Soraya Sáenz, a eterna sucessora de Mariano Rajoy, abandona a política

Ex-vice-presidente do PP espanhol estava sem cargo desde que perdeu as eleições internas para Pablo Casado, em Julho. Diz que a decisão "é a melhor para a nova direcção" do partido.

Soraya Saénz de Santamaria perdeu as eleições para a liderança do seu partido
Foto
Soraya Saénz de Santamaria perdeu as eleições para a liderança do seu partido LUSA/LUCA PIERGIOVANNI

Soraya Sáenz de Santamaria, a ex-vice-presidente do Partido Popular (PP) espanhol, que era vista há anos como a sucessora natural de Mariano Rajoy, anunciou esta segunda-feira que vai abandonar a política partidária. O anúncio surge menos de dois meses depois de ter perdido a luta pela presidência do partido para Pablo Casado.

"É o melhor para a nova direcção do PP, para mim e para a minha família", disse Sáenz de Santamaria, num comunicado enviado à agência de notícias EFE.

Desde a derrota nas eleições de 21 de Julho, Soraya Sáenz de Santamaria estava no partido sem qualquer cargo político. O novo presidente do PP, Pablo Casado, ofereceu-lhe o cargo de vogal na Comissão Executiva Nacional do PP, mas a responsável rejeitou-o.

A actual direcção do partido diz que foi apanhada de surpresa pela decisão de Soraya Sáenz de Santamaria. No momento do anúncio, o vice-secretário do PP, Javier Maroto, estava numa conferência de imprensa para falar, entre outras coisas, da marcação de uma reunião entre Casado e Soraya Sáenz para falarem sobre o futuro da antiga vice-presidente.

Soraya Sáenz de Santamaria, de 47 anos, saltou para a política nacional no ano 2000, quando foi convidada para fazer parte do gabinete de conselheiros jurídicos do então vice-presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy.

Desde então manteve-se sempre ao lado de Rajoy, sendo há anos apontada como a sua mais do que provável sucessora.

Ao longo dos anos foi ministra da Justiça, da Saúde, da Presidência e da Administração Interna, e vice-presidente do Governo espanhol entre Dezembro de 2011 e Junho passado – quando o Governo de Mariano Rajoy caiu, após uma moção de censura liderada pelo PSOE de Pedro Sánchez. No ano passado, no auge da crise constitucional na Catalunha, foi nomeada ministra responsável pela região autónoma independentista.