Fotogaleria
A Maçaroca nasceu há menos de um ano no Porto André Rodrigues
Fotogaleria
Maçaroca André Rodrigues
Fotogaleria
Maçaroca André Rodrigues
Fotogaleria
Maçaroca André Rodrigues
Fotogaleria
Maçaroca André Rodrigues
Fotogaleria
Maria Granel Guilherme Marques

E se a tua lista de compras fosse livre de plástico?

A luta contra o plástico está na moda. Mas, em Portugal, é possível vencê-la? O P3 falou com quem o faz há anos, com quem começou agora e foi à procura das lojas que o tornam possível.

Pesar e comprar fruta e legumes sem sacos de plástico, comprar líquidos em embalagens de vidro, reutilizar esses frascos para comprar mercearia seca a granel e apostar nos produtos de higiene sólidos. Em Portugal, já é possível reduzir drasticamente o plástico na despensa lá de casa sem grande dificuldade. As lojas a granel continuam a nascer como cogumelos, os mercados e as feiras de frescos estão na moda e várias marcas portuguesas de higiene e cosmética oferecem uma panóplia de alternativas ecológicas online. Hoje, comprar sem plástico é mais uma questão de tempo e vontade do que de dinheiro.

Neste mês, o Parlamento Europeu aprovou uma proposta que prevê a proibição da venda de alguns produtos de plástico de utilização única na União Europeia a partir de 2021. Mas, em Portugal, já há quem lhe feche as portas de casa há algum tempo.

Corria o ano de 2016 quando Ana Milhazes começou a olhar para o lixo que produzia com mais atenção. “Era demasiado” — e isso começou a inquietá-la. Então, pesquisou soluções e deparou-se com o Zero Waste Home, o blogue da americana Bea Johnson, que pouco depois se transformou num best seller. Identificou-se com a apologia de um estilo de vida mais minimalista e começou “a seguir à risca” as dicas de Johnson. Mas não o quis fazer sozinha. Por isso, a portuense de 33 anos criou o grupo no Facebook Lixo Zero Portugal e começou a partilhar (e a receber) dicas de quem tinha o mesmo objectivo.

PÚBLICO -
Foto
Ana Milhazes, de 33 anos, é a fundadora do grupo no Facebook Lixo Zero Portugal André Rodrigues

Não tardou a mudar radicalmente os hábitos. Procurou as lojas tradicionais no Porto que vendiam a granel e passou a encomendar, como ainda hoje faz, um cabaz semanal de frutas e legumes a um casal de amigos agricultores (e produtores biológicos certificados), no Jardim Húmus. Foi também lá que começou a entregar o lixo que fazia — restos de comida, cascas e caroços —, aproveitado na horta para compostagem.

Rafaela Santos iniciou-se na luta contra o plástico mais recentemente, influenciada pelas notícias que lia. Segundo o Relatório do Estado do Ambiente, publicado pelo Portal do Estado do Ambiente, em 2017 cada português produziu 483 quilos de lixo, o que dá, em média, 1,32 quilos de lixo por dia. “Esta questão é muito desvalorizada aqui, porque vivemos numa zona do mundo privilegiada e não vemos as consequências [do consumo de plástico]. O nosso mar está limpo, as nossas ruas estão limpas. Por isso, não queremos saber se no meio do Pacífico existem ilhas cobertas de lixo de plástico a poluir, a matar espécies”, argumenta.

Meio ano depois de ter começado, a jovem de 21 anos que vive em Barcelos já conseguiu reduzir para mais de metade a quantidade de plástico que atira para o balde do lixo. “E sem mudar drasticamente os meus hábitos”, contou ao P3. Resumidamente, substituiu os supermercados pelas feiras e mercados locais e leva os sacos de pano e frascos de vidro para todo o lado. O que não arranja lá, compra online.

PÚBLICO -
Foto
Não é por estar longe de uma grande cidade que Rafaela Santos, de 21 anos, não consegue reduzir o plástico DR

Mas mesmo para quem faz compras nos supermercados convencionais, prescindir dos sacos e embalagens de plástico não tem de ser um bicho-de-sete-cabeças. Nos casos em que é possível pesar os alimentos na caixa, levar de casa um saco de pano ou rede para recolher as frutas e os legumes é uma opção viável. Quanto aos produtos de origem animal, também há solução, revela Ana Milhazes: “É possível levarmos as nossas caixas de vidro para o talho ou para a peixaria e pedir para trazer a carne ou o peixe nas nossas embalagens. O mesmo acontece com o queijo e fiambre. Pesam os produtos e depois colam a etiqueta com o preço na nossa caixa.” A ambientalista portuense é vegetariana, mas conta que, no grupo do Facebook que criou, já há quem use esta técnica no dia-a-dia, apesar da pontual contrariedade dos funcionários.

De referir que alguns supermercados, como o Jumbo e o Lidl, já vendem produtos avulso, mas continuam a impôr o uso de um saco de plástico para a pesagem. E é aí que as mais de 100 lojas a granel espalhadas pelo país se destacam.

PÚBLICO -
André Rodrigues

A Maria Granel foi a primeira zero waste store a nascer em Portugal. Abriu há dois anos, em Alvalade, Lisboa, e tal como o nome e o “título” indicam, tem como prioridade vender mercearia biológica a granel, tentando gerar o menor desperdício possível na cadeia comercial — quer seja no transporte dos produtos pelos fornecedores, quer seja na apresentação dos mesmos ao público. Por essa razão, incentivam os clientes a trazerem de casa os sacos de pano e frascos de vidro para se abastecerem com as sementes, cereais, frutos secos e leguminosas que estão armazenados em dispensadores individuais.

Neste ano, nasceu uma nova loja em Campo de Ourique, com um piso totalmente dedicado à casa, com acessórios, detergentes e produtos de beleza a granel. Na área dedicada à casa de banho, encontram-se champôs, sabonetes e dentífricos sólidos (todos da marca portuguesa Organii Bio), mas também giletes, escovas de dentes e cotonetes em bambu, pensos higiénicos reutilizáveis e copos menstruais. Na área da cozinha, estão alguns dos produtos mais vendidos da loja, como o substituto da película de aderente — o Bee’s warp, feito em tecido de algodão biológico com cera de abelha que pode durar até um ano — e o saco de congelação reutilizável, feito de 100% silicone. Tudo isto pode também ser encontrado na loja online da marca, que já conta com 120 produtos. “Para a expedição, reutilizamos as caixas dos fornecedores e até a fita adesiva que usamos é de papel e sem solventes. Tudo é expedido sem plástico e em caixas que estão a ter uma segunda vida”, explica Eunice Maia, sócia-fundadora da Maria Granel.

PÚBLICO -
Foto
A Maria Granel abriu há dois anos em Alvalade Guilherme Marques

Comprar a granel é fácil... menos o arroz

Sempre que precisam de comprar produtos embalados, Ana e Rafaela optam pelo cartão ou, se possível, pelo vidro — a melhor opção, visto que depois podem reutilizar os frascos para comprar granel ou até para armazenar comida no frigorífico. No entanto, a ambientalista portuense tem uma pequena lista de produtos com plástico de que ainda não se conseguiu livrar. Coisas simples como: a embalagem das lentes de contacto e a embalagem do líquido para as lentes; a ração do cão; e — por muito insólito que pareça — o arroz.

No final de 2017, o Governo actualizou o decreto-lei que regula a comercialização da espécie de arroz mais comum — Oryza sativa L — e passou a proibir a venda a granel: “O arroz e a trinca de arroz destinados ao retalho são obrigatoriamente pré-embalados.” Neste ano, a ASAE apreendeu 1200 euros de arroz, numa operação que visou a venda de alimentos a granel. Na altura, Carmen Lima, da Quercus, disse à Lusa que, quando se pretende reduzir o consumo de embalagens, principalmente de plástico, “a penalização da comercialização de produtos a granel levanta dúvidas”.

Eunice, da Maria Granel, reforça a incoerência: “É uma situação caricata, porque o mesmo Governo que está a lutar contra o plástico e os descartáveis, em linha com a directiva europeia, impõe a pré-embalagem do arroz.” E adianta que Portugal está “muito atrás” de países como Inglaterra e os Estados Unidos, onde até já é possível “vender azeite, vinagre, licor a granel”: “Não podemos continuar a reger-nos por uma legislação que se aplicava às antigas mercearias e à forma de exposição mais tradicional, distante da revolução que o granel está a sofrer em todo o mundo.”

A venda de farinhas de grãos ou cereais a granel também está interdita, por uma lei com 15 anos. A do café tem restrições bastante apertadas que, no entanto, a mercearia portuense Maçaroca conseguiu contornar. Para tal, compraram uma máquina para torrar e outra para moer os grãos. O tipo de café é escolhido pelo cliente e a moagem é feita na hora. E porque nem todos têm uma máquina de café tradicional em casa, a loja está, neste momento, a tentar arranjar cápsulas reutilizáveis, que podem ser enchidas com o café da Maçaroca. Mas a principal atracção da loja, que nasceu há menos de um ano em Ramalde, no Porto, é outra: tem uma máquina que faz manteiga de amendoim, de amêndoa ou de uma mistura de frutos secos na hora (1,60 euros por cada 100 gramas) e sem qualquer aditivo. É só trazer um frasco de casa, carregar no botão e encher.

De fora, a Maçaroca não aparenta a dimensão que tem. Habitualmente com várias bicicletas estacionadas à porta, a mercearia de produtos biológicos certificada vende 4000 artigos diferentes e 600 são a granel. À entrada, vemos logo uma montra recheada de fruta e legumes frescos. Lá atrás, depois de corredores recheados de produtos alimentares, de higiene e até de maquilhagem, esconde-se uma cafetaria vegan. O granel — de mercearia seca e detergentes — fica no piso de baixo.

PÚBLICO -
Foto
José Peixoto é um dos sócios da Maçaroca André Rodrigues

Com a abertura do espaço, os três fundadores queriam que as pessoas pudessem comprar tudo o que precisam para a despensa e restante casa sem terem de correr várias lojas diferentes, explica José Peixoto, sócio-gerente. A grande aposta foi na zona dos frescos, que “era feita muito a medo” nas lojas de produtos biológicos que José conhecia.

Tal como a Maria Granel, tentam aproximar-se do desperdício zero — por exemplo, a loja oferece os frascos de vidro — já higienizados — dos produtos que utiliza na cafetaria para os clientes os reutilizarem na compra a granel. E, apesar de existirem vários embalados expostos na loja, José explicou ao P3 que está a ser feito um esforço para converter o que for possível em granel.

Uma casa de banho amiga do ambiente

Tanto Ana como Rafaela conseguiram eliminar praticamente todo o plástico das casas de banho, quer através de compras online, quer através de compras em lojas físicas.

A Saponina, em Lisboa, oferece as duas opções. A marca vegan, biológica e zero waste foi a primeira em Portugal a ter uma linha de higiene completa em versão sólida (ou seja, sem qualquer embalagem), que incluía champô, dentífrico, desodorizante e sabonete (17,40 euros). Hoje, também vende amaciador. A criadora é Liliana Dinis, que trabalha na área da cosmetologia há cerca de 20 anos e que tem marcas como a Clarins, a Shiseido ou a Carita no currículo. Começou a desenvolver produtos vegan e com ingredientes biológicos para tratar a pele atópica da filha, recusando as soluções químicas e corticóides que os dermatologistas lhe recomendavam e, no ano passado, em Agosto, fez disso profissão.

PÚBLICO -
Foto
Todos os produtos da Saponina nascem das mãos de Liliana Dinis DR

O Instagram e o Facebook funcionam como montra do trabalho da Saponina e é através destas redes sociais, ou via e-mail, que os clientes fazem os pedidos ou pedem mais informações sobre os produtos — todos eles nascidos das mãos de Liliana. A maioria não necessita de embalagem. Mas aqueles que precisam (como bálsamos para bebé ou óleos corporais) estão guardados em pequenos frascos de vidro fechados por cortiça portuguesa. O desperdício zero é uma das prioridades, conta a fundadora da marca: “Todos os meus produtos têm apenas uma faixa de papel com a informação acerca dos ingredientes. Quando são enviados para fora, vão em pequenos pacotes de papel kraft e dentro de caixas de cartão que outras empresas iriam deitar fora. Quem me visita já traz os sacos de pano, os frascos de vidro e dispensa as embalagens.” Apesar de trabalhar “com margens de lucro pequeninas”, Liliana diz que tem alcançado a meta do projecto — “produzir produtos com um preço justo e tornar o biológico e o zero waste acessíveis a qualquer pessoa”.

Recentemente, a Renova também teve em conta a mesma preocupação e decidiu lançar uma linha de papel higiénico reciclado com um invólucro de papel, ao invés da habitual embalagem de plástico. Isto depois de Ana Milhazes e outros membros do grupo Lixo Zero terem enchido a caixa de correio da marca com pedidos. Ainda assim, adianta a jovem portuense, “não é uma alternativa viável economicamente”: o artigo já está disponível tanto na Maçaroca (quatro rolos a 1,99 euros) como na Maria Granel.

Ana admite que, por vezes, as alternativas ao plástico são mais caras. Mas nem por isso passou a gastar mais dinheiro nestes dois anos de experiência: “De uma forma geral, aquilo que notei com as mudanças que fiz é que poupo muito mais dinheiro porque reduzi muito o consumo. Uma pessoa começa a ver que não precisa de comprar mil e um produtos diferentes, porque a maior parte dos produtos têm mais do que uma função, como é o caso do óleo de côco, que uso para cozinhar e para hidratar a minha pele.” A longo prazo, adiante a ambientalista, “também há uma redução nas despesas da saúde”, visto que, ao deixar o plástico, “somos quase obrigados a abandonar os processados” e a ter uma alimentação mais saudável.

O discurso de Rafaela é consonante: diz que começou a comprar menos e melhor. Acrescenta ainda que não acha que estar longe de uma grande cidade seja um obstáculo. Pelo contrário: “Há mais mercados locais e feiras em que os plástico não engoliu os alimentos, como nas grandes superfícies, e também não sou bombardeada com uma variedade infinita de produtos muitas vezes, desnecessários.” Largar o plástico “não é assim tão difícil”, comenta. Mas é preciso ter vontade para dar o primeiro passo.