Crónica

Palavras, expressões e algumas irritações: contas

Uma “conta” é uma “operação aritmética para cálculo de um valor numérico”. Por causa do Orçamento do Estado, as famílias fazem “contas” para saber com o que “contam”. Por causa do seu novo livro, Cavaco Silva diz querer “prestar contas” aos portugueses. Ou será vontade de “ajustar contas”?

Em vésperas de debate do Orçamento do Estado para 2019, a semana foi de “contas” e mais “contas”. Palavra que todos conhecem muito bem. No singular, significa “operação aritmética para cálculo de um valor numérico” e “valor ou importância contabilizada a pagar ou a receber”.

Exercício habitual nos orçamentos familiares, mas que nestas alturas se tenta antecipar para se saber com o que é que se “conta” (ou não) nos tempos mais próximos. Mais ainda se se aproximar a idade da reforma.

Os números “mágicos” 60 e 40 andaram no pensamento de muitos trabalhadores que nasceram no princípio da década de 1960 e que começaram a trabalhar muito jovens.

Notícia esclarecedora: “Agora, as pessoas podem reformar-se antecipadamente com pelo menos 60 anos de idade e 40 de descontos, desde que estejam dispostas a receber uma pensão com cortes que podem ser significativos (14,5% do factor de sustentabilidade e 0,5% por cada mês que falte para a idade legal). Como não há a exigência de acumular os dois critérios em simultâneo, o regime de antecipação está aberto a quem, por exemplo, tem 61 anos e 40 de descontos. Com o novo regime, isso deixará de ser possível, uma vez que a pessoa em causa neste exemplo teria apenas 39 anos de contribuições quando fez 60 anos de idade. Ou seja, não poderá reformar-se antecipadamente e terá de esperar pela idade normal da reforma (66 anos e 5 meses em 2019).”

De entre as expressões em que se recorre à palavra “contas”, há uma que traduz, segundo o ex-presidente da República Aníbal Cavaco Silva, o seu propósito ao escrever o livro de memórias Quinta-Feira e Outros Dias: “Prestar contas” aos portugueses.

Podemos “fazer de conta” que acreditamos, mas inclinamo-nos mais para a expressão “ajustar contas com”, que significa “castigar ou vingar-se de alguém”.