Taça de Portugal a 25 de Maio e campeonato suspenso no fim-de-semana das legislativas

Governo chegou a acordo com a Liga e a Federação de Futebol, revela secretário de Estado do Desporto, João Paulo Rebelo, ao PÚBLICO

Foto
Enric Vives-Rubio

Já está decidido: a final da Taça de Portugal será antecipada um dia, para não coincidir com a data das eleições europeias, marcadas para 26 de Maio. E no fim-de-semana das eleições legislativas (marcadas para 6 de Outubro) nem sequer haverá jogos do campeonato. O Governo, a Liga e a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) já chegaram a acordo, revelou ao PÚBLICO o secretário de Estado do Desporto, João Paulo Rebelo.

"No desenrolar da sua actividade normal quer com a FPF quer com a Liga, houve sensibilização das entidades organizadoras atempadamente e estamos em condições de garantir que nem no dia das eleições europeias nem no dia das eleições legislativas haverá coincidência com jogos de futebol", explicou.

A final da Taça foi marcada para dia 26 de Maio antes de o Presidente da República marcar o dia das europeias. Mas como a janela de calendário para a realização de eleições europeias nos vários países só contemplava um domingo, o de 26, Marcelo Rebelo de Sousa não teve alternativa. Agora, a decisão foi antecipar um dia o jogo da Taça, que costuma realizar-se no Estádio Nacional, no Jamor, em Oeiras. Os finalistas serão conhecidos dia 3 de Abril, sendo que neste momento estão ainda a disputar a presença Benfica, Sporting, FC Porto e Sp. de Braga.

Se a data da Taça se mantivesse, seria a quarta vez consecutiva que se realizava um jogo de futebol em dia de eleições. Em 2017, as eleições autárquicas coincidiram, por exemplo, com quatro jogos do campeonato nacional, um dos quais o clássico entre os “leões” e os “dragões” em Alvalade, numa altura em que ambas as equipas lutavam pela liderança classificativa. Agora, nem o Presidente da República nem o primeiro-ministro queriam que voltasse a haver sobreposição e, por isso, desde Dezembro que havia conversações para encontrar uma solução.

O Governo aproveitou também para discutir o caso das eleições legislativas. No primeiro fim-de-semana de Outubro costuma haver sempre jogos do campeonato. Não era fácil cancelar os jogos de domingo e passá-los todos para sábado, pois isso iria sobrecarregar o calendário e obrigaria à realização de jogos em simultâneo - dificultando a transmissão televisiva de todos eles. O acordo que já está selado passa pela interrupção de jogos do campeonato nos dias 5 e 6 de Outubro, aproveitando estes dias para uma jornada da selecção nacional, ou seja, o seleccionador Fernando Santos poderá fazer treinos com os convocados nesses dias.

"Chegou-se a um entendimento sem necessidade de qualquer imposição legal", congratula-se o secretário de Estado do Desporto, elogiando a disponibilidade das várias entidades. O Governo tinha admitido que, no limite, aprovaria legislação para impedir que a sobreposição entre eleições e jogos de futebol voltasse a acontecer. Não será, pois, necessário.

Os jogos de futebol poderiam contribuir para o aumento da abstenção, algo que preocupa políticos, partidos e a Comissão Nacional de Eleições (CNE). O horário e localização da final da Taça de Portugal poderia causar mais dificuldades na votação dos adeptos de futebol que tivessem de fazer a viagem até Oeiras. “Olhando para a última final, as pessoas de Vila das Aves não conseguiriam ir votar, por exemplo. As horas a que tiveram de sair e o horário de chegada não lhes permitiria exercerem o direito de voto. Por outro lado, o facto de o jogo ser em Lisboa não causaria grande perturbação das assembleias de voto nas outras zonas do país”, tinha dito ao PÚBLICO em Dezembro o porta-voz da CNE, João Tiago Machado.

Além do caso das últimas autárquicas, também em 2015 houve jogos de futebol em dia de eleições legislativas, assim como no dia das eleições europeias de 2014.