Lisboa entre os dez melhores destinos do mundo para o turismo de vinhos

A Wine Enthusiast, revista vitivinícola de referência internacional, elegeu a região dos Vinhos de Lisboa para o seu top 10 do enoturismo mundial para 2019.

Fotogaleria
As vinhas da região de Lisboa tornam-se cada vez mais um chamariz turístico José Maria Ferreira
Fotogaleria
Bucelas Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Adega Regional de Colares Tiago Machado

"Até há pouco, era uma das grandes regiões por descobrir da Europa”, escreve a norte-americana Wine Enthusiast no texto em que justifica a escolha de Lisboa para a sua lista de destinos obrigatórios para o turismo de vinhos este ano. Entre elogios à "preservação da tradição" mesclada com "uma bem-vinda mudança", salienta os "vinhos deliciosos".

A Região Vitivinícola de Lisboa – que inclui as denominações de origem de Alenquer, Arruda, Bucelas, Carcavelos, Colares, Encostas d’Aire (Alcobaça e Medieval de Ourém), Lourinhã, Óbidos e Torres Vedras, além de Vinho Regional Lisboa – surge num top 10 que inclui impérios vínicos como Beaujolais (França), os vales de Temecula (Califórnia) ou de Maipo (Chile), mas também, para os menos conhecedores, escolhas que podem surpreender, caso de Banguecoque, na Tailândia.

“A posição de Lisboa ao longo do Atlântico oferece uma miríade de solos, microclimas e topografias”, refere a revista, salientando as vinhas de Colares perto da costa – que “se espalham a partir da areia resistente à filoxera como aranhas de longas pernas” e que incluem castas como Ramisco para “tintos saborosos” e Malvasia para “brancos salinos”.

O foco da revista, muito influente e já com duas décadas de edições, recai ainda sobre a “húmida, fresca” Óbidos e a “mais seca” Alenquer, garante de tintos “robustos, encorpados”, “clássicos portugueses” a partir da Touriga Nacional ou Tinta Roriz.

A distinção da revista já foi comentada pelo presidente da Vinhos de Lisboa, Toscano Rico: “Estamos muito entusiasmados com esta distinção pois vem premiar o trabalho sustentado que temos vindo a desenvolver, sobretudo nesta década, onde se tem registado um aumento no volume certificado e exportado”. 

A Vinhos de Lisboa destaca ainda que “Lisboa passa assim a ser a única capital do mundo com uma região vitivinícola com dimensão e qualidade tal que motivem uma distinção deste calibre”, sublinhando que “o turismo da cidade terá também contribuído para a inclusão” no top 10. Segundo a entidade, a internacionalização dos Vinhos de Lisboa comprova-se também pelo facto de ter como “principal destino de exportação” os EUA, um “mercado em crescimento”, a que se juntam os mercados da Europa do Norte (Suécia e Noruega) e Brasil.

PÚBLICO -
Foto
Vinhas da Quinta da Romeira, Bucelas Enric Vives-Rubio

O artigo da Wine Enthusiast sobre a entrada de Lisboa no top 10 do enoturismo vem acompanhado de sugestões de passeios (casos de Sintra, Colares ou Bucelas), dormidas ou restaurantes por toda a região. Na lista entram a Adega Regional de Colares, Adega Viúva Gomes, Casal Sta. Maria, Quinta da Romeira, Quinta de Chocapalha, Casa Santos Lima, Quinta do Pinto ou a Quinta do Monte d’ Oiro.

Por Lisboa cidade, a revista sugere provar as estrelas gastronómicas do Mercado da Ribeira, um salto à Lx Factory, saborear queijos na Queijaria, as conservas da Conserveira de Lisboa, os vinhos da Garrafeira Alfaia ou os mariscos da Cervejaria Ramiro e do Sea Me, sem esquecer os Pastéis de Belém ou até “siga os lisboetas para a tasca mais próxima” – saliente-se que é mesmo usado o termo “tasca” no texto original em inglês (para boas sugestões de tascas na Fugas siga para aqui).

Para continuar em grande, as sugestões avançam pelos restaurantes Belcanto, Loco, Eleven ou Alma. Na hotelaria, as recomendações passam pelo Altis Belém, Verride, Ritz, Palácio Belmonte, Tivoli Avenida e, para uma escapada fora da capital, Areias do Seixo (perto de Santa Cruz, Torres Vedras).