Viagens em comboio a vapor na linha do Vouga foram canceladas

Projecto de realizar três viagens num comboio histórico a vapor na linha do Vouga foi subitamente cancelado sem quaisquer explicações da CP.

Foto
Adriano Miranda

Um folheto de propaganda com os logótipos da CP e da Câmara de Águeda dá conta da realização, nos dias 13, 20 e 25 de Abril, de um comboio histórico a vapor na linha do Vouga. Na foto vê-se a locomotiva E214 - a única de via estreita em estado operacional – a rebocar a composição histórica que desde há dois anos costuma circular naquela linha nos meses de Verão. Mas afinal foram canceladas

Em resposta a perguntas do PÚBLICO, a CP diz que nunca distribuiu nenhum documento sobre esta iniciativa “que estava em análise, pendente de confirmação”, mas não esclareceu se o folheto publicitário era apócrifo.

Já a Câmara de Águeda diz que o folheto foi feito em conjunto com a CP e aprovado por esta empresa, tendo o próprio presidente do município, Jorge Almeida, partilhado o documento no seu facebook e na página electrónica do município.

Em declarações ao PÚBLICO, o autarca explicou que o cancelamento desta edição especial do comboio histórico se deveu ao receio de incêndios devido à fraca pluviosidade do mês de Março e ao tempo quente e seco que pode ser esperado para Abril, que tornará perigosa a circulação de uma locomotiva a vapor numa zona de extensa vegetação.

“A Câmara de Águeda já tinha tudo acertado e estava disposta a participar com um montante significativo para este projecto”, disse o presidente da Câmara, acrescentando que a iniciativa estava condenada a ser um “grande êxito” pois até já tinham sido contactados por pessoas de vários países interessadas em fazer a viagem. É que seria a primeira vez em muitos anos que circularia um comboio a vapor autêntico (alimentado a carvão e não a diesel como acontece com o comboio histórico do Douro), ainda por cima numa linha de via estreita.

Pedro Costa, membro da APAC (Associação Portuguesa dos Amigos dos Caminhos-de-ferro) e especialista em comboios turísticos a vapor, diz que o Tren Minero de Rio Tinto, em Huelva (Espanha), que também é alimentado a carvão, circula no mês de Abril e que as autoridades espanholas só o proíbem, por questões de segurança, entre Maio e Novembro.

O comboio histórico do Vouga, que teve início em 1 de Julho de 2017 e circulou nos últimos dois verões (aos fins-de-semana) com taxas de ocupação próximas do cem por cento. Tem sido rebocado por uma locomotiva a diesel de 1964 sendo as carruagens de origem belga, portuguesa e alemã, construídas respectivamente, em 1908, 1923 e 1925.

A locomotiva E214 que a CP tinha prevista para esta edição especial em Abril veio da Alemanha para Portugal em 1923 como indemnização pela participação de Portugal na I Grande Guerra Mundial. À época era uma das mais potentes locomotivas a vapor de via estreita e fez quase toda a sua carreira nas linhas do Corgo (Régua – Chaves) e do Sabor (Pocinho – Duas Igreja). Deixou de operar nos finais dos anos 80 e, como era a que se encontrava em melhor estado da frota das velhas locomotivas, foi recuperada nas oficinas da EMEF em Contumil e posta em estado de marcha desde há dois anos. O receio dos incêndios, porém, ainda não lhe permitiram iniciar uma segunda vida.