Apesar do frio, o distrito de Vila Real tem registado vários fogos

Um dos concelhos mais afectado tem sido Montalegre, contabilizando uma média diária de cinco incêndios.

Foto
ANDRE AMARAL / PUBLICO

O tempo seco, o combustível disponível nos solos e o uso do fogo para actividades humanas são algumas das explicações apontadas para os vários incêndios registados no distrito de Vila Real, segundo fontes da Protecção Civil.

Desde sexta-feira que o helicóptero estacionado no centro de meios aéreos de Vila Real tem sido activado diariamente para intervir no distrito transmontano e também nos distritos limítrofes. Um dos concelhos mais afectado tem sido Montalegre.

O comandante distrital de operações de socorro, Álvaro Ribeiro, explicou que as temperaturas têm estado baixas, contudo "não tem havido precipitação e a humidade relativa chega a atingir os 40 ou 50%, o ar é muito seco, o que aliado ainda a alguns momentos em que há vento facilita a progressão dos incêndios".

O vereador da Protecção Civil de Montalegre, David Teixeira, afirmou à agência Lusa que o concelho tem contabilizado "uma média diária de cinco incêndios".

Este está a ser um inverno seco, não há humidade e há muito mato, ou seja, matéria combustível disponível nos solos. A juntar a isto está, segundo o responsável, a actividade humana, como o uso do fogo para a renovação de pastagens, situações que às vezes se descontrolam e acabam por originar fogos. O fogo é ainda usado, por exemplo, para a queima de sobrantes.

David Teixeira referiu que "o normal", há uns anos, "era estar a nevar no concelho nesta altura" e, por isso, frisou, que o que se passa é "fruto das alterações climáticas".

A primeira intervenção aos fogos está a ser feita pelas Equipas de Intervenção Permanente (EIP), existentes nas corporações de Montalegre e de Salto, no mesmo concelho, mas o vereador defende que são necessárias mais equipas. "As EIP são, de facto, a solução de proximidade em territórios do interior, onde a população é envelhecida, porque estes fenómenos vão sendo cada vez maiores", salientou.

Na tarde desta quarta-feira, um fogo que deflagrou numa zona de povoamento florestal na localidade de Nogueiró (Montalegre) mobilizou 26 operacionais, oito viaturas e dois aviões provenientes de Viseu. O comandante dos bombeiros de Salto, Hernâni Carvalho, disse à Lusa que o fogo "começou com grande potencial", numa zona de pinhal com continuidade e que "causou grande preocupação".

"Felizmente a rápida mobilização e intervenção dos meios permitiu dominar a ocorrência", salientou. Hernâni Carvalho explicou que "apesar do frio que se faz sentir, os combustíveis têm bastante disponibilidade para arder". Quanto à origem deste fogo, ressalvou que esta será investigada pelas entidades competentes, no entanto, referiu que, na sua opinião, a única explicação é "haver mão humana por detrás".

"Nestas áreas mais rurais, nesta altura do ano, há de facto um registo grande de ocorrências. O trabalho nos incêndios vai muito além daquilo que é a época e verão e por isso é que tem que se pensar no dispositivo em todos os meses do ano", salientou.

Só nesta quarta-feira, segundo a página na internet da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), verificaram-se quatro incêndios no distrito de Vila Real.

Sugerir correcção