Terminal de contentores do Barreiro fica “coxo” sem nova ponte sobre o Tejo

Falta de ferrovia pesada é lacuna no escoamento para Lisboa. Barcaças são solução até à construção da terceira travessia do Tejo.

Foto
PAULO PIMENTA

O futuro terminal de contentores do Barreiro ficará “coxo” sem a construção da terceira travessia sobre o Tejo, essencial para que o escoamento da carga possa ser feito, para Lisboa, através do comboio.

A conclusão ficou patente na sessão de esclarecimento sobre o projecto, promovida no Barreiro, a poucos dias do final do período de consulta pública do estudo de impacto ambiental (EIA), que termina a 7 de Dezembro próximo.

Em resposta a uma das mais de cem pessoas da assistência que participaram no encontro, e em que se afirmou que “o projecto está coxo”, por não ser possível ligação à margem norte do Tejo em ferrovia pesada – que a Ponte 25 de Abril não suporta –, a Administração do Porto de Lisboa (APL) confirmou o problema.

“É verdade”, disse Carlos Correia, administrador da APL, admitindo que a ligação por comboio a Lisboa será uma lacuna “até ser construída a terceira travessia do Tejo”.

Apesar dessa limitação, afirmou este responsável, a capacidade de escoamento por via ferroviária é a “grande vantagem” da construção do novo terminal de contentores no Barreiro, como alternativa a Lisboa.

A ligação ferroviária é o “elemento decisivo no funcionamento” do futuro terminal, precisamente porque “esse é o principal óbice em Lisboa”, uma vez que “o terminal de Alcântara tem acessibilidades ferroviárias péssimas, sem solução”, explicou Carlos Correia.

As acessibilidades ao novo porto do Barreiro ainda estão em fase de estudo, porque, revelou Paulo Mello, da Infra-Estruturas de Portugal (IP), a mudança de localização do projecto levou ao “cancelamento do contrato”. De acordo com Paulo Mello, o novo estudo deverá estar concluído, para ser apresentado à Agência Portuguesa do Ambiente (APA), “em Março ou Abril” do próximo ano.

Este responsável adianta que serão dois os acessos ao futuro terminal, um rodoviário – assente no IC21, que implicará melhoramentos, como, por exemplo, uma provável rotunda no actual cruzamento do hospital, que é ponto crítico –, e um ferroviário.

A ligação do comboio ao local tem de atravessar malha urbana consolidada da cidade, pelo que a solução viável é por cima das vias já existentes. “A ferrovia será provavelmente toda em viaduto e só junto do terminal é que descerá para quota do solo”, adiantou Paulo Mello, acrescentando que “o modo [de transporte] de que a IP mais gostaria é o ferroviário, com composições de 750 metros”, que é a capacidade que a empresa está a “implementar em todo o país”.

O responsável da IP disse ainda que a empresa encomendou também um estudo de tráfego que “será tido em conta”, nas soluções a concretizar para o transporte rodoviário, tendo em conta a intensidade de circulação no IC21. Aí, segundo um dos populares que participaram na sessão, passam já cerca de 37 camiões por hora no transporte de combustíveis do terminal de líquidos do Barreiro.

Barcaças no Tejo

Enquanto não há ponte para comboio pesado, o escoamento da carga do novo terminal do Barreiro para Lisboa será feito através de barcaças. A solução prevista no projecto implica que 200 metros do total de 1325 metros de extensão do novo porto sejam para um terminal de barcaças no Barreiro.

Estas embarcações vão assegurar a ligação fluvial entre as margens do Tejo e a APL pretende até alargar este modo de transporte. “Estamos a estudar o uso de barcaças no estuário, também de Alcântara para Castanheira do Ribatejo”, porque “o transporte rodoviário é mais impactante sobre a cidade”, disse Carlos Correia.

Debate partidarizado

O debate sobre a construção do terminal de contentores do Barreiro está cada vez mais partidarizado, com o presidente da autarquia a denunciar o que diz ser “tacticismo” por parte da CDU, que perdeu o município para o PS nas últimas autárquicas.

“Aquilo a que se tem assistido nos últimos meses desde que a questão passou para este novo executivo, após as eleições, foi o tentar partidarizar a questão. Uma coisa que era boa e podia ajudar a desenvolver o Barreiro agora passou a ser má e um obstáculo. Este é um caminho errado. Não creio que este seja o sentimento da maioria dos barreirenses. Acho que é o sentimento de pequena parte dos barreirenses”, disse Frederico Rosa (PS) ao PÚBLICO.

O autarca socialista alude ao que diz ser uma estratégia de oposição sistemática da CDU aos projectos para a região.

“Hoje há um constrangimento forte, porque vemos constantemente em tudo o que se quer fazer, para a evolução também no Barreiro, intervenções de pessoas que estão contra o aeroporto; agora passaram a estar contra o terminal, que estão contra a recuperação do Moinho Pequeno e que acabam por inquinar uma conversa que é demasiadamente importante para o Barreiro para estar situada apenas no plano partidário ou de uma trincheira política local”, afirma Frederico Rosa.

O PS prepara-se para aprovar o parecer favorável do município ao EIA na reunião de câmara do próximo dia 5 de Dezembro. Os vereadores socialistas, que estão em maioria relativa no executivo, dizem que depois da deslocalização do terminal da Avenida da Praia para os terrenos industriais da Baía do Tejo, “estão reunidas as condições políticas” para aprovarem o projecto.

A CDU não decidiu ainda se é contra ou a favor do terminal. “Não temos posição ainda tomada, temos muitas dúvidas”, disse ao PÚBLICO Rui Lopo, vereador da CDU que puxou por este investimento no mandato passado, ao lado do anterior presidente comunista Carlos Humberto.

“O EIA ainda não responde a tudo. Estou a falar de questões centrais, como a relação com a cidade. É certo que o terminal se deslocou mais para nascente, mas a relação com a cidade aparentemente está por conseguir, para não se criar um tampão na relação com a cidade; a questão das barcaças e como vai ser a movimentação dos granéis, e depois a questão dos acessos e da mobilidade. Parece-nos que é criado um novo ramal ferroviário que pode ser um bloqueio para a população do Lavradio, cuja população já está bloqueada pelo Alto Seixalinho, e, com um ramal perpendicular, fica bloqueada no acesso ao Barreiro. Não faz sentido nenhum ser usado a Avenida das Nacionalizações”, conclui Rui Lopo.