O “Silêncio dos Outros”, de Almudena Carracedo e Robert Bahar, estreia-se 25 de Abril, às 21h30
Foto
O “Silêncio dos Outros”, de Almudena Carracedo e Robert Bahar, estreia-se 25 de Abril, às 21h30 DR

Desobedoc volta ao Porto com cinema para “pensar o mundo” e o fascismo

De 25 a 28 de Abril, o Círculo Católico Operário do Porto recebe a 5.ª edição do Desobedoc. O feminismo, o tempo do aborto clandestino em Portugal e histórias sobre um Porto escondido são alguns dos temas abordados. A entrada para todas as sessões é livre.

O ciclo de cinema Desobedoc volta ao Porto entre 25 e 28 de Abril, estreando em Portugal O Silêncio dos Outros, um documentário “sobre a memória e amnésia relativamente aos crimes do franquismo”, explicou à Lusa a organização. “Numa Europa e num mundo onde vemos o autoritarismo a ressurgir, a memória é um instrumento para não permitir que o passado da ditadura e do fascismo se repita”, observou José Soeiro, deputado e dirigente nacional do Bloco de Esquerda, partido responsável pela iniciativa que este ano decorre no Círculo Católico Operário do Porto (e que apenas em 2018 não se realizou nesta cidade).

O feminismo, o tempo do aborto clandestino em Portugal, histórias sobre um Porto escondido e uma viagem à libertação dos últimos presos políticos a serem libertados após o 25 de Abril de 1974 são alguns dos temas que também vão passar pela 5.ª edição do Desobedoc, para “mostrar que o cinema pode colocar o dedo na ferida” e ajudar “a pensar o mundo”.

Para dia 25, às 21h30, está marcada a estreia de O Silêncio dos Outros, documentário de Almudena Carracedo e Robert Bahar, vencedor do Prémio Goya 2019 de melhor longa-metragem documental, que mostra a luta das vítimas dos 40 anos da ditadura de Franco em Espanha. No dia seguinte há nova estreia nacional, pelas 22h, com Gaza, de Andrew McConnell e Garry Keane.

Antes disso, às 18h, apresenta-se Museu da Vergonha, de Luís Monteiro e José Castro, que aborda a “luta pela transformação das antigas instalações da PIDE no Porto num espaço de memória da luta contra o fascismo”, descreve José Soeiro. No dia 26, exibe-se ainda Feminismo: Nem Um Passo Atrás, sobre o GAMP — Grupo Autónomo de Mulheres do Porto, “provavelmente o primeiro colectivo do feminismo anticapitalista em Portugal”, Work In Progress, de Melanie Pereira, sobre a greve feminista de 8 de Março, e A Resposta das Mulheres, de Agnes Vàrda, cineasta francesa recentemente falecida.

A isto soma-se, às 21h, O Aborto Não é Crime, de 1976, que levou a sua autora, Maria Antónia Palla, a tribunal. “Foi julgada já em democracia. É uma prova de que o cinema muda o mundo e é uma arma, que pode incomodar e colocar o dedo na ferida”, observa José Soeiro.

A 27 de Abril, a estreia é de J'Veux Du Soleil, de Gilles Perret e François Ruffin, sobre o movimento dos coletes amarelos em França, ao passo que as curtas-metragens abordam “várias realidades de um Porto remetido para a invisibilidade”, descreve Soeiro.

Neste “Porto escondido” estão Christian, de Luís Nuno Baldaque, e Rompendo Os Muros da Prisão, de Luísa Pinto, que reúne “oito reclusos dos dois estabelecimentos prisionais de Santa Cruz do Bispo, ala feminina e masculina, com cinco actores profissionais e dois músicos”. O bairro do Aleixo, no Porto, é abordado em Russa, nome do documentário de João Salaviza e Ricardo Alves Jr., mas também de uma ex-moradora do conjunto habitacional que ali regressa para visitar a irmã e os amigos.

O Desobedoc termina a 28, pelas 21h30, com o filme italiano Um Dia Inesquecível, de Ettore Scola, apresentado por Francisco Louçã, num regresso à Roma de 1938, quando a cidade celebra a visita de Hitler e Mussolini.

Todas as manhãs há espaço para o Desobedoquinho, dedicado “a crianças dos 9 aos 13 anos — para quem quiser”. O Desobedoc é uma iniciativa “feita de forma colectiva e cooperativa”, tendo começado em 2014 no então encerrado Cinema Trindade para “mostrar que havia público” para as salas culturais fechadas no centro do Porto, como explicou José Soeiro. A entrada é livre.