Transformação digital: em Portugal ainda reina a imaturidade

Empresas e gestores estão optimistas, mas são como adolescentes: imitam mais do que criam, apostam mais nas redes sociais e investem sem estragégia.

Foto
A Realidade Virtual é uma das tecnologias em que mais profissionais dizem ver as empresas deles envolvidas Alessandro Bianchi/Reuters

Optimistas. Ingénuas. Confiantes. Imaturas. Em quatro palavras, esta é a imagem das empresas portuguesas em matéria de transformação digital, a fazer fé num estudo divulgado nesta quarta-feira de manhã, em Lisboa. Se a acne é a “disrupção” que assinala a transformação de um adolescente, o que este primeiro estudo do género sugere é que o cenário das empresas se assemelha à fotografia de um jovem com muitos problemas de pele.

O trabalho em causa foi feito pela Universidade Nova de Lisboa e pela consultora EY (pode descarregar as conclusões em formato PDF aqui). Consistiu em recolher opiniões e percepções de profissionais. A amostra inclui 102 participantes, a maioria dos quais (80%) gestores de topo. A amostra também é um problema para quem procura um retrato do país: há uma sobrevalorização do sector financeiro e uma sub-representação das pequenas e médias empresas, que constituem o grosso do tecido produtivo em Portugal. Ainda que, por esta razão, as conclusões não possam ser generalizadas, elas não devem ser ignoradas. Porque as empresas abrangidas são de sectores que deveriam estar na linha da frente: media; distribuição; energia; saúde e turismo. Se estivéssemos a olhar para uma turma, estaríamos a falar dos que tinham tudo para serem bons alunos. Porém, a avaliar pelos resultados, a realidade não é bem assim.

PÚBLICO -
Foto
Fonte: Observatório de Impacto Digital EY Nova SBE

Poucas são as empresas nacionais que arrancaram para este desafio “de uma forma abrangente”. O que sugere falta de foco, anota Bruno Padinha, director de consultoria de gestão na EY, para quem é adequado fazer analogia com um adolescente. “Em matéria de transformação digital, há alguns sinais de maturidade, mas também muitos indicadores que sugerem uma certa imaturidade”, afirma este responsável. Exemplo: ainda há muitas empresas que tocam todos os aspectos da transformação digital, mas sem o necessário alinhamento com o negócio. "Tentam fazer um pouco de tudo, mas não necesariamente o que o negócio precisa", refere aquele responsável. Há excepções, naturalmente. Mas o pior, é que numa arena competitiva global e fluída, “poucas são aquelas que investem no desenvolvimento de tecnologia” – a maioria, diz o estudo, "imita". Investe apenas na adopção da tecnologia.

PÚBLICO -
Foto
FONTE: OBSERVATÓRIO DE IMPACTO DIGITAL EY NOVA SBE

Por outras palavras, há muita apetência para ser reactivo. Em vez de liderar a transformação, reage-se ao que está a acontecer. E muitas vezes sem uma estratégia clara. Diz o estudo que há um baixo nível de incorporação da transformação digital no planeamento estratégico e, por outro lado, um investimento insuficiente nas pessoas. Para os gestores de topo, a quem tipicamente cabe decidir sobre planeamento estratégico e contratação, é uma imagem pouco abonatória.

Um desvio de percepção

Além disso, muitas das empresas participantes demonstraram uma grande fé na capacidade de reagir com rapidez e, em caso de atraso, na capacidade de recuperar face à concorrência num prazo curto. O problema, salienta Bruno Padinha, não é este optimismo em si, mas a origem deste sentimento positivo generalizado, “que pode esconder problemas”. “A larga maioria entende que está mais avançada face à concorrência e são muito poucos os inquiridos que receiam não conseguir recuperar nos próximos cinco anos”, afirma o estudo. O que é preocupante é a hipótese de esse optimismo existir porque as empresas se comparam apenas aos concorrentes nacionais, sabendo pouco ou ignorando o que está a ser feito noutros mercados. Ou de esse optimismo resultar apenas de um “desvio de percepção” típico das sociedades actuais: “E provável que a nossa percepção individual nos coloque sempre um pouco acima da média, o que não é estatisticamente possível.” Resultado: há empresas a não olhar para onde deviam. E quando o fazem, valorizam-se em demasia face às restantes.  

Há empresas que escapam a estas armadilhas, mas a maioria continua empenhada nos resultados imediatos. Investem muito nas redes sociais – apenas 5% acham que ainda estão numa fase inicial nesta matéria. E apostam nas tecnologias que os outros usam. São uma espécie de “Maria-vai-com-as-outras”, descurando áreas de forte crescimento em mercados internacionais mais maduros: impressão 3D? Menos de 10% envolveu-se a fundo com esta tecnologia; condução autónoma? Também menos de 10% considera estar em velocidade cruzeiro nesta área, apesar de ser relevante para sectores como o turismo, conforme salienta o estudo; blockchain e fintech? Mais de metade dos inquiridos está ainda a dar os primeiros passos na tecnologia que está na base das criptomoedas, e mais de dois terços afirma ter feito muito pouco em matéria fintech – conclusão tanto mais preocupante quanto o peso do sector financeiro na amostra é superior a outros, constituindo 27% dos inquiridos.

PÚBLICO -
Foto
FONTE: OBSERVATÓRIO DE IMPACTO DIGITAL EY NOVA SBE

Por sectores, e por dimensões de transformação digital, a maturidade nacional é muito diversa. Globalmente são as empresas da energia que parecem mais satisfeitas com a evolução. No extremo oposto, estão os trabalhadores do retalho e da distribuição, os da saúde e os do turismo.O sector financeiro relata satisfação na dimensão da experiência do cliente, pessoas e organização e produtos e serviços, mas fica bastante atrás nas dimensões da estratégia e liderança e, sobretudo na gestão da informação e risco.

Geografias pequenas, grandes sucessos

A transformação digital foi também tema a Norte. Na véspera da apresentação destas conclusões, o INESC TEC, no Porto, dedicou o Fórum de Outono a este tema. Um dos presentes é uma autoridade mundial, o director do Data Science Institute do Imperial College (Londres), o chinês Yi-ke Guo. Em entrevista ao PÚBLICO, desdramatiza o atraso – ou a tal imaturidade portuguesa – salientando que de um ponto de vista internacional “estamos todos ainda num ponto inicial desta revolução”, mas argumenta que Portugal tem de investir mais na “inovação multidisciplinar”. E recomenda que Portugal siga exemplos de outros países de pequena dimensão, como Israel e Estónia, duas comunidades empresariais que são vistas a nível mundial como casos de sucesso e que estão na linha da frente.

“Esses dois países estão a tirar partido de serem pequenos para darem passos rumo a uma sociedade transformada à escala nacional”, afirma. No entanto, para chegar a esse patamar, recomenda novos métodos de gestão e um grande investimento na educação.

PÚBLICO -
Foto
Yi-Ke Guo esteve no Fórum de Outono do Inesc Tec, no Porto DR

“A transformação digital não é um processo caro. Requer obviamente investimento, mas o retorno é igualmente relevante”, aponta. “Além do mais, uma alteração desta natureza depende fundamentalmente na mudança dos processos de gestão e da nossa atitude, porque muitas das infra-estruturas necessárias são hoje em dia open source e o hardware é barato”.

A opinião deste responsável contrasta com as conclusões do estudo apresentado nesta quarta-feira: estratégia e liderança e pessoas e organização são as quatro áreas em que a maturidade digital das empresas está menos desenvolvida. Estas áreas englobam a gestão, a formação e o recrutramento, três áreas decisivas.

“O activo mais dispendioso é a digitalização do conhecimento e da experiência humana e, por isso, a educação tem aqui um papel decisivo. Desde que haja qualidade profissional em termos de competências digitais, será possível fazer uma transição suave para a nova economia”, argumenta.

Se há riscos no horizonte, diz Yi-Ke Guo, o maior deles é “a substituição excessiva do trabalho manual pela Inteligiência Artificial. Segundo os dados a Nova e da EY, dois terços dos profissionais inquiridos dizem que as respectivas empresas estão fortemente envolvidos em projectos nesta área, e Yi-Ke Guo destaca a importância de “melhorar o leque de competências da força laboral”.

Resumindo, para amadurecerem, as empresas precisam de criar mais e imitar menos, diversificar as tecnologias em que apostam, mas de forma estratégica e alinhada com o negócio, investindo fortemente no desenvolvimento das capacidades e competências dos trabalhadores. Caso contrário, diz o estudo, darão razão à frase de Lewis Carroll em Alice no País das Maravilhas: “Quando não sabes para onde queres ir, qualquer caminho te leva até lá”.