FIL vai duplicar de tamanho para acolher Web Summit durante mais dez anos

Portugal garante 11 milhões de investimento público por ano. Contrato prevê uma cláusula de rescisão de 340 milhões por ano: se a Web Summit sair antes do fim do contrato, o país e a cidade terão de ser recompensados, diz António Costa.

Foto
Fernando Medina, António Costa e Paddy Cosgrave durante o anúncio oficial Rui Gaudêncio

Depois de ter sido noticiado que o acordo entre Governo e a organização da cimeira de tecnologia estava fechado, a organização da Web Summit fez o anúncio oficial nesta quarta-feira: a Web Summit manter-se-á em Portugal durante os próximos dez anos — o acordo está assinado até 2028. O co-fundador e presidente da feira de tecnologia irlandesa, Paddy Cosgrave, diz que esta é a “decisão mais doida” da sua vida. 

Para poder acolher a cimeira de tecnologia, a FIL (Feira Internacional de Lisboa) duplicará de tamanho. Ainda não são conhecidos muitos detalhes sobre a expansão do espaço, mas foi referido na conferência que o objectivo é aumentar cerca de 2,25 vezes a área actual; a configuração física final ainda não está fechada. Uma coisa é certa: haverá uma zona de conexão entre a Altice Arena e a FIL.

A duplicação do espaço deverá estar concluída até 2022 e pretende dar resposta “ao contínuo e rápido crescimento da Web Summit desde o seu início”. A primeira fase da expansão começará nos próximos meses. 

Os responsáveis frisam que não se trata somente de alargar a FIL, mas também de melhorar as infra-estruturas já existentes. Como o plano só vai começar a ser desenhado agora, ainda não foram avançados números sobre o investimento — mas sabe-se que haverá uma contribuição de fundos privados e do Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa. Contrariamente ao acordo inicial com Lisboa, que garantia a permanência da feira durante três anos com a possibilidade de dois anos adicionais, o novo negócio foi assinado por dez anos sem opção de expansão. 

“Queríamos manter a Web Summit em Portugal, mas sabíamos que não era possível. Crescemos demasiado. Não havia espaço. Mas há uns meses foi-nos proposto um plano para duplicar o local a que chamamos casa. E isso mudou completamente a nossa perspectiva”, esclareceu o presidente da Web Summit, Paddy Cosgrave. Com este acordo, estão previstas 100 novas contratações nos escritórios da Web Summit de Lisboa.

As propostas de outras cidades europeias

“É impressionante o quanto as grandes capitais europeias querem a Web Summit. E tenho de agradecer as propostas que foram feitas”, admite Cosgrave. O período de negociações durou mais de um ano e envolveu ofertas de mais de 20 cidades europeias (incluindo Berlim, Paris, Londres, Valência e Milão). “Mas o coração da Web Summit e da equipa da Web Summit está em Lisboa”, assegura o irlandês, brincando ao dizer que agora “pertence a dois países”.

Paddy Cosgrave diz ao PÚBLICO que a proposta de Valência era das mais tentadoras, mas acabou por não ir avante porque o aeroporto da cidade é demasiado pequeno. Em Portugal, o aeroporto não representa um problema porque Novembro é um dos meses menos movimentados, explica Cosgrave ao PÚBLICO. Se a cimeira de tecnologia se realizasse em Junho e não em Novembro, Lisboa teria sido uma escolha impossível, admite. A próxima edição acontece entre os dias 5 e 8 de Novembro e deverá reunir cerca de 70 mil pessoas na capital portuguesa.

PÚBLICO -
Foto
O CEO da Web Summit, Paddy Cosgrave RUI GAUDÊNCIO

A candidatura de Valência, nos termos em que foi divulgada pelo município espanhol, previa um investimento de cinco milhões de euros em cada um dos dez anos incluídos na proposta. Antes da decisão final, o valor aumentou. "A oferta que foi divulgada ao público é antiga. Não foi a última proposta. A oferta final deles era enorme", diz Cosgrave ao PÚBLICO, sem avançar valores específicos.

Já Munique, que queria o evento por um mínimo de sete edições, avançou com um investimento de pelo menos 850 mil euros por ano. As propostas de Londres e Berlim não foram tornadas públicas, mas Paddy Cosgrave garante que as cidades estavam a oferecer mais do que Lisboa — daí considerar “doida” a sua decisão de ficar por Portugal. 

á o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, foi lacónico: “Ganhámos”. E acrescenta: “Acredito que Lisboa vai conseguir ser uma cidade de referência a nível tecnológico. É através do reconhecimento que a Web Summit trouxe que somos vistos como um pólo de grandes empresas globais”, refere, dando como exemplo a Mercedes e a Google. 

“É um prazer alojar a Web Summit nos próximos dez anos”, afirmou por sua vez o primeiro-ministro, António Costa. “Podem contar connosco para continuar a ajudar a Web Summit a crescer. Porque quando crescemos, crescemos. E foi isso que aconteceu: crescemos.”

Questionado sobre os custos de ter a Web Summit em Portugal durante tanto tempo, o ministro da Economia, Caldeira Cabral, refere que “os apoios que foram negociados foram de 11 milhões por ano”. “Há uma cláusula de rescisão: se a Web Summit sair, o país e a cidade terão de ser compensados pelos seus esforços”, explicou. O valor a pagar pela Web Summit é de 340 milhões por cada ano dos dez acordados que não for cumprido. Tem como base o impacto económico do evento em Portugal durante a semana em que ocorre.

"Com o escalar deste evento para mais de 100 mil pessoas, podemos estar a falar de uma receita fiscal que paga várias vezes este apoio que estamos a dar", garantiu. Em Novembro de 2017, as estimativas reveladas pelo Governo mostravam que a Web Summit gerou um impacto de pelo menos 300 milhões de euros em áreas como a hotelaria e os transportes.