Mais de 100 pessoas detidas nas manifestações do 1º. de Maio na Rússia

Apoiantes de Navalni e apelos a eleições livres e justas levaram manifestantes para a prisão. Popularidade de Putin está em baixa por causa da economia.

Joseph Stalin
Fotogaleria
Manifestante a ser detida em São Petersburgo Igor Russak/REUTERS
Fotogaleria
Comunistas russos com um retrato do ditador Estaline YURI KOCHETKOV/EPA

A polícia russa deteve mais de 100 pessoas durante as manifestações de 1 de Maio, por vezes com recurso a força extrema, no caso de opositores.

A OVD-Info, uma organização de monitorização do cumprimento dos direitos humanos, disse à Reuters que que pelo menos 124 pessoas foram detidas em todo o país, e que pelo menos 68 dessas detenções ocorreram em São Petersburgo, onde algumas centenas de pessoas tinham saído para as ruas a exigir eleições livres e justas.

Os manifestantes anti-Putin agitavam cartazes com a imagem do Presidente russo, enquanto outros gritavam palavras de ordem como “Putin é um ladrão”, perante forte presença policial.

“Eles protegem o bandido Putin” gritou uma manifestante, Galina Onishchenko, de 70 anos, apontando para as carrinhas para onde eram levados os detidos, relata a AFP. A polícia deteve vários manifestantes que gritavam palavras de ordem contra Putin, sob o olhar de outros manifestantes que gritavam “fascistas” ou “vocês não nos vão intimidar” para os agentes da autoridade, segundo um correspondente da AFP.

Foram também detidas pessoas que levavam cartazes a dizer “Putin não é eterno”, diz a Reuters. Apoiantes do líder da oposição Alexei Navalni foram levados pela polícia.

A popularidade do Presidente Vladimir Putin caiu para cerca de 60%, após ter estado nos 90%. Isto aconteceu sobretudo porque o Governo anunciou medidas impopulares como o aumento da idade da reforma e a subida do IVA, após cinco anos de queda do valor real dos salários.

Putin, que está no poder desde 1999, seja como Presidente seja como primeiro-ministro, foi reeleito no ano passado para um mandato que só termina em 2024.

Muitos membros do Partido Comunista russo participaram também nas manifestações comemorativas do Dia do Trabalhador.