Opinião

Sem poupança não há investimento e sem investimento não há crescimento

As baixas taxas de poupança são uma das principais restrições ao crescimento económico em Portugal.

Este ano, na Licenciatura de Economia, lecciono a disciplina de Economia Monetária Internacional. Umas semanas atrás, numa aula mais prática, quer eu quer os alunos não pudemos deixar de largar uma pequena gargalhada desconfortável perante um dos exercícios que vinha no manual de Paul Krugman (com mais dois co-autores).

A pergunta partia de um cenário hipotético: imagine que está perante um país cuja dívida líquida externa é de cerca de 25% do PIB, será o serviço da dívida sustentável? Logo a seguir, muda o cenário e pergunta: como alteraria a sua resposta se a dívida fosse de 100%? O propósito desta sequência de perguntas era óbvio.

Pretendia-se que se respondesse que uma dívida externa de 25% é perfeitamente sustentável, mas que uma dívida de 100% já não o seria. O nosso riso incomodado tinha uma razão de ser: na aula anterior, tínhamos visto que a dívida líquida externa portuguesa, em 2000, era de 26% e que agora era de 90% do PIB.

Aquilo que no manual era apresentado como dois casos para exemplificar uma situação sustentável e outra insustentável correspondiam a um Portugal passado (por coincidência, o ano em que parte dos meus alunos nasceu) e ao Portugal presente. O desequilíbrio insustentável é a nossa realidade. Pior que a nossa, na Europa, só a Grécia e Chipre.

PÚBLICO -
Aumentar

Na semana que passou, fomos presenteados com as projecções do Conselho de Finanças Públicas para os próximos anos. Até 2023, as nossas taxas de crescimento andarão na casa dos 1,5%. É difícil imaginar um cenário mais medíocre. Fico com a ideia de que os crescimentos mais elevados que tivemos desde 2015 se devem à descida do desemprego.

Agora, com muito menos desempregados - o que é óptimo -, para Portugal crescer é necessário aumentar a produtividade dos trabalhadores. A dificuldade está, obviamente, em saber como. No muito longo prazo, o investimento da educação trará os seus frutos, mas, no imediato, para se aumentar a produtividade é necessário investimento mais palpável. Investimento que aumente capacidade produtiva e exportadora da economia.

Precisamos de investimento público e privado. Como podemos ver nos gráficos que apresento (dados do Eurostat para 2017, último ano com dados já fechados), Portugal está na cauda da Europa no que toca ao investimento. Nem sempre foi assim. Até 2010, Portugal tinha taxas de investimento que estavam na média europeia. Infelizmente, vários estudos o mostram, o crédito existente fluiu para empresas pouco produtivas.

O último estudo que conheço a este respeito é de três investigadores do Banco de Portugal que mostram que uma parte muito substancial do crédito bancário em Portugal foi afectado a empresas de muito baixa produtividade (muitas vezes conhecidas como empresas zombies). Por exemplo, em 2014, quase metade do crédito total estava empenhado neste tipo de empresas.

Mas regressemos a 2019. Neste momento, o problema não é o da qualidade do investimento, mas sim o nível do mesmo. Esse é, provavelmente, o principal obstáculo que temos ao crescimento. Precisamos de mais investimento. Mas, para o financiar, precisamos de mais poupança.

Nas aulas de Economia Monetária Internacional, explicamos que essa poupança pode ser interna ou externa. Ou seja, é possível financiar o investimento à custa de défices externos. Foi o que fizemos na primeira década deste século. Infelizmente, essa via está esgotada: a nossa dívida externa já está próxima do insustentável, pelo que precisamos é de a reduzir.

Na minha opinião, as baixas taxas de poupança são uma das principais restrições ao crescimento económico em Portugal. Numa economia perto do pleno emprego, como a nossa, dificilmente há crescimento sem investimento e este é impossível sem poupança. E se, na Europa, a taxa de poupança das famílias é superior a 10%, em Portugal a taxa de poupança das famílias anda entre os 4 e os 5% (dados do Eurostat). A poupança das empresas é, naturalmente, maior (cerca de 12.5% do PIB), mas ainda insuficiente. Com este nível de poupança, percebe-se a dificuldade em aumentar o investimento.

Daí que aumentar a poupança deva ser um desígnio nacional. Bem sei que se costuma dizer que, com taxas de juro tão baixas, não há incentivos a poupar. Mas, na verdade, essa associação entre taxas de juro e taxas de poupança não é assim tão óbvia. Basta ver, por exemplo, que a taxa de poupança das famílias alemãs anda nos 18% e as taxas de juro são tão baixas lá como cá.

Também se argumenta que, com os nossos baixos rendimentos, é difícil poupar mais. Compreendo, naturalmente, este argumento, mas países como a Eslovénia, Hungria, Republica Checa não são mais ricos do que nós e têm taxas de poupança bastante superiores às nossas. É verdade que, nos últimos anos, todos ouvimos o argumento de que Portugal tinha crescido graças à recuperação de rendimentos, que teria estimulado o consumo e, por essa via, o crescimento. Independentemente de eu disputar essa narrativa, mesmo quem nela acredita concordará que essa forma de crescer se esgotou.

As projecções do Conselho de Finanças Públicas são um banho de realidade (apesar de se tratar apenas de previsões) que nos obriga a repensar a estratégia de crescimento. Face à necessidade de baixar o endividamento externo, o crescimento terá de vir, preferencialmente, pelas exportações e por um aumento da produtividade. Nada disso parece possível, pelo menos sustentadamente, sem um aumento estrutural do investimento e da poupança interna. Infelizmente, não há uma forma fácil de o fazer. Voltarei a este assunto num próximo artigo.