Incêndios: Regimento de Infantaria 13 terá 40 militares em prontidão

A missão dos militares, que será cumprida entre Junho e Outubro, inclui operações de detecção de fogos, rescaldo e vigilância pós-incêndio.

Foto
Rui Gaudencio

O Regimento de Infantaria n.º 13 (RI13), em Vila Real, terá um efectivo de 40 militares em prontidão, entre Junho e Outubro, para missões de detecção, rescaldo e vigilância pós-incêndio, disse nesta terça-feira o comandante da unidade.

O comandante José Dias Lages aproveitou as comemorações do dia do Regimento de Infantaria n.º 13 para fazer um balanço da actividade desenvolvida pelo RI13 e referiu que, nesta época crítica de incêndios, serão empenhados 40 militares, distribuídos por dois módulos de intervenção e patrulhas.

A missão dos militares, que será cumprida entre Junho e Outubro, inclui operações de detecção de fogos, rescaldo e vigilância pós-incêndio.

“Este regimento tem dois módulos de intervenção que estão prontos a actuar à ordem, em qualquer ponto do território nacional, assim que nos for solicitado”, afirmou o comandante aos jornalistas.

Em 2018, segundo o coronel, foram empenhados diariamente, entre Junho e Outubro, 16 militares, no distrito de Vila Real, que percorreram mais de 41.000 quilómetros.

Em simultâneo, o regimento manteve dois módulos de intervenção que efectuaram 45 patrulhas de vigilância e detecção nos distritos do Porto, Vila Real, Bragança e Castelo Branco.

José Dias Lages disse ainda que, também em Vila Real, é sentida a diminuição do número de militares.

“Temos um decréscimo efectivo de militares, nomeadamente na categoria de praça. Todo o Exército de uma forma geral está a sofrer desse problema e estamos a tentar, com tudo aquilo que nos é possível, cativar os jovens para que sirvam nesta instituição”, salientou.

No seu discurso, José Dias Lages elencou o trabalho desenvolvido pelo gabinete de apoio ao público de Vila Real, que abrange 16 concelhos e que este ano efectuou 62 candidaturas, das quais resultaram 14 incorporações.

“Já este ano foram incrementadas significativas acções de divulgação com o desígnio de aumentar a atractividade pela carreira das armas, nomeadamente na categoria das praças”, salientou.

O RI13 possui o único simulador de condução dinâmico Pandur do país para a formação e treino, num cenário idêntico ao real, dos condutores e chefes desta viatura blindada de rodas.

O simulador de condução dinâmica Pandur II 8X8 está inserido no pólo de formação da Escola das Armas, instalado no RI13 e que, num ano, efectuou 13 cursos de chefes e condutores de viaturas blindadas, envolvendo um total de 124 formandos.

O regimento tem também contribuído, nos últimos anos, para muitas missões internacionais das Forças Nacionais Destacadas.

Segundo José Dias Lages, um pelotão com cerca de 35 militares vai ser projectado em Maio para o Afeganistão e, no segundo semestre deste ano, o RI13 irá aprontar uma companhia que será projectada também para o Afeganistão em 2020.

O regimento está instalado há 136 anos em Vila Real.