Regional de Tomar para Lisboa com falta de carruagens para dar resposta à procura

Regional que faz a ligação entre Tomar e Lisboa obriga passageiros a ficarem em terra devido a sobrelotação das carruagens. Utentes queixam-se de falta de espaço no troço entre Alverca e Lisboa.

Foto
Utentes terão sido obrigados a sair do comboio devido à falta de espaço nas carruagens Paulo Pimenta

Os problemas com comboios da CP prosseguem. O regional que faz a ligação entre Tomar e Lisboa ficou retido na estação da Póvoa durante a madrugada desta quarta-feira devido à sobrelotação das carruagens.

O comboio era habitualmente formado por duas UTE (Unidades Triplas Eléctricas), que totalizam seis carruagens. Contudo, dada a falta de material circulante da CP, actualmente, só é feito por uma UTE, reduzindo a oferta de lugares para metade. Na madrugada de quarta-feira, alguns passageiros tiveram de ficar em terra por falta de espaço no interior das carruagens. Esta situação é recorrente e tem vindo a ser assinalada pelos utentes que circulam na linha diariamente. O começo das aulas e o regresso ao trabalho vieram agravar ainda mais a situação – em Alverca o comboio já costuma vir lotado, tornando a situação ainda pior quando chega à Póvoa, a paragem seguinte.

Um utilizador no Twitter descreve a situação da manhã desta quarta-feira como um “reflexo” da decisão da CP de só circular com uma composição de três carruagens. “Um dia tinha de dar problemas e hoje foi esse dia”, refere num comentário na rede social. Outro utilizador afirma que o comboio que chega a Lisboa pouco depois das 9h tem circulado apenas com três carruagens, ao invés das seis, que seriam normais. A situação é descrita como um “caos” num comentário na rede social.

Outro dos pontos frisados pelos utentes, para além do conforto, é a questão da segurança. Com um aglomerado de gente tão grande, poderá não ser possível proceder a uma evacuação caso necessária. “Ninguém se mexe no comboio”, acrescenta um dos utilizadores na sua conta do Twitter.

Depois de um Verão em que a transportadora nacional foi notícia várias vezes devido à situação de ruptura provocada pela falta de material circulante e de pessoal, o Governo apresentou medidas e promessas de investimento, mas a situação parece continuar a piorar. Presentemente, o problema da falta de comboios já não se circunscreve só às automotoras a diesel, afectando também o material de tracção eléctrica.

O Governo anunciou o lançamento de um concurso público para adquirir 22 novos comboios para o serviço regional, mas tarda em concretizar-se. De acordo com o que noticiava o PÚBLICO em Setembro, se o concurso for lançado nos próximos meses, os comboios poderão só ser entregues em 2023, na melhor das hipóteses.

Em respostas enviadas por email ao PÚBLICO, a CP confirma o atraso de 16 minutos registado na partida do comboio que faz a ligação entre Tomar e a capital, não especificando a causa. Informam somente que o comboio efectua “habitualmente” o trajecto com “duas unidades” mas que na manhã de quarta-feira a viagem “realizou-se apenas com uma unidade”, devido a necessidades operacionais, não fazendo referência à sobrelotação das carruagens.

Texto editado por Ana Fernandes