Obra do estádio universitário da Universidade do Porto custa 2,5 milhões

A infra-estrutura passará a poder acolher competições desportivas oficiais de nível nacional e internacional de futebol e râguebi

O complexo foi construído em 1953 mas tem sido pouco aproveitado
Foto
O complexo foi construído em 1953 mas tem sido pouco aproveitado PAULO RICCA

A reabilitação do estádio universitário da Universidade do Porto (U.Porto) vai custar 2,5 milhões de euros e demorará um ano, foi nesta terça-feira revelado numa cerimónia que contou com a presença do primeiro-ministro, António Costa.

Em causa está um estádio que integra o complexo desportivo da U.Porto junto à Ponte da Arrábida, equipamento com uma área de 2.900 metros quadrados construído em 1953, mas cujo pouco aproveitamento culminou num estado de quase abandono.

Com a empreitada agora lançada, numa cerimónia com a presença do primeiro-ministro, António Costa, do reitor da Universidade do Porto, António Sousa Pereira, e do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, a U.Porto pretende dotar o estádio universitário de dois campos de relva sintética.

O director da área desportiva da U.Porto, Bruno Almeida, destacou que a infra-estrutura passará a poder acolher competições desportivas oficiais de nível nacional e internacional de futebol e râguebi, destacando que no, que diz respeito ao futebol, o espaço poderá receber jogos oficiais de 11 até à II Liga portuguesa.

Soma-se uma pista de treinos para atletismo com três corredores de 100 metros e duas pistas de treino de salto em comprimento ou triplo salto e respectivas caixas de areia.

O espaço também terá zonas para desportos de raquete, como “padel” e ténis, bem como desportos de praia, e uma zona que acolherá um centro de “fitness” e apoio ao Alto Rendimento.

No projecto também é descrito que serão construídas infra-estruturas de apoio que permitam a montagem e desmontagem de um palco exterior de média dimensão de modo a poder acolher concertos e espectáculos ao ar livre.

A U.Porto prevê acolher em simultâneo cerca de 500 praticantes por hora.

“Actualmente, as utilizações por ano lectivo chegam às 150.000, pretendendo-se atingir as 250.000 utilizações por ano lectivo após este investimento”, lê-se no resumo descritivo da empreitada.

A obra custará cerca de 2,5 milhões de euros, verba assegurada por fundos próprios da U.Porto.

Esta é a primeira de um total de três fases de obras que vai abranger outras infra-estruturas do complexo desportivo, com a U.Porto a prever gastar no total cerca de cinco milhões de euros.

No final da cerimónia para assinalar o lançamento da obra, o primeiro-ministro manifestou interesse em, “daqui a um ano”, regressar ao local para a sua inauguração.