CDS chama Eduardo Cabrita com urgência ao Parlamento

Os centristas querem que o ministro da Administração Interna explique o que se passa com a rede de emergência nacional, o SIRESP.

Foto
Miguel Manso

Com a época de incêndios quase a começar, o CDS quer saber em que pé está a rede de emergência nacional, SIRESP. E para isso vai chamar ao Parlamento o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, com urgência, para que o governante dê os dados em falta. A iniciativa do CDS acontece em resposta à investigação do PÚBLICO sobre vários temas relacionados com os incêndios de 2017.

“Vamos chamar o ministro com urgência por causa da gravidade do que está em causa, quer pelo facto de ter omitido ou facultado dados errados ao Parlamento”, diz ao PÚBLICO o líder da bancada parlamentar, Nuno Magalhães. Em causa está o facto de o ministro ter revelado que o SIRESP tinha falhado por nove mil horas em 2017 e de esses dados não serem corroborados pelo levantamento feito, sendo o valor real muito inferior. Além disso, os centristas querem saber o porquê de o MAI não entregar documentos também em resposta ao Parlamento, uma vez que o CDS fez um conjunto de 30 perguntas ao ministério e não ter visto respostas concretas às questões levantadas.

Outro dos pontos que os centristas querem ver esclarecido prende-se com a estrutura accionista da empresa gestora da rede de emergência nacional, a SIRESP, Sa. O Governo comprometeu-se a entrar no capital da empresa, mas tal ainda não aconteceu, como tem vindo a ser noticiado pelo PÚBLICO. Para o deputado, há várias promessas que o Governo fez que não estão a ser cumpridas e é preciso fazer um ponto da situação. “Por tudo o que o senhor ministro e o Governo se comprometeram, tudo está por fazer, tudo falhou e nada foi feito”, diz.

“A possível transmissão de dados errados a esta Assembleia da República sobre as falhas da rede SIRESP no ano de 2017, o incumprimento da anunciada aquisição da maioria do capital social do consórcio gestor da rede SIRESP, bem como a necessidade de respostas sobre a capacidade operativa actual desta rede justificam, no entender dos signatários, a presença urgente do senhor Ministro da Administração Interna”, lê-se no requerimento do grupo parlamentar centrista.

O PSD também avança com um requerimento na Assembleia da República a pedir relatórios e documentos sobre as falhas da rede de emergência. “Mais importante do que a palavra do ministro são os documentos. Como já vimos que a palavra do ministro pouco vale, queremos ver a documentação”, disse ao PÚBLICO o social-democrata Duarte Marques, um dos subscritores do documento do PSD.