Opinião

Bolsonaro: um fascista é um fascista

Entre um fascista impoluto e um democrata corrupto, eu escolho o democrata corrupto.

Jair Bolsonaro tem uma grande vantagem para as pessoas que, como eu, já não aguentam ouvir tanta má utilização da palavra fascista. A esquerda diz: “Marine Le Pen é fascista.” E a gente esforça-se por explicar que Le Pen é deplorável e infrequentável, mas não é fascista. A esquerda diz: “Donald Trump é fascista.” E a gente lá tem de explicar que Trump é uma vergonha ambulante com claros tiques autocráticos, mas que não, não é fascista. A esquerda diz: “Jair Bolsonaro é fascista.” E aí, finalmente, temos o privilégio de poder concordar: Bolsonaro é efectivamente fascista. Era bom que a direita admitisse isso, também para ter a autoridade moral para clarificar aqueles que não o são. Jair Bolsonaro é tão fascista quanto um fascista consegue ser fascista num país democrático. E como é possível que venha a ganhar a presidência do Brasil, convém ter isso bem claro na cabeça.

A dificuldade que alguma direita tem em admitir esta evidência preocupa-me. A razão da cegueira voluntária é simples, e partilhada por muitos brasileiros: como a esquerda PT é a mais clara encarnação de um sistema profundamente corrupto e a eleição de Fernando Haddad pode significar o indulto para Lula, prefere dar-se a Bolsonaro o tratamento trumpiano, ou seja, aplicar um desconto generoso às barbaridades que o homem diz, à espera que sejam apenas figuras de estilo. Só que o Brasil não é os Estados Unidos da América – no Brasil, convém não arriscar. Bolsonaro pode perfeitamente ter a tentação de levar a sério o seu amor pela ditadura militar, esse tempo saudoso em que, nas suas palavras, havia “respeito, segurança, ordem pública” e as autoridades “não enriqueciam” à custa do povo.

Outra razão para afirmar que Bolsonaro não é fascista: o seu programa económico. Paulo Guedes, que é apontado como o futuro líder das Finanças de um governo seu, tem um discurso de privatização radical da economia brasileira, de forma a conseguir uma diminuição significativa do peso da dívida, associado a uma simplificação tributária drástica, de preferência com um único imposto federal. Isto, de facto, não é fascismo, mas neoliberalismo – só que os Chicago Boys já mostraram a compatibilidade entre uma coisa e outra no Chile de Pinochet, nos anos 70 e 80. 

É sempre possível adoptar a distinção que o colunista brasileiro Rogério Maestri estabelece entre “comportamento fascista” (que Bolsonaro terá) e “ideologia fascista” (que ele não tem). Mas, para o caso, parece-me pouco relevante. Tal como Maestri, prefiro apelidar Bolsonaro de burro esperto. Esperto, porque percebeu que o seu discurso sobre a moral e a segurança tinha tudo para entrar como faca em manteiga no actual eleitorado brasileiro. Burro, porque fora dessa conversa dos valores tradicionais da família, da necessidade de ordem e do combate à corrupção, Bolsonaro não tem a menor ideia sobre coisa nenhuma.  

Votar num burro esperto (e perigoso), que quer aumentar o número de juízes no Supremo de 11 para 21 para poder nomear a maioria, não é uma opção aceitável. Bolsonaro parece fascista, cheira a fascista e fala como um fascista. Defende a violência do Estado, a pena de morte e a tortura; maltrata grupos sociais vulneráveis (homossexuais, negros, índios); e tem um discurso de coesão nacional racista e paranóico. Olhar para isto e dizer, com os dedos cruzados, “é só pose”, parece-me uma jogada estupidamente arriscada. Entre um fascista impoluto e um democrata corrupto, eu escolho o democrata corrupto.