Invisível Herói e Dia de Festa: curtas portuguesas na Semana da Crítica

A história de Duarte, invisual de 50 anos, à procura de um amigo, um imigrante cabo-verdiano desaparecido de que ninguém parece lembrar-se. E um dia na vida de uma mãe: o dia de aniversário da sua filha.

Fotogaleria
Invisível Herói
Fotogaleria
Dia da Festa

Invisível Herói, de Cristèle Alves Meira, e Dia de Festa, de Sofia Bost, foram seleccionados para a secção Semana da Crítica do Festival de Cannes (que decorre de 14 a 25 de Maio). O primeiro passa numa secção especial, o segundo estará em competição.

Invisível Herói é a história de Duarte, um invisual de 50 anos, à procura de um amigo, um imigrante cabo-verdiano misteriosamente desaparecido de que ninguém parece lembrar-se. O filme é uma co-produção franco-portuguesa, da Fluxus Films e da Midas Filmes, e ainda antes de Cannes vai ter a sua estreia mundial na competição nacional do IndieLisboa. Dia da Festa, produção de Filipa Reis e João Miller Guerra, é um dia na vida de uma mãe: o dia do aniversário da sua filha.

Cristèle Alves Meira, nascida em França 1983 e com formação de actriz, realizou dois documentários, um em Cabo Verde (Som & Morabeza) e outro em Angola (Born in Luanda) e duas curtas-metragens: Sol Branco e Campo de Víboras, esta já seleccionada para a Semana da Crítica de Cannes, em 2016, e premiada no IndieLisboa (prémio Novo Talento Fnac). Neste momento Cristèle prepara a primeira longa-metragem, Bruxa.

Sofia Bost nasceu na Suíça, tem master's degree pela London Film School, e realiza a sua primeira curta.

No ano passado, a Semana da Crítica atribuiu o seu Grande Prémio à longa Diamantino, de Gabriel Abrantes.

Nos próximos dias a Quinzena dos Realizadores anuncia a sua programação, e a selecção oficial da 72.ª edição do festival tirará do chapéu as suas escolhas de última hora.