O novo hotel do aeroporto JFK de Nova Iorque é retro e até a piscina parece voar

TWA Hotel recupera imaginário do luxo e glamour dos voos de outros tempos. Até recupera uma lendária companhia e um histórico edifício, agora com uma piscina muito aérea. Abre em Maio.

,Hotel
Fotogaleria
A piscina no topo do hotel DR/TWA Hotel
,Hotel
Fotogaleria
Vista da entrada DR/TWA Hotel
,Terminal do aeroporto
Fotogaleria
DR/TWA Hotel
,Hotel
Fotogaleria
DR/TWA Hotel/Max Touhey
Fotogaleria
Um dos quartos e as vistas para o aeroporto DR/TWA Hotel
,TWA Hotel
Fotogaleria
DR/Emily Gilbert

Muito antes das companhias de aviação low cost terem surgido e revolucionado o mundo das viagens, viajar de avião era um luxo – que se materializava também na própria viagem. Aliás, experiência: viajar era uma experiência exótica e luxuosa nos anos de 1950 e 1960, a chamada “idade de ouro da aviação comercial”. Não em vão, a personagem de Leonardo Di Caprio, em “Apanha-me se Puderes” (Frank Abagnale, inspirado numa pessoa real, aliás), tinha a figura do piloto de avião como uma das fraudes mais bem-sucedidas. E também tinha o antigo terminal da TWA (histórica companhia de aviação já encerrada), no aeroporto nova-iorquino JFK, como a sua passerelle preferida. Este, abandonado em 2001, prepara-se para renascer: o que foi o epicentro do apogeu dourado da aviação comercial, cenário de filmes “época”, será, a partir de 15 de Maio, o único hotel dentro do aeroporto principal de Nova Iorque, o TWA Hotel.

Pelo que se anuncia, é um dos acontecimentos hoteleiros do ano na Big Apple e nos EUA e revoluciona o que se espera de um hotel de aeroporto (e não só porque este é no próprio aeroporto): esqueça-se a impessoalidade das cadeias de hotéis, onde apenas se busca um pouco de descanso entre um voo e outro, porque no TWA Hotel é mesmo a experiência que conta e esta significa um regresso à década de 1960.

PÚBLICO -
Foto
DR/TWA Hotel/Max Touhey

Mais exactamente a 1962, data em que o edifício do arquitecto Eero Saarinen foi inaugurado, exemplo perfeito do estilo arquitectónico norte-americano chamado “Idade do Espaço” – em 2001 o terminal fechou por não poder acolher aviões de grande porte e a companhia, em funcionamento desde 1925, também encerrou portas. O edifício tem direito a registo municipal e nacional como monumento histórico.

O antigo terminal é, digamos, o coração do hotel, a sua área social, onde os espaços, sob as linhas curvas dos tectos de betão e as paredes de vidro, foram preservados na decoração original, incluindo o vermelho “inventado” para a companhia que se exibe ainda no lounge “afundado” no chão. Os 512 quartos alinham-se num edifício novo adjacente e apresentam-se com visual retro – desde as paredes com painéis de madeira, às cadeiras Womb desenhadas por Eero Saarinen, dos telefones com disco de marcação a bares de Martini personalizados e a toucadores ao estilo Hollywood (espelho delineado por lâmpadas redondas amarelas). Mas não faltam todas as comodidades modernas, sendo a mais evidente as paredes de vidro totalmente insonorizado que têm vista para as pistas – vêem-se os aviões, mas não se ouvem.

PÚBLICO - O átrio mostra logo ao que se vai
O átrio mostra logo ao que se vai DR/TWA Hotel/Jesse David Harris
PÚBLICO - Até há memórias da TWA e Portugal num quarto
Até há memórias da TWA e Portugal num quarto DR/TWA Hotel/ Emily Gilbert
PÚBLICO - No lounge
No lounge DR/TWA Hotel/Jesse David Harris
PÚBLICO - Uma recriação para dar a imagem da voo no tempo
Uma recriação para dar a imagem da voo no tempo DR/TWA Hotel/ Emily Gilbert
Fotogaleria
DR/TWA Hotel/Jesse David Harris

Da piscina, no topo do hotel, também se tem vista para a pista. Uma “piscina infinita" com a mais bela vista do mundo para os amantes de aviões e aeroportos. E num dos bares entra-se num antigo aparelho da companhia, Connie, um Lockheed Constellation que fazia serviço transatlântico e que para chegar aqui deu mesmo nas vistas, cruzando as ruas de Nova Iorque – o avião passou mesmo pela Times Square. Agora está transformado em cocktail lounge.

PÚBLICO - "Connie" na Times Squate
"Connie" na Times Squate DR
PÚBLICO - Quantas vezes se vê um avião pelas ruas de NYC?
Quantas vezes se vê um avião pelas ruas de NYC? DR
Fotogaleria
DR

Ao todo, são oito os bares do TWA Hotel, complementados por seis restaurantes – e ainda um museu sobre a idade de ouro da aviação comercial. O preço de um quarto por noite começa em cerca de 200 euros