Web Summit com mais participantes, o mesmo espaço e a promessa de crescer

A organização espera 70 mil pessoas, numa área que já se revelou acanhada nos anos anteriores.

São esperadas cerca de 70 mil pessoas este ano
Foto
São esperadas cerca de 70 mil pessoas este ano Ricardo Lopes/arquivo

Pela terceira vez em Lisboa, a Web Summit vai levar ao palco centenas de oradores. São magnatas da tecnologia, inventores, cientistas, políticos, atletas, e celebridades da música, televisão e cinema, que abordam temas para lá da tecnologia. Os nomes nomes são muitos, mas o tempo é para cada um: a generalidade das palestras e debates tem entre 15 e 20 minutos.

Já a área ocupada continua a mesma, num espaço que se revelou acanhado nos anos anteriores. O evento decorre no Parque das Nações, em Lisboa, espalhando-se pelo Altice Arena – onde está o palco principal e uma zona para convidados – e pelos quatro pavilhões da Feira Internacional de Lisboa, mais conhecida por FIL.

No final da primeira edição em Portugal, em 2016, o fundador da Web Summit Paddy Cosgrave afirmou que o evento se alargaria a outros locais daquela zona de Lisboa, aproveitando algumas das estruturas criadas para a Expo98. O objectivo era resolver a falta de espaço, especialmente nos pavilhões, onde as startups se acotovelam em busca de clientes e investidores, e onde as palestras nem sempre são fáceis de acompanhar devido ao ambiente frenético. Mas a promessa acabou por não se concretizar e só agora, com o contrato de permanência por mais dez anos, foram anunciados planos para ampliar a FIL.

Ao todo, os quatro pavilhões da FIL tem uma área coberta de 40 mil metros quadrados (são 100 mil se contabilizados os espaços exteriores). O Altice Arena tem cerca de cinco mil metros quadrados e capacidade para 12.500 pessoas sentadas, o que significa que não é possível acomodar ao mesmo tempo as cerca de 70 mil pessoas que, de acordo com a organização, têm bilhete (foram 50 mil em 2016 e 60 mil em 2017). Nos anos anteriores, muitas acabaram por assistir ao que se passou no palco principal através dos grandes ecrãs exteriores.

Há eventos muito maiores na Europa. A IFA, uma feira de electrónica de consumo em Berlim, já vendeu para a sua edição do próximo ano 159 mil metros quadrados de área coberta a empresas que querem mostrar os seus produtos. O World Mobile Congress, o maior evento do mundo dedicado ao sector dos telemóveis, decorre anualmente em Barcelona, num enorme espaço de 400 mil metros quadrados, onde passadeiras rolantes ajudam os participantes a circularem entre pavilhões. Este ano, foram ao congresso um pouco mais de 100 mil pessoas.

Já o preço das entradas para a Web Summit  também costuma impressionar. O preço para um bilhete normal era de 1500 euros. O bilhete “executivo” (que dá acesso ao jantar com oradores) ficava perto dos cinco mil euros. O bilhete mais caro custava praticamente 25 mil euros. Mas havia entradas gratuitas para estudantes.

O número que é novidade este ano é o compromisso de permanência em Lisboa: são dez anos, com contrapartidas que incluem 11 milhões de euros anuais de dinheiro público.

Sugerir correcção