A Farfetch chegou à bolsa e a PETA foi das primeiras a comprar acções

Organização de defesa dos animais quer participar nas reuniões anuais da empresa para poder defender o fim da venda de artigos de pele.

Foto
Modelos protestam contra o uso de peles na Semana da Moda de Londres há um ano Neil Hall/Reuters

Mal a retalhista Farfetch entrou na bolsa de Nova Iorque, na sexta-feira passada, a associação de defesa dos animais PETA foi das primeiras a comprar acções suficientes para permitir-lhe marcar presença nas reuniões anuais da empresa. O objectivo é simples: poder continuar a fazer pressão para que deixe de vender produtos – roupa, calçada e acessórios – de pele. 

“A indústria de peles vai entrar nos livros de História, já que os designers modernos e sofisticados estão a dizer 'não' às peles e 'sim' aos belos e inovadores tecidos veganos”, declara Yvonne Taylor, directora de projectos corporativos da PETA, citada pelo site da associação. “A PETA está a promover uma campanha contra o site de horrores da Farfetch– que inclui produtos vilões feitos de raposas, coiotes, chinchilas e texugos e até mesmo roupas de peles para crianças”. Assim, com a compra de acções, a intenção é participar nas reuniões anuais da empresa e exigir a proibição das vendas de peles, continua a porta-voz. 

Tal como diz a associação no seu comunicado, actualmente já muitas marcas de luxo estão a virar as costas ao uso de peles, como é o caso das italianas Versace, Gucci, Armani; das britânicas Vivienne Westwood, Stella McCartney, Jimmy Choo e, mais recentemente, a Burberry; e das norte-americanas Michael Kors e DKNY. E na última semana da moda de Londres, a organização declarou que as suas passerelles seriam livres do uso de peles. Portanto, diz a PETA, não há desculpa para a Farfetch continuar a permitir no seu site marcas que continuam a usar peles.

O ano passado, depois de a PETA ter feito chegar queixas de consumidores ao site de luxo italiano Yoox Net-a-Porter, este deixou de vender produtos em pele, recorda a associação no mesmo comunicado. Embora a PETA já se tenha encontrado com executivos da Farfetch, a empresa ainda não tomou nenhuma decisão.