A investigadora reconheceu ainda que a realização de um estudo de nível europeu só foi possível graças ao financiamento do Conselho Europeu de Investigação, já que a maior verba que alguma vez recebeu da Fundação para a Ciência e Tecnologia para um estudo foi de 200 mil euros. Para Helena Machado, o programa Horizonte, responsável pelo financiamento da investigação na UE, é essencial para impedir que a produção de ciência na Europa se atrase ainda mais face à China, aos Estados Unidos e à Índia – no ciclo de 2015 a 2020 foram atribuídos, até agora, 678 milhões de euros a Portugal para 1.551 projectos, e, para o próximo ciclo, há a possibilidade do orçamento para a UE chegar aos 100 mil milhões de euros.

O financiamento atribuído ao país entre 2015 e 2020 ultrapassou ainda as verbas atribuídas nos ciclos que se estenderam de 2003 até 2006 (172 milhões de euros) e de 2007 até 2013 (565 milhões). Além disso, Portugal conseguiu, pela primeira vez, receber mais do Horizonte (1,58% do orçamento total) do que contribuir (1,23%).

Mais de 100 milhões de euros do programa da UE para a investigação foram atribuídos no âmbito do Conselho Europeu de Investigação. Já a investigação sobre o cancro, financiada pelo Instituto Marie Curie, recebeu mais de 60 milhões de euros, tal como a investigação nas áreas da energia e das tecnologias da informação e comunicação.

Em termos regionais, 51% do financiamento (346 milhões de euros) foi atribuído à Área Metropolitana de Lisboa, seguindo-se o Norte, com 27%, e o Centro, com 16%. O Alentejo e o Algarve receberam, cada um, 2% da verba, enquanto os Açores e a Madeira conseguiram 1%, cada.

Retratos virtuais e dados de empresas privadas são preocupações éticas

A partilha transfronteiriça de informações das bases de dados de ADN não é o único tópico relativo à investigação criminal cujas implicações éticas são, neste momento, discutidas por cientistas e juristas. Um dos fenómenos que mais preocupa Helena Machado é a utilização de um perfil de ADN para se criar um retrato virtual de um eventual suspeito na investigação de um crime.

O processo, designado de inferência fenotípica, já tem sido levado a cabo nos Estados Unidos desde 2015, graças à cooperação entre a empresa Parabon NanoLabs, autora dos retratos, e as forças policiais. Já os cientistas forenses na Europa, disse a socióloga, elaboram normalmente um relatório a dar conta das probabilidades do suspeito ter determinadas características físicas – olhos castanhos, por exemplo – a partir de ADN encontrado no local do crime, uma pista que, por si só, “não identifica automaticamente o culpado”.

Os especialistas europeus, acrescentou, consideram que a técnica não está “suficientemente desenvolvida para fazer um retrato com as certezas necessárias”, pelo que só admitem a sua utilização quando todas as “outras possibilidades de investigação estiverem esgotadas”. Outra das controvérsias associadas à inferência fenotípica é o potencial discriminatório associado a certas características físicas, como a cor de pele, disse ainda Helena Machado.

A forma como empresas privadas usam perfis de ADN é outra das preocupações da socióloga. A empresa norte-americana Family Tree DNA, responsável pela produção de testes genéticos supostamente com fins recreativos – dá informação genealógica aos seus clientes -, admitiu, em Janeiro último, ceder informação genética ao FBI para investigação criminal. Essa partilha conduziu, por exemplo, à detenção, em Abril de 2018, de Joseph James DeAngelo, suspeito de 12 homicídios e da violação de 51 pessoas na Califórnia, entre 1974 e 1986. A chave foi a correspondência entre o seu ADN e o de um familiar que estava na base de dados da empresa. “Ao facultar esses dados, a empresa colocou os clientes como potenciais suspeitos em termos genéticos”, disse.

Helena Machado acredita que as empresas norte-americanas de testes genéticos, que hoje já operam no Reino Unido, podem expandir-se em breve para outros “países grandes da Europa, com mercado apetecível”, como a Alemanha. Perante esse cenário, a investigadora considera “imprescindível” que os vários países da UE instituam legalmente “auditorias éticas” a essas mesmas empresas.

Europa está no bom caminho

A Europa, no entanto, está a dar os passos certos para garantir o equilíbrio entre a segurança da sociedade e os direitos individuais, como a privacidade e a presunção de inocência. A socióloga enalteceu o debate sobre a utilização dos perfis de ADN dos cidadãos europeus, mas há ainda medidas a tomar para melhorar o acordo de Prüm: é preciso um “método sistematizado e uniforme de recolha de dados”, para melhorar a transparência do sistema e dar ao público o “acesso a bons números”, mas também salvaguardar os direitos das pessoas a saberem se o seu perfil de ADN está inserido nas bases de dados e em que casos o podem apagar. Helena Machado considera ainda que uma entidade transnacional para fiscalizar a ética dos procedimentos de cada estado-membro pode também ser útil, já que, por ora, vários países têm a sua comissão de ética, mas, na maioria dos casos, não especializada.