Foto de Ronaldo retirada do site da dona do videojogo FIFA

Tanto a EA Sports como a Nike, ambas com contratos com o jogador, mostraram-se preocupadas com as alegações de violação de que o português foi alvo. Só o ano passado, os contratos publicitários terão rendido 29 milhões de euros a Ronaldo. Acções da Juventus caíram hoje quase 10%.

Cristiano Ronaldo tem actualmente a marca CR7 que inclui roupa interior e hóteis.
Foto
Cristiano Ronaldo tem actualmente a marca CR7 que inclui roupa interior e hóteis. LUSA/GREGORIO CUNHA

A imagem do jogador de futebol Cristiano Ronaldo foi esta sexta-feira retirada de site da empresa EA Sports, que produz o videojogo FIFA e cuja capa é uma fotografia do jogador. Cada um dos videojogos desportivos produzidos por este gigante do multimédia tem um atleta na capa, mas no site da empresa norte-americana a imagem do FIFA19 aparece só com um fundo azul e sem a fotografia de Ronaldo. Ao lado, aparecem as capas de outros cinco videojogos desportivos, todos com a imagem de um jogador famoso naquela modalidade.

A EA Sports foi a primeira empresa com um contrato publicitário com o jogador português - que nega as acusações - a reagir às alegações da ex-modelo Kathryn Mayorga, que diz que o jogador a violou em 2009 e apresentou na semana passado uma acção cível num tribunal do condado de Clarck a pedir uma indemnização a Ronaldo. Na sequência de vários dados novos que surgiram sobre o caso, o Departamento da Polícia Metropolitana de Las Vegas reabriu a investigação.

“Vimos o relatório preocupante que detalha as acusações contra Cristiano Ronaldo. Estamos a acompanhar de perto a situação, pois esperamos que os atletas e embaixadores da marca se comportem de maneira consistente com os valores da EA”, afirmou a empresa, citada pela Associated Press.

A Nike, a principal patrocinadora de Ronaldo, também reagiu às alegações contra o futebolista esta quinta-feira. Numa declaração enviada à mesma agência de notícias, a Nike disse estar “profundamente preocupada com as alegações perturbadoras” e avisa que “irá continuar a acompanhar com atenção a situação”.

A Nike tem um contrato com o jogador desde 2003. O último acordo assinado pelo internacional de 33 anos foi em 2016, um contrato vitalício que, segundo a Forbes, vale até mil milhões de dólares (cerca de 890 milhões de euros).

Segundo a mesma revista norte-americana, Cristiano Ronaldo recebeu 58 milhões de dólares (mais de 48 milhões de euros) em salários o ano passado e mais 35 milhões de dólares (cerca de 29 milhões de euros) em contratos publicitários. De acordo com o estudo anual da Forbes, o jogador português lidera a tabela dos desportistas mais bem pagos do mundo pelo segundo ano consecutivo.

O português tem ou teve igualmente contratos com a marca de relógios Tag Heuer, com a multinacional da nutrição Herbalife, com os laboratórios Abbott, com a empresa que produz o champô Linic, com a companhia aérea Emirates e com a empresa de tecnologia Samsung. Nenhuma reagiu ainda a este caso. O jogador lançou também a marca CR7 que começou pela roupa interior, mas já se alargou ao calçado e até a um grupo de hotéis com aquele nome. 

Até agora o jogador português, com mais de 120 milhões de seguidores no Facebook e 142 milhões no Instagram, era muito disputado pelas principais marcas e agências publicitárias mundiais.

“Não tenho dúvidas que nunca houve uma marca portuguesa com tanta visibilidade e, arrisco afirmar, que é o ‘produto’ nacional mais valioso do mundo”, assegurava ao PÚBLICO Daniel Sá, director do Instituto Português de Administração de Marketing do Porto, em 2015. Num dos vários estudos que coordenou sobre o valor do jogador contabilizava em 54 milhões de euros a marca “Cristiano Ronaldo”, tendo como referência o ano de 2014. Um valor que mais do que duplicara face aos três anos anteriores.

Juventus em queda na Bolsa de Milão

Os títulos do clube de futebol da Juventus caíram nesta sexta-feira quase 10% no fecho da Bolsa de Valores de Milão. Segundo a agência de notícias francesa France Press, o título, que subiu desde a chegada do atacante português a Turim, em Julho, fechou a perder 9,92%, para 1,19 euros, num mercado que registou uma queda de 1,29%.

Na quinta-feira à noite, o clube sete vezes campeão italiano deu um forte apoio ao atacante português, que contratou por 100 milhões de euros.

"Cristiano Ronaldo mostrou o seu grande profissionalismo e dedicação nos últimos meses, o que é muito apreciado por todos na Juventus, e os factos incriminatórios que remontam a quase dez anos não mudam essa opinião", disse a Juve, no Twitter.

Na Bolsa de Valores de Milão, a chegada de Ronaldo fez 'voar' o título da Juventus, que, em 20 de Setembro, subiu para 1,8064 euros (+180%), um máximo histórico desde a entrada da Juve na bolsa, em 2001.