Mo House não se soletra, significa amor

Entalada entre edifícios na Rua de Belomonte, no Porto, nasceu uma guest house que manteve a traça antiga, juntando as comodidades de um hotel com o conforto de casa.

Foto
Adriano Miranda

A carvoaria, o bananeiro, a cestaria, as mercearias, a costureira, o latoeiro, as cerzideiras "que apanhavam as malhas da roupa" e "as senhoras que passavam com galinhas e ovos". "Está tudo diferente", resume Manuel Silva, que prefere falar da sua Rua de Belomonte no passado. Ele próprio, no número 79, gere aquilo a que chama de pet-shop — ainda é, na verdade, a mesma loja de comida para pássaros de sempre. Na porta ao lado, há uma casa moderna e bairrista, afeiçoada às pessoas e aos costumes, uma mistura fina entre um hotel e uma casa de família. Chama-se Mo House.

O número 81 desta artéria portuense é moderno por fora e moderno por dentro — sem ter sido preciso destruir o miolo do edifício como se de um castelo de cartas se tratasse. "Cheguei aqui e apaixonei-me à primeira vista e com a casa no estado em que viu [nas fotografias espalhadas pelas paredes]", conta Rita Olazabal. Que distribuía o tempo entre os casamentos que fotografava e os três filhos. "Custava-me passar os fins-de-semana longe deles." Começou por gerir um apartamento no Passeio das Virtudes e deu "o salto", mantendo-se nos limites do centro histórico e misturando as comodidades de um hotel com o conforto de casa. "Adoro a minha casa. Para sair, tem que ser para melhor", diz.

PÚBLICO -
Foto
Adriano Miranda

Mo não se soletra. É uma palavra. "É diminutivo de amor. O meu marido trata-me por Mo e eu a ele. Portanto vem da palavra amor. Quando eu estava à procura de um nome e nada me vinha à cabeça, uma amiga disse-me que só se podia chamar Mo, que não podia ser outra coisa. E é engraçado que muitos hóspedes quando saem de cá dizem-me que se nota o amor, sem saberem de onde vem a palavra. E eu fico muito contente." Está nos detalhes originais, nos bancos namoradeiras, no armário de pratos (agora biblioteca) do quarto número 7, que era a sala de jantar, nas estruturas arqueadas de pedra (que ajudam a suportar a teoria de que originalmente este foi um edifício religioso do século XVIII), no sol a rasgar a clarabóia, nas madeiras originais e soalhos todos pintados de branco, no oratório transformado em casa de banho, no corrimão e balaústre recortado da escadaria, nas tábuas de andaime que são prateleiras, nas peças saídas do estaleiro montadas em forma de espelho gigante, no pátio que tem tanto de espaçoso como de silencioso, na história da rampa do cavalo, que descansava no espaço onde hoje é servido o pequeno-almoço "cinco estrelas": tudo fresco, muitas coisas caseiras, sumos feitos na hora, smoothie do dia e bolos caseiros à fatia que por ali ficam durante a tarde (mais limonada e água aromatizada) para quem quiser lanchar. "Quando os hóspedes saem cedo, nós metemos-lhes o pequeno-almoço no quarto na véspera. Perguntamos o que querem e pomos leite ou iogurtes, bolo, pão, fruta e queijo, depende do que pedem."

PÚBLICO -
Adriano Miranda
PÚBLICO -
Adriano Miranda
PÚBLICO -
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

Na Mo House contam-se nove quartos "grandes e bons" (os preços variam entre os quartos que dão para a rua e os que dão para o rio, e época alta e baixa), todos com casa de banho e kitchenette, todos pensados por Rita, com ideias preconcebidas. "Pensei muito nisto do ponto de vista de mãe. Muitas vezes ia viajar e precisava de um sítio para aquecer o biberão dos meus filhos ou aquecer uma sopa, ter uma colher no quarto ou um prato. Por outro lado, fiz questão de ter dois quartos com capacidade para mais pessoas porque como nós somos cinco muitas vezes não há quarto para todos e somos obrigados a ficar separados e é muito deprimente. Não é a mesma coisa." Na opinião de Rita, "não chega ter os serviços todos", é preciso uma pessoa "sentir-se em casa".

PÚBLICO -
Foto
Adriano Miranda

É a mistura de um hotel (elevador introvertido, concierge das 9h às 21h, transporte entre a guest house e o aeroporto) e de uma segunda casa para quem viaja. Os quartos (dois por andar, um no rés-do-chão e um na cave) dão quase todos para quatro pessoas (uma cama de casal ou duas camas mais um sofá-cama), sendo que metade deles tem uma vista privilegiada sobre o rio Douro e o casario. Quando Rita chegou, "tinha acabado de sair o último inquilino", as escadas estavam cobertas por um oleado, os espaços deteriorados e os únicos habitantes eram as galinhas da Sãozinha, a senhoria do prédio ao lado que hoje bate à porta de manhã para cumprimentar Rita com "dois beijinhos à janela". A faz-tudo deste projecto — que abriu em Março de 2018 — fotografa a roupa a secar entre bandeiras de Portugal dos vizinhos e sente-se apaixonada pelo Largo São João Novo, "um sítio delicioso que parece saído de uma história de encantar". A pé, a Mo House "está a meio de tudo". Fica a cinco minutos dos Clérigos, a cinco minutos da estação de São Bento, a cinco minutos da Ribeira, entre o Palácio de São João Novo e o Palacete de Belomonte (onde está instalado um dos núcleos da Escola Superior Artística do Porto). "Às vezes parece que estamos na aldeia", resume Rita.

PÚBLICO -
Adriano Miranda
PÚBLICO -
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

E estamos perto "dos melhores restaurantes" do centro do Porto, enumera a proprietária da guest house: Cantinho do Avillez, Traça, Puro 4050, Cantina 32, Ímpar e Tapabento, isto para além da vizinhança (Taberna de Santo António, Caraças e as empanadas argentinas do outro lado da rua).

A Fugas esteve alojada a convite da Mo House