Cáritas Portuguesa disponibiliza 15 mil euros e abre conta solidária para vítimas de tsunami

Já em 2004, a Cáritas Portuguesa tinha prestado um apoio de emergência às vítimas de um devastador tsunami que atingiu o Oceano Índico.

Foto
Jorge Silva/REUTERS

A Cáritas Portuguesa anunciou hoje ter disponibilizado 15 mil euros de receitas próprias para um apoio de emergência às famílias das vítimas do tsunami na Indonésia, que no sábado provocou pelo menos 373 mortos e mais de 1400 feridos, segundo a actualização feita na manhã desta segunda-feira pela Agência para a Gestão de Desastres da Indonésia.

"A Cáritas Portuguesa disponibilizou de imediato o valor de 15.000 euros de receitas próprias, para apoio de emergência, através da Caritas Internationalis. Além desta verba, foi aberta a conta solidária 'Cáritas ajuda as vítimas do tsunami', com o IBAN PT50 0036 0324 9910 0019 2847 6 (Montepio) e a verba angariada destina-se a apoiar as famílias atingidas por esta calamidade", sublinha, um comunicado.

Na nota, a Cáritas salienta que "responde, desta forma, ao apelo deixado pelo Papa Francisco".

De acordo com a instituição, a Cáritas da Indonésia (KARINA) informou a Caritas Internationalis de que a zona afectada cobre as dioceses de Bogor e de Tajung Karang e que estas estão a recolher informação para apoiarem as autoridades no resgate às vítimas.

"Irão, também, iniciar-se os levantamentos de necessidades para se poder dar uma resposta coordenada a esta emergência. Esta manhã foram já distribuídos 700 kits de alimentos prontos a consumir: 500 para o hospital e 200 no posto de atendimento em Kalianda", adianta o comunicado.

Já em 26 de Setembro de 2004, a Cáritas Portuguesa tinha prestado um apoio de emergência "às vítimas de um devastador tsunami que atingiu o Oceano Índico, deixando centenas de milhares de mortos por todo o sudeste asiático, em particular na Indonésia".

Naquela altura, "além do apoio de emergência prestado, com a generosidade dos portugueses e através das Cáritas nacionais", a instituição "apoiou a construção de habitações e permitiu a centenas de famílias recuperarem os seus meios de subsistência e reorganizarem as suas vidas".

Sugerir correcção