Washington em estado de emergência devido a surto de sarampo

O alerta foi lançado na sexta-feira e os casos de sarampo continuam a aumentar. Maioria dos doentes são crianças com menos de dez anos.

A maioria dos doentes afectados pelo surto são crianças não vacinadas
Foto
A maioria dos doentes afectados pelo surto são crianças não vacinadas Reuters/LUCY NICHOLSON

Um surto de sarampo nos Estados Unidos obrigou o Estado de Washington a declarar estado de emergência na saúde pública. A decisão foi tomada esta sexta-feira e desde então o número de casos confirmados ainda não abrandou. O balanço mais recente deste domingo dá conta de 35 casos de sarampo. A larga maioria dos doentes são crianças até aos dez anos que não estavam vacinadas contra a doença.

Dos 35 casos confirmados, 24 casos dizem respeito a crianças até aos dez anos. A doença foi ainda confirmada em nove jovens dos 11 aos 18 anos e um caso de um doente entre 19 e os 29 anos.

“O vírus do sarampo é uma doença altamente contagiosa que pode ser fatal em crianças pequenas”, declarou o governador de Washington, Jay Inslee.

De acordo com as autoridades, os doentes infectados frequentaram locais como escolas, igrejas, lojas, espaços de emergência médica em toda a região de Clark, em Washington.

“É um vírus tão contagioso que mesmo se uma pessoa o tiver, 90% das pessoas perto dessa pessoa ficarão infectadas se não forem imunes”, lê-se no alerta do governador.

O sarampo transmite-se por contacto directo e via aérea, como a tosse e espirros. Um dos primeiros sintomas é a febre alta, dez ou 12 dias após a exposição ao vírus. É nesta fase que pode haver escorrimento no nariz, tosse, olhos vermelhos e lacrimejantes e pequenos pontos brancos na mucosa oral. É então que começam a surgir erupções cutâneas na cara e no pescoço, que se estendem para as mãos e pés. A doença provoca diarreias, desidratação, infecção nos ouvidos, pneumonia e encefalite, e, em casos mais de complicações mais graves, pode provocar pneumonia, lesões permanentes no cérebro ou a morte.

O Departamento de Saúde do Estado de Washington implementou uma estrutura de gestão de doenças infecciosas e apela que todas as pessoas que acreditam ter sintomas procurem assistência médica. Também o departamento militar também está disponível para prestar o apoio que for necessário.

De acordo com um relatório da OMS, entre 2000 e 2015, a vacinação contra o sarampo evitou cerca de 20 milhões de mortes.

Apesar de ter sido considerada erradicada nos Estados Unidos em 2000 graças à vacinação, no último ano foram identificados 349 casos de sarampo no país, o que está relacionado com a opção de algumas famílias de não vacinar as crianças pela falta de confiança na eficácia destes tratamentos preventivos e devido à crença em teorias da conspiração sem qualquer fundamento científico.

Segundo os dados do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças, 0,9% das crianças com dois anos e nascidas em 2011 não tinham qualquer vacina. O número aumenta para 1,3% quando a mesma fonte olha para as crianças nascidas em há quatro anos. A tendência de aumento de crianças não vacinadas explica os surtos de doenças como o sarampo, que de outra forma estariam eliminadas.