O futebol europeu está a ficar cada vez mais desequilibrado

Segundo um estudo do Observatório do Futebol relativo à última década, a I Liga portuguesa é aquela em que os campeões ganham mais pontos.

Foto
O FC Porto foi o último campeão nacional de futebol LUSA/MANUEL FERNANDO ARAÚJO

Não acontece apenas numa liga ou num país. Segundo um estudo do Observatório do Futebol, a partir de uma amostra de quase 70 mil jogos em 24 competições do futebol europeu (22 campeonatos, mais Liga dos Campeões e Liga Europa) realizado entre 2008-09 e 2017-18 (2664 na I Liga portuguesa), o futebol europeu está a ficar mais desequilibrado, e há vários dados que sustentam esta conclusão. Os clubes conquistam títulos de campeão com mais pontos e as vitórias acontecem com maior diferença de golos. A Liga portuguesa não escapa a esta tendência, sendo mesmo aquela em que os campeões conquistaram mais pontos na última década.

O Observatório do Futebol, organismo sedeado na Suíça e que se dedica, desde 2005, à análise estatística do futebol europeu, salienta que se está perante uma tendência transversal no futebol europeu, em que Portugal surge na dianteira. Segundo o estudo, os campeões portugueses dos últimos dez anos (Benfica e FC Porto, cinco vezes cada um) foram-no conquistando uma média de 84,4% dos pontos possíveis. A boa notícia é que, segundo os números recolhidos, parece haver uma inversão desta tendência da primeira metade da década (85,1%) para a segunda (83,7%), uma tendência que se verifica em mais cinco campeonatos (Ligas espanhola, belga, finlandesa, polaca e II Liga alemã). No pólo oposto, está a II Liga francesa, que tem tido campeões com uma média de 64,4%.

PÚBLICO -
Aumentar

Igualmente reveladoras são as Ligas com maior crescimento na percentagem de pontos dos seus campeões, que estão igualmente entre as Ligas com maior domínio de um único clube nos últimos cinco anos. A Ligue 1 francesa teve o PSG quatro vezes campeão nos últimos cinco (o Mónaco foi a excepção em 2016-17), com um crescimento de 10% em termos de percentagem de pontos do campeão. Já a Bundesliga alemã (Bayern Munique) e a Séria A italiana (Juventus) tiveram o mesmo campeão nos últimos cinco anos, também com um crescimento significativo na percentagem de pontos conquistados em relação à primeira metade da década, respectivamente 7,2% e 8,3%.

Há também uma tendência crescente na diferença de golos nas vitórias e nos jogos que acabam em goleadas. Aqui, a competição com mais desequilíbrio é a Liga dos Campeões, com uma média de 1,578 golos de diferença entre vencedor e vencido, e com a maior percentagem de jogos em que o vencedor ganha por três ou mais golos de diferença (21%). Nestes dois indicadores, a I Liga portuguesa surge na segunda metade da tabela, em 15.º na diferença entre vencedor e vencido (1,320) e em 17.º nos jogos com três ou mais golos de diferença (13,9%). Em ambos, a II Liga italiana é o campeonato mais paritário.

PÚBLICO -
Aumentar

“É um agravamento da desigualdade competitiva que corresponde a um agravamento da diferenciação económica entre os clubes”, constata Miguel Poiares Maduro, antigo presidente do Comité de Governação da FIFA. Ao PÚBLICO, Poiares Maduro refere que o reforço da desigualdade está ligado aos direitos televisivos, tanto a nível interno como nas provas internacionais, e que uma coisa leva à outra. “O impacto das receitas da Champions a nível nacional é enorme”, refere.

Uma das conclusões mais surpreendentes, diz o antigo ministro, é a posição da Liga portuguesa como o campeonato mais desequilibrado: “Como é que isto não merece uma cimeira de todos os responsáveis do futebol português? Isto tem depois um impacto enorme no interesse da própria competição, explica por que razão os jogos têm menos espectadores e os próprios direitos televisivos têm menos valor”, adverte.