A partir de 2020, os autocarros da Grande Lisboa vão ter marca única: Carris Metropolitana

Durante o próximo ano será lançado um concurso para novas concessões para uniformizar todos os autocarros que circulem na Área Metropolitana de Lisboa. Fernando Medina diz que a medida acompanha a implementação dos passes únicos.

Foto
Fabio Augusto

A partir de 2020, o amarelo dos autocarros da Carris passará a ser o mesmo nos autocarros que circularem nos municípios da Área Metropolitana de Lisboa (AML). Foi esta quarta-feira aprovada, em reunião do Conselho Metropolitano de Lisboa, a proposta que define a Carris Metropolitana como a operadora que vai reunir as empresas de transporte público rodoviário dos 18 concelhos que integram a região administrativa. 

A medida acompanha os já anunciados passes únicos para as áreas metropolitanas que terão um custo de 30 euros para deslocações dentro dos municípios, e de 40 euros para todas as deslocações entre concelhos, uma medida que está já inscrita na proposta de Orçamento de Estado (OE) para 2019. Com o passe único alargado a toda a Grande Lisboa, quem, por exemplo, viajar de Mafra a Palmela pagará igualmente 40 euros. Além da redução do tarifário (em alguns casos pode chegar aos 100 euros), as crianças até aos 12 anos não pagarão e cada família pagará, no máximo, o valor de dois passes, ou seja, 80 euros. 

“O Governo aprovou a medida mais importante e revolucionária ao nível do sistema de mobilidade. Deixo uma palavra de reconhecimento ao Governo, pela forma empenhada como está a responder aos desafios da AML”, notou Fernando Medina, autarca de Lisboa, mas aqui falando na qualidade de presidente da AML. Agora é a vez de os municípios fazerem a sua parte, defendeu Medina, perante grande parte dos autarcas da Grande Lisboa. 

Além disso, será redefinido todo o sistema de bilhética (actualmente a cargo da empresa OTLIS) e um mapa único da rede, que será construído nos próximos meses, com o contributo dos municípios e tendo em conta os movimentos pendulares que existem entre os concelhos, e que integrará também as ligações a meios de transporte, como o comboio, metro ou barco, explicou Medina.

30 milhões para os transportes

O presidente da AML anunciou ainda que os concelhos da AML acordaram investir 30 milhões na melhoria do sistema de transportes, cuja contribuição será ponderada consoante critérios, como o número de população, a área e as necessidades.

A medida, diz Fernando Medina, tem dois objectivos: por um lado, reduzir os 370.000 carros que entram todos os dias em Lisboa e permitir as 900.000 pessoas, que hoje não estão cobertas pelos passes intermodais, passem a estar abrangidas e a ter um acesso mais barato — e compreensível — ao transporte público. 

As mudanças arrancam já em Abril, com a entrada em funcionamento do passe único. No entanto, a Carris Metropolitana só deverá entrar em pleno funcionamento em Janeiro de 2020. Nessa altura, todos os autocarros estarão pintados com a tradicional cor amarela da Carris. Durante o ano de 2019, será aberto um concurso público internacional, por vários lotes de redes municipais e intermunicipais, ao qual os operadores privados, incluindo aqueles que já operam neste momento, poderão concorrer. O objectivo é reforçar a rota "com autocarros mais modernos, acessíveis a pessoas com mobilidade reduzida, com autocarros de última geração que operarão todos sob a mesma marca", disse.

Sobre o expectável aumento de procura, Fernando Medina, a título de exemplo, disse que 30% dos 900 mil residentes da AML (270 mil), fora do sistema actual dos passes, representam apenas 1% das vendas de títulos de transporte da AML. E que só 5% das vendas dos títulos estão acima dos 70 euros mensais, o que, para o autarca, indica que “há centenas de milhares de pessoas excluídas do transporte público", vendo aqui um potencial de procura que poderá ser “extraordinariamente significativo”.

Na proposta do OE 2019, o Governo propõe-se financiar a redução do preço dos passes dos transportes públicos em todo o país com 83 milhões de euros (para nove meses, dado que os passes entram em vigor apenas em Abril). E explica que as autoridades de transporte têm de alocar, no mínimo, 60% desse valor à redução dos tarifários aplicados — passes, passes família e a gratuitidade do transporte para menores de 12 anos. O restante deverá ser destinado à "melhoria da oferta e à extensão da rede pública".

Para a AML, o Governo deverá transferir um valor “na casa dos 50 milhões de euros”, estimou Medina, deduzindo já a contribuição de 2,5% que, em 2019, as autoridades de transporte terão de fazer.

"O passo que o governo deu é um passo de gigante. O passo que aqui estamos a dar é outro passo de gigante. Agora, vamos levar muitos anos a construir um sistema eficaz, acessível do transporte público, que nunca tivemos", reconheceu o autarca.