Incêndios

Governo coloca Portugal em alerta até domingo. Risco de incêndio agrava-se

Calor e vento vão agravar risco de incêndio. Chamas em Oliveira de Azeméis eram o cenário mais preocupante esta terça-feira.

Foto
O incêndio em Oliveira de Azeméis tem mais de 300 operacionais no local LUSA/PAULO NOVAIS

O Governo assinou esta terça-feira um despacho que determina a declaração de Situação de Alerta entre 27 e 31 de Março, com base em previsões meteorológicas que apontam para um “significativo agravamento do risco de incêndio florestal”.

“Face às previsões meteorológicas para os próximos dias, que apontam para um significativo agravamento do risco de incêndio florestal no território do Continente, e considerando a decisão da Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil, que determinou a passagem do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais ao Estado de Alerta Especial Amarelo em todos os distritos, os Ministros da Administração Interna e da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural assinaram hoje o Despacho que determina a Declaração da Situação de Alerta”, lê-se no comunicado divulgado pelo Governo.

PÚBLICO -
Foto
Adriano Miranda

A declaração da Situação de Alerta, prevista na Lei de Bases de Protecção Civil, vai obrigar à adopção de medidas “de carácter excepcional”, como a “elevação do grau de prontidão e resposta operacional da GNR e PSP”, reforçando “meios para operações de vigilância, fiscalização, patrulhamentos dissuasores de comportamentos de risco e de apoio geral às operações de protecção e socorro que possam vir a ser desencadeadas”; proibição de queimadas e queimas; e a dispensa de trabalhadores, quer do sector público, como do privado, que desempenhem funções de bombeiro voluntário.

“A Situação de Alerta abrange todos os distritos do continente entre as 00h do dia 27 de Março e as 23h59 do dia 31 de Março. O Governo acompanha em permanência o evoluir da situação operacional e apela aos cidadãos para que adeqúem os seus comportamentos ao quadro meteorológico que tem sido amplamente divulgado”, lê-se ainda no comunicado conjunto do Ministério da Administração Interna e do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural.

Mais de 400 operacionais combatiam incêndio em Oliveira de Azeméis

Depois de uma madrugada com várias ocorrências, o maior incêndio activo estava esta terça-feira a ser combatido na freguesia de Pinheiro da Bemposta, concelho de Oliveira de Azeméis, no distrito de Aveiro, de acordo com informações da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC). O segundo-comandante dos Bombeiros Voluntários de Oliveira de Azeméis admitia, ao início da manhã, que o incêndio poderia alastrar a outras freguesias. O combate ao incêndio envolvia, às 17h30, três aeronaves, 423 operacionais e 127 viaturas.

Segundo o comandante Fernando Maciel, dos Bombeiros de Oliveira de Azeméis, das quatro frentes activas, duas estão a ceder e as outras duas estão “mais ou menos controladas”.

“Estamos a tentar controlar o fogo o mais rápido possível uma vez que há previsão de rajadas para o início da noite”, diz o comandante.

O fogo já lavra há 13 horas e chegou a rondar algumas habitações. O ponto mais crítico foi, segundo o comandante, em Alviães e Valemadeiros, localidades de Palmaz. “Agora vai a caminho de Curval (Pinheiro da Bemposta), especificou.

Há pouco, o PÚBLICO esteve no lugar de Alviães, onde o fogo andou muito perto das habitações. Carlos Ferreira, morador que viu o fumo muito perto, garantiu que “a situação esteve sempre controlada”. “Os bombeiros actuaram a nível da prevenção”, declarou.

Fernando Maciel, segundo-comandante dos Bombeiros Voluntários de Oliveira de Azeméis, acrescentou que houve necessidade de evacuar uma habitação isolada, mas realçou que “não ardeu”.

O IC 2 está condicionado, na zona de Pinheiro de Bemposta, por causa do incêndio.

Segundo dados do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Aveiro, citado pelo Jornal de Notícias, o fogo consome área florestal das localidades de Pinheiro da Bemposta, de Palmaz e de Travanca.

Nesta terça-feira, devido aos incêndios florestais que deflagraram por todo o país, já foram mobilizados mais de 700 operacionais, estando actualmente no terreno mais de 500 elementos. 

O número de incêndios activos no decorrer da tarde desta terça-feira permanece elevado, com 41 ocorrências, sendo que 18 estão ainda em curso. Há sete fogos em fase de resolução e 16 em fase de conclusão, informa a Autoridade Nacional de Protecção Civil. Por causa de um dos incêndios, a estrada A28 (Porto — Viana) permanece cortada nos dois sentidos, entre Esposende e Antas, entre o quilómetro 47 e o quilómetro 57, confirmou ao PÚBLICO fonte do Destacamento de Trânsito da GNR de Viana do Castelo. 

Noite de combate

Em Águeda, um incêndio foi combatido por 142 operacionais, contou à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Aveiro.

“O alerta para o incêndio foi dado pelas 21h30, junto à auto-estrada 25, em Serém, no concelho de Águeda”, adiantou fonte do CDOS. A população não correu risco, acrescentou. As chamas lavraram numa zona de eucaliptal. 

De menores dimensões, também em São Mamede, Areosa, em Viana do Castelo, um incêndio foi dado como dominado pelas 18h26. O fogo chegou a ser combatido por três meios aéreos, apoiados por 51 operacionais e 15 viaturas.

Além de Areosa, também as freguesia de Afife e de Freixieiro de Soutelo​ foram afectadas pelas chamas. Anteriormente, uma fonte daquele comando distrital disse à Lusa “ocorreram cinco focos de incêndio, num espaço de tempo muito curto, que não resultaram de queimas”.

Calor e vento

Na segunda-feira, a Autoridade Nacional de Protecção Civil emitiu um aviso à população sobre o perigo de incêndio rural, devido à manutenção de temperaturas acima do habitual para a época e “acentuado aumento da intensidade do vento”. A ANPC avisa que o cenário meteorológico “traduz-se num aumento dos índices de risco de incêndio até quarta-feira, com condições favoráveis à rápida propagação de incêndios em todo o território continental”, com níveis de risco elevado e muito elevado.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) a temperatura máxima está acima dos valores normais para a época do ano, com valores entre 25ºC e 28ºC nas regiões centro e sul e entre 20ºC e 25ºC na região norte.

Está previsto igualmente um aumento da velocidade do vento, do quadrante de leste, com rajadas até 40 km/h e rajadas até 65 km/h no litoral a norte do Cabo Mondego durante a noite e manhã de terça-feira, e no Algarve a partir do fim da tarde.