“Saiu aquela nuvem da deslocalização”, dizem trabalhadores do Infarmed

Ministro da Saúde anunciou esta sexta-feira que Governo não vai avançar com a deslocalização do Infarmed e remeteu a decisão para uma comissão na Assembleia da República.

Foto
Daniel Rocha

“É um dia em que as pessoas do Infarmed podem ir trabalhar mais descansadas porque saiu aquela nuvem do dia 1 de Janeiro de 2019 e da sua deslocalização.” São palavras do presidente da comissão de trabalhadores do Infarmed, em reacção ao anúncio da suspensão da mudança da instituição para o Porto.

O ministro da saúde revelou esta sexta-feira no Parlamento que propôs ao primeiro-ministro não tomar agora uma decisão sobre a deslocalização do Infarmed para o Porto, por considerar que não estavam reunidas todas as condições. Adalberto Campos Fernandes referia-se a duas “linhas vermelhas”: o facto dos trabalhadores nunca se terem mostrado disponíveis e a eventuais limitações no funcionamento da autoridade do medicamento.

Ao mesmo tempo, Adalberto Campos Fernandes anunciou que a decisão sobre a deslocalização do Infarmed passou para a comissão na Assembleia da República que vai acompanhar as decisões ou recomendações de descentralização.

“A decisão que esperaríamos era de manter o Infarmed exactamente na mesma localização está e onde esteve nos últimos 25 anos. Mas é um primeiro passo. É o reconhecimento de que foram os trabalhadores do Infarmed quem fizeram da instituição o que é hoje em dia. Os trabalhadores sempre lutaram por dignificar a instituição e estavam contra esta mudança”, disse Rui Spínola ao PÚBLICO.

O presidente da comissão de trabalhadores reafirmou que “esta mudança não trazia mais-valia para o Infarmed, para a saúde pública nem para o país”. Satisfeito com a suspensão, lamentou que permaneça alguma incerteza na medida em que a decisão da deslocalização passou para a comissão na Assembleia da República.

“A comissão de trabalhadores está convicta que, por mais estudos que se façam, a única conclusão a que se pode chegar é a necessidade de reforçar a instituição e que a localização nunca foi nem é um problema”, afirmou Rui Spínola, acrescentando que aguardam uma reunião com o ministro da Saúde para dizer que estão disponíveis para trabalhar em soluções que melhorem o funcionamento da instituição.