Cannes 2018

Gabriel Abrantes clonou Cristiano Ronaldo

Diamantino talvez salve Portugal – a longa-metragem, assinada pela dupla Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, estará na Semana da Crítica do Festival de Cannes, no dia 11 – , e talvez o sentido de humor de Cristiano perdoe este delírio.

Fotogaleria
Gabriel Abrantes Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Diamantino dr
Fotogaleria
Diamantino dr

Gabriel Abrantes pega em David Foster Wallace, no texto do escritor norte-americano (1962-2008) sobre Roger Federer as a religious experience (na edição portuguesa: Federer: Carne e não só). É um texto sobre a perda da mão na arte... mas quando Wallace decompõe os movimentos da final Agassi-Federer no Open americano de 2005, imobiliza-se o momento em que, no ténis, no desporto, o espírito humano se eleva.

Depois, Abrantes cita How Tracy Austin Broke my Heart (Como Tracy Austin Me Partiu o Coração), ensaio de Wallace a partir da autobiografia da tenista, a partir da frustração que são as biografias dos atletas e o kitsch de lugares-comuns. “O que o Foster Wallace descobre” – é assim que Abrantes lê – “é que o segredo do génio é o vazio.” “Não há alquimia. É algo de trágico. Achei genial esse texto e foi o ponto de partida para Diamantino”, a longa-metragem, assinada com Daniel Schmidt, que leva à Semana da Crítica do Festival de Cannes, no dia 11 – Abrantes/Schmidt, a dupla de A History of Mutual Respect (2010) e Palácios da Pena (2011).
Diamantino é o futebolista que talvez possa salvar Portugal do esquecimento. É o Miguel Ângelo do século XXI, alguém “que mexe com as pessoas como mais ninguém”. Abrantes queria uma personagem “icónica” que permitisse “um reconhecimento imediato a um público mais alargado”. Queria “um novo mito português”. Abrantes – deixa de ser segredo às primeiras imagens – queria um Cristiano Ronaldo.

Diamantino é de uma ignorância fulgurante, tão comovente quanto a sua naiveté. “E a naiveté dá-lhe a liberdade para não ter preconceitos.” Querem clonar Diamantino, um complot está em marcha, os serviços secretos e movimentos de extrema-direita usam-no para desfraldar bandeiras. O corpo de Diamantino – atlético, virginal, gosta de meninos, meninas e puppies felpudos – oferece-se às devastações: carocinhos nascem-lhe no(s) peito(s), efeitos secundários das intervenções de clonagem (mas a apoteose transgénero tem direito a happy end).

Abrantes, nascido na Carolina do Norte, EUA, assume uma relação “extremamente distante” com o futebol. “A minha relação é narrativa, interessam-me os méritos da narrativa e da estética.” Interessa-lhe a ficção e a catarse das multidões dentro dos estádios, como há milénios no teatro grego. Mas a distância no cinema de Abrantes é uma irreversibilidade. Tudo se joga num espaço virtual, onde se projecta uma quimera de géneros – o thriller, o melodrama, a comédia screwball, a fantasia –, onde eles são simulados. Como uma clonagem, na verdade. “O momento em que estamos na História não permite fazer as coisas em primeiro grau.” Aqui o formato é já conteúdo. “O modo de produção é uma estética, uma moral e uma ideologia. Tenho muita dificuldade em abstrair-me disso”, diz.

Isto significa que os seus filmes estão impregnados da forma como consumimos as imagens. O delírio chamado Diamantino, centrifugadora de publicidade, Internet, televisão e do que sobra como memória do que outrora se chamou “cinema”, é um olhar frontal, desapaixonado, sobre o state of the art: nós, no preciso momento em que o excesso de estímulos decorre. Diamantino espelha-nos – a sensação de claustrofobia neste objecto só aparentemente “disparatado” é inegável.

Mas com a personagem de Diamantino Abrantes não prescinde da empatia. Aliás, e é justo ele argumentar assim, nunca antes pudera desenvolver uma personagem desta forma, na duração de uma longa-metragem. Last but not the least, há Carloto Cota. O realizador desfaz-se em elogios sobre o actor, a sua voracidade, a sua rapidez e imaginação a utilizar referências – Charlot ou Keaton ou Forrest Gump ou Cristiano Ronaldo ou o sotaque açoriano do personal trainer que lhe trabalhou o físico para o papel. E como o resultado se eleva acima delas. Faz figas para que o júri da competição da Semana da Crítica de Cannes, que pela primeira vez atribui um prémio de interpretação, seja seduzido pelo actor. E faz figas para que Cristiano Ronaldo tenha sentido de humor.