Chefe de gabinete garante que Azeredo Lopes não teve conhecimento da encenação de Tancos

Martins Pereira não reconheceu na leitura do memorando da Judiciária Militar qualquer sinal de ilicitude face às orientações da Procuradoria-Geral da República

Foto
O tenente-general Martins Pereira e o seu advogado no Parlamento LUSA/João Relvas

O chefe de gabinete de Azeredo Lopes garantiu esta quinta-feira que o então ministro da Defesa Nacional não teve conhecimento da encenação da Polícia Judiciária Militar (PJM) para a recuperação do material roubado em Tancos. “Nunca tive conhecimento disso, creio que o senhor ministro também não, nunca falámos disso”, reiterou o tenente-general António Martins Pereira sobre a Operação Húbris que levou à constituição de arguidos de responsáveis da PJM. Ou seja, que ele e o seu ministro desconheciam o modus operandi da recuperação do material.

Martins Teixeira confirmou uma reunião a 20 de Outubro de 2017, dois dias após a recuperação do material, com o coronel Luís Vieira, então à frente da PJM, e o investigador major Vasco Brazão. Também confirmou que na reunião recebeu uma fita do tempo e um memorando. “O documento não era timbrado nem assinado, pareceu-me feito com alguma pressa e para apoio à conversa”, comentou.

“Passei os olhos pelo documento. O que me chamou a atenção foi que alguém foi ao lado de lá [margem sul] fazer uma chamada. Perguntei se era para fazer de relay e acenaram com a cabeça”, prosseguiu. Ou seja, o telefonema anónimo que deu conta da localização do material era imposto pelo informador. “Não consegui descortinar que se tratava de um encobrimento ou encenação, foi uma operação na qual o informador exigiu um conjunto de requisitos para dar a informação.” Foi esta a sua leitura. “Deixaram-me com a indicação que depois o devia destruir”, relatou aos deputados. O que não fez.

O chefe de gabinete recordou ainda a reunião de 4 de Julho em Tancos, com destacados intervenientes, entre os quais o Presidente da República. “A questão foi mencionada e abordada”, disse sobre as queixas da PJM pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ter entregue o caso à PJ. Sobre uma distribuição de tarefas com Belém a contactar a PGR e o ministro da Defesa a sua colega da Justiça, foi cauto. “Não tenho ideia de terem ficado essas ideias tão definidas”, sintetizou, referindo-se à versão de uma audição anterior de que o Presidente da República admitira essa diligência. O que levou Marcelo a emitir uma nota: “Como o Presidente da República já disse várias vezes, no final da visita a Tancos, o então ministro da Defesa trouxe para junto de si o então Director da Polícia Judiciária Militar. O Presidente da República disse-lhe que haveria de o receber oportunamente, audiência que acabou por nunca se realizar.”