Governo usa “interesse público” para omitir dados da Zona Franca

Centeno ignora parecer da comissão de acesso a documentos e recusa divulgar informação sobre incentivos da Zona Franca da Madeira. Postos de trabalho são ponto sensível da investigação em Bruxelas. Governo teme “potenciais danos” e acena com riscos financeiros.

Foto
Bruxelas tem em curso desde Julho uma investigação formal às isenções do centro de negócios Nelson Garrido

Ao arrepio de uma recomendação da Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos (CADA), o Ministério das Finanças recusa revelar estatísticas e relatórios sobre a Zona Franca da Madeira (ZFM) enquanto estiver de pé a espinhosa investigação da Comissão Europeia às isenções atribuídas às empresas do centro de negócios.

O PÚBLICO tenta desde Agosto obter documentos que abarcam um período de 11 anos – de 2007 a 2017 –, mas o ministério liderado por Mário Centeno rejeita divulgar de imediato a informação, alegando que isso representa “potenciais danos para o interesse público”, podendo afastar investimento privado e implicar riscos económicos e financeiros para Portugal.

A investigação da Comissão Europeia está a ser pilotada pela comissária Margrethe Vestager — conhecida pelas multas já aplicadas aos gigantes tecnológicos Google e Apple — e representa um passo inédito dado em Bruxelas. Ao longo de três décadas, o executivo comunitário aprovou os vários regimes fiscais da ZFM, mas em 2018 revelou dúvidas sobre se Portugal terá respeitado “algumas das condições de base” que levaram a Comissão Europeia a aprovar esses instrumentos em 2007 e 2013, em relação ao chamado Regime III. Os dados sobre os postos de trabalho são um ponto sensível da investigação da Comissão Europeia. Uma das condições para o Estado português conceder as isenções exige a criação de empregos — e Bruxelas duvida que algumas sociedades tenham criado e mantido efectivamente os empregos necessários.

Conhecer o número de postos de trabalho em cada um dos anos de 2007 a 2017 é justamente um dos pedidos do PÚBLICO. Em Agosto, o jornal começou por requerer ao secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, acesso tanto aos relatórios anuais de aplicação do regime de auxílios fiscais, como a uma série de estatísticas fiscais sobre esse período (número de empresas da ZFM, número de postos de trabalho, valor da despesa do Estado com as isenções de IRC, resultados e imposto liquidado). O fisco já divulga no Portal das Finanças algumas destas estatísticas, mas não todas. E os números que revela cingem-se ao período a partir de 2010.

A esse requerimento, o governante começou por não responder. Só o fez quando o PÚBLICO já tinha apresentado uma queixa na Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos (CADA). Mas logo aí disse que não daria acesso à informação por estar pendente a decisão de Bruxelas. Como justificação, invocou o facto de as informações terem uma “conexão directa” com o que a CE investiga.

Documentos separados

À CADA, o secretário de Estado apresentou os mesmos argumentos. A comissão, porém, deixou claro que os documentos pedidos não são os da investigação da Comissão e sublinhou que os documentos “não mudam de natureza” por estarem a ser considerados em procedimentos terceiros.

“Se é verdade que em relação a procedimentos não concluídos, o acesso aos documentos administrativos pode ser diferido até ‘à tomada da decisão’, ‘ao arquivamento do processo’ ou ‘ao decurso de um ano após a sua elaboração’”, a CADA clarificou que o PÚBLICO não pediu o acesso à investigação ou a outro qualquer processo que a Comissão ainda esteja a decidir. “Pediu, sim, o acesso a diversa informação financeira, fiscal e estatística”, sustenta a CADA, explicando que “não deve haver confusão entre a natureza de procedimentos, mesmo de investigação, que corram em quaisquer entidades e em que determinados documentos administrativos são levados em conta, e os procedimentos ou processos em que esses mesmos documentos administrativos foram produzidos.”

Com base neste argumento, a CADA recomendou ao governante que facultasse a informação. Mendonça Mendes continuou sem o fazer: não comunicou a decisão final fundamentada no prazo de dez dias previstos na lei, obrigando o PÚBLICO a avançar com uma acção no Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa para intimar o Ministério das Finanças a prestar a informação.

Foi aí, já no início de Dezembro, que o Governo recorreu a razões de “interesse público” para manter os dados na gaveta, dando tradução argumentativa ao que o secretário de Estado afirmara em Setembro no Parlamento ao invocar a necessidade de “recato” em relação a este dossier.

Na resposta ao processo de intimação, o Ministério das Finanças discorda do parecer da CADA dizendo que podem subsistir “razões legítimas” para a administração pública manter a informação “temporariamente resguardada”. E alega que conhecer algumas das informações poderia “afectar, de modo grave, os objectivos de actividade de inspecção e o processo decisório” de Bruxelas.

Versão não-confidencial

O Governo centra as preocupações no facto de alguns dos dados pedidos coincidirem com o que está a ser investigado, ainda que, como a CADA afirmou, não esteja em causa o acesso a esse processo. Para o Governo, a “divulgação de apreciações de natureza sensível – e ainda em processo de contraditório – é passível de prejudicar a estabilidade do regime sob avaliação, afectando a protecção de interesses comerciais das pessoas singulares ou colectivas que beneficiaram dos auxílios e condicionando decisões de localização de investimento ou actividades, com o inerente risco de prejuízo da protecção do interesse público, no que respeita à política financeira, monetária e económica de Portugal”.

Bruxelas já elencou algumas das dúvidas sobre as isenções atribuídas no comunicado que emitiu a 6 de Julho. Falta publicar uma versão não-confidencial dessa decisão, um texto pormenorizado com a fundamentação legal e económica para o facto de ter sido aberta a investigação aprofundada. Quanto a isso, os serviços na alçada de Margrethe Vestager (a Direcção-Geral da Concorrência) ainda estão em negociações com o Governo português para definir o que é revelado, sendo certo que a palavra final caberá sempre à Comissão.

Ao PÚBLICO, o Governo promete dar acesso aos documentos pedidos quando houver uma decisão final, algo que não tem data definida para acontecer. E para isso invoca a norma da lei de acesso aos documentos administrativos onde se prevê que o acesso a documentos “preparatórios de uma decisão ou constantes de processos não concluídos pode ser diferido até à tomada de decisão, ao arquivamento do processo ou ao decurso de um ano após a sua elaboração, consoante o evento que ocorra em primeiro lugar”.

A questão é, porém, distinta: a CADA já tinha referido que os documentos pedidos são outros. Na acção entregue no tribunal, o PÚBLICO alegou que a informação estatística pedida é anterior ao processo de Comissão Europeia e dele independente, pois à partida já seria de acesso público. Considerando que não se trata de informação sensível, classificada ou protegida por segredo de Estado, é referido na acção não ser compreensível como poderão os dados pôr em causa quaisquer interesses fundamentais do Estado.