Thomas Harris lança novo romance em 2019

O criador de Hannibal Lecter regressa sem a criatura. A editora William Heinemann anunciou esta quarta-feira que irá publicar um novo romance do escritor, desta vez sem o psicopata canibal que o celebrizou.

Foto
Thomas Harris Louis MONIER/Gamma-Rapho via Getty Images

Thomas Harris, o criador do famoso assassino em série Hannibal Lecter, um sofisticado psicopata canibal, vai publicar um novo livro em 2019. O anúncio foi feito esta quarta-feira pela editora William Heinemann, que integra o grupo Penguin Random House.

Ainda sem título, o romance deverá ter um lançamento mundial no dia 29 de Maio do próximo ano, e a única coisa que se sabe acerca dele é que não será protagonizado pelo carismático canibal que Anthony Hopkins imortalizou no cinema.

Uma informação que não deixa de ser surpreendente: descontado o seu romance de estreia, Domingo Negro (edição portuguesa da Editorial Notícias), publicado em 1975, há mais de 40 anos, todos os livros de Thomas Harris são centrados em Hannibal Lecter. E o último, Hannibal: a Origem do Mal (edição portuguesa da Casa das Letras), já saíra há uma dúzia de anos, em 2006.

Este novo livro era esperado há muito, já que era público que Harris assinara em 2004 um contrato milionário pelo qual se comprometera a escrever dois livros. Não demorou muito a concluir o primeiro, o já referido Hannibal: a Origem do Mal, mas desde então nunca mais houvera rumores de que estaria para sair um novo livro.

É possível, no entanto, que Harris tenha tomado há muito a decisão de dispensar Hannibal Lecter, que vinha canibalizando a sua obra desde 1981, quando lançou o primeiro título da série, Dragão Vermelho. Já em 2007, o seu agente, Mort Janklow, dissera à imprensa: “Não faço ideia do que será o próximo livro de Tom: pode não envolver de todo a personagem de Hannibal”. E acrescentou, em declarações à Entertainment Weekly, agora recordadas pelo jornal britânico The Guardian: “O seu contrato não requer isso; ele é um romancista americano importante, que escreve o que quer e quando quer”.

Também Jason Arthur, editor na William Heinemann, comenta, a propósito do anúncio deste novo livro: “Não tenho a menor dúvida de que Thomas Harris continua a ser um dos mais notáveis escritores das últimas quatro décadas, e a publicação do primeiro romance que escreveu nestes 13 anos, e que é também o primeiro sem Hannibal em mais de 40, será um acontecimento editorial relevante”.

Depois de se estrear com Domingo Negro, que imaginava uma conspiração terrorista para lançar um atentado durante o maior acontecimento desportivo dos Estados Unidos, a Super Bowl, o jogo que decide o campeão da temporada no futebol americano, Thomas Harris publicou Dragão Vermelho, onde Hannibal ainda só desempenhava um papel secundário. O romance teve bastante sucesso comercial, mas é a sua sequela de 1987, O Silêncio dos Inocentes, que tornará Harris um dos autores mais vendidos em todo o mundo, sobretudo após a premiadíssima adaptação do livro ao cinema por Jonathan Demme, em 1991, com Anthony Hopkins no papel de Hannibal e Jodie Foster no de Clarice Sterling, uma promissora formanda da academia do FBI.

Seguiu-se Hannibal (1999), no qual Sterling persegue o psicopata em Itália, e depois a prequela Hannibal: a Origem do Mal, que aborda o período de formação de Lecter, quando este, ainda criança, se vê obrigado a deixar o castelo da família, na Lituânia, para escapar aos nazis. O livro, lançado em 2006, teve uma invulgaríssima primeira tiragem global de 1,5 milhões de exemplares.

Se o filme de Jonathan Demme é sem dúvida a mais célebre adaptação ao cinema de um livro de Harris, a verdade é que todos eles chegaram ao grande ecrã, incluindo Domingo Negro, adaptado por John Frankenheimer em 1977. Dragão Vermelho inspirou depois Caçada ao Amanhecer (1986) de Anthony Mann e o filme homónimo de Brett Ratner, lançado em 2002; Hannibal foi adaptado por Ridley Scott em 2001, e Peter Webber filmou  Hannibal: a Origem do Mal em 2007. A personagem de Harris chegou ainda às séries televisivas com Hannibal, estreada em 2013 com o actor dinamarquês Mads Mikkelsen no papel principal

Nos últimos dez anos, Harris tem aparecido pouco em público e quase não deu entrevistas. Questionado agora sobre o anúncio de que está finalmente para sair um novo livro seu, limitou-se a garantir que está “muito satisfeito”.