Catarina Pedroso e Ricardo Duarte criaram os sapatos vegan Balluta

Marca de calçado portuguesa foi seleccionada para estar numa importante feira em Milão e já vende para o mercado internacional.

Foto
DR

É vegan, feminina, tem sete meses de vida e já dá passos fora de Portugal com os direitos dos animais como bandeira. É a marca de calçado Balluta, “a única portuguesa seleccionada para o evento Emerging Designers, nas duas próximas edições da maior feira de calçado internacional, a MICAM, em Milão”, orgulha-se Catarina Pedroso que criou a marca com o marido Ricardo Duarte.

Quando o casal se meteu nesta aventura, nenhum dos dois tinha conhecimentos na área do calçado. Tinham, sim, o gosto pelo design, moda e arte, assim como a vontade de fazer algo fora da caixa. Por essa altura, tinham (e ainda têm) uma empresa na área do turismo. Certo dia, Ricardo Duarte lançou o desafio: “Porque não criamos uma marca de calçado?”. 

“Ainda pensei que ele estava louco”, conta Catarina Pedroso, entre risos. Mas depois a ideia começou a fazer sentido, por causa do percurso académico de Catarina que é licenciada em pintura e tem uma pós-graduação em curadoria. Também já trabalhou como maquilhadora de moda e depois como gestora de marcas de maquilhagem. E pensou: “Porque não?” Tinha uma mão cheia de criatividade, experiência no mundo da moda e gosto pela arte, enumera. 

Regra de ouro: teria de ser um calçado sem materiais de origem animal e não testado em animais, ou seja, cruelty free. Primeiro, porque Catarina é defensora dos direitos dos animais depois de, em pequena, ter “crescido no seio de uma família com tradições tauromáquicas”, recorda. E ter assistido a touradas. Acabou por se tornar vegetariana e, como tal, os sapatos só poderia, ser vegan. Aliás, o nome escolhido para a marca significa “bolota”.

O casal começou, então, por explorar o que existia no mercado e a bater a algumas portas de fábricas para ver onde produzir o calçado. “Vimos logo que a ideia tinha potencial”, diz Catarina Pedroso que frequentou, entretanto, um curso de design de calçado na Lisbon School of Design. É ela quem desenha, inspirada na arte e na natureza. “O curso também ajudou a perceber como funciona a produção do calçado”, recorda.

Também teriam de ser sapatos, sandálias, sapatilhas, botins e botas “arrojados e divertidos” e a paleta de cores é exemplo disso. Sempre com a preocupação ambiental por trás, com materiais ecológicos e não poluentes, como plástico reciclado. “Ou material com percentagem de cereais no forro do calçado e os saltos feitos de cortiça ou madeira”, descreve. O casal procura sempre soluções sustentáveis. 

Em apenas sete meses, a marca já lançou duas colecções, seguindo-se uma terceira em Fevereiro de 2019. Inicialmente, vendeu mais em Portugal, mas agora 90% dos clientes são internacionais, dos EUA, Reino Unido e Alemanha. Os dois sócios, aos quais recentemente se juntou um terceiro, Susana Gomes da Costa, já começaram a colher os frutos. “É uma honra termos sido a única marca portuguesa escolhida para entrar na categoria de Emerging Designers e podermos estar lado a lado com os top players do sector”, diz satisfeita. Por enquanto, esta é uma marca online e os preços variam entre os 159 euros e os 400 euros.