Casa da Música estreia em Portugal um “Messias participativo”

Famosa oratória de Händel chega a 11 de Dezembro à Sala Suggia, reunindo vozes amadoras a intérpretes de primeira grandeza. Ciclo Fantasia e programação do Outono em Jazz são as outras novidades da rentrée da instituição portuense.

Fotogaleria
Um Messias participativo" Fundação La Caixa
Fotogaleria
Alfred Brendel DR
Fotogaleria
Trio Lokomotiv DR
Fotogaleria
Concerto na Avenida (2017) Casa da Música
Fotogaleria
Orquestra Barroca Casa da Música dirigida por Andreas Staier Casa da Música

Meio milhão de pessoas já assistiu e perto de 50 mil já deram a sua voz, por toda a Espanha, ao “Messias participativo” lançado em 1995 pela Fundação La Caixa, com sede em Barcelona. Esta versão “comunitária” catalã da famosa oratória de Händel vai agora chegar também, pela primeira vez, a Portugal, sendo apresentada a 11 de Dezembro na Casa da Música.

Este foi “o acontecimento” da agenda apresentada esta quarta-feira pela Casa da Música para a rentrée. Espalhados pelo palco e pela plateia da Sala Suggia, dois agrupamentos holandeses de grande prestígio – a Orquestra do Século XVIII e a Capella Amsterdan – vão partilhar a “cena” com um coro de duas centenas de vozes que o Serviço Educativo da Casa irá tratar de reunir junto de comunidades do Grande Porto e começar a ensaiar nas próximas semanas. A direcção do espectáculo estará a cargo do maestro Daniel Reuss, com os solistas Ruby Hughes (soprano), Marianne Beate Kielland (contralto), Rupert Charlesworth (tenor) e James Newby (baixo).

“Será um concerto totalmente diferente daquilo que é habitual, porque a música não vai soar apenas a partir do palco, mas também de entre o próprio público na plateia, criando sensações acústicas e uma emoção musical inabituais”, prometeu Nuria Castells, da Fundação La Caixa, que ao lado de António Jorge Pacheco fez a apresentação desta primeira internacionalização da produção espanhola – que, no entanto, teve já uma réplica na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Tratar-se-á de “uma experiência imersiva para o público, que quebra as barreiras tradicionais entre o palco e a plateia numa celebração colectiva da música”, reforçou o director artístico da Casa da Música. No final da conferência de imprensa, em conversa com os jornalistas, Nuria Castells comparou esta aventura, do lado dos participantes, à de um qualquer jogador de futebol dos campeonatos amadores a quem é dada a oportunidade de jogar ao lado dos craques do Barcelona ou do Real Madrid…

Mas trata-se de uma experiência que “irá manter uma exigência profissional ao mais alto nível”, notou Pacheco, ressalvando que esta democratização do acesso à música e ao palco “não irá baixar o grau de qualidade e de virtuosismo” que a obra de Händel exige.

Fantasias e jazz no Outono

Outra novidade na agenda da Casa da Música para o próximo quadrimestre é o ciclo Fantasia, que se propõe revisitar os diferentes sentidos deste conceito nos últimos cinco séculos, desde que, no Renascimento, se tornou um género musical dominante. Com cinco concertos, o ciclo vai marcar a segunda quinzena de Setembro (dias 18 a 29): abre com a primeira actuação no mesmo palco do Remix Ensemble e de Pedro Burmester, e encerra com um recital a solo do pianista Artur Pizarro. No dia 18, Burmester irá interpretar Sonata quasi una fantasia, de Beethoven, e o ensemble de música contemporânea fará a estreia mundial de uma encomenda da Casa ao compositor Daniel Moreira, que se inspirou na mesma obra de Beethoven. A 29, Pizarro tocará fantasias de diversos compositores, de Telemann a Liszt.

Outubro será, como habitualmente, o mês do Outono em Jazz (dias 7 a 28), que acolherá 16 actuações, algumas em concertos duplos, distribuídos por três palcos diferentes da Casa. Fernando Sousa, responsável pelo programa, anunciou “um festival ecléctico” com uma mescla de músicos portugueses e uma dezena de intérpretes vindos dos quatro continentes a mostrar “as tendências do jazz que se faz nos dias de hoje”. Alguns nomes a reter: Tarkovsky Quartet, do pianista francês François Couturier; Femi Temowo, o britânico de origem nigeriana que acompanhou Amy Winehouse; a cantora sul-coeana Youn Sun Nah; o Ambrose Akinmusire Quartet e o também norte-americano, mas de origem indiana, Rudresh Mahanthappa, do lado dos estrangeiros; TGB, Bruno Pernadas Quarteto, Mário Laginha em versão trio, Lokomotiv, Amaro Freitas Trio, do lado dos portugueses; e haverá também cruzamentos multinacionais no programa.

Regresso de Alfred Brendel

No resto, o calendário até ao final de Dezembro irá cumprir o programa anunciado para este ano, em que pela segunda vez a Casa da Música teve a Áustria como país-tema, tendo destacado as integrais das Sinfonias de Bruckner e dos Concertos para violino de Mozart. Já no Ciclo de Piano, o acontecimento será o regresso, passada uma década sobre o anunciado abandono dos palcos, de Alfred  Brendel (21 de Outubro), desta vez em versão de palestra-recital a mostrar como se toca Mozart.

Ainda no piano, ouvir-se-ão o sul-coreano Yekwon Sunwoo (17 de Novembro), vencedor do Concurso Internacional Van Cliburn 2017 (EUA); e, de regresso ao Porto, o checo Lukás Vondrácek (8 de Dezembro), vencedor do Concurso de Piano Rainha Isabel 2016, em Bruxelas.

Em Novembro, regressa também o ciclo À Volta do Barroco (dias 3 a 11), este ano com Andreas Staier como convidado, ele que no início do ano gravou com a Orquestra Barroca Casa da Música um disco Harmonia Mundi com obras de Carlos Seixas – compositor que fará parte do programa que o cravista alemão levará, a 9 de Novembro, com a mesma formação, ao prestigiado Konzerthaus de Viena.

O calendário encerra com a tradicional Música para o Natal, este ano com a Sinfónica a tocar partituras de A Bela Adormecida, de Tchaikovski (21 de Dezembro), e as restantes formações, incluindo o novo Coro Infantil, a cantar a Missa em Si menor de Bach (23 de Dezembro). E começa já este fim-de-semana, sexta-feira e sábado, com os Concertos na Avenida (dos Aliados): a Orquestra Barroca, dirigida por Dmitry Sinkovsky, interpretará As Quatro Estações, de Vivaldi; e a Sinfónica, dirigida pelo seu maestro titular, Baldur Brönimann, levará à Baixa um programa de “variedades”, de Brahms à família Strauss. Alternadamente, estes dois espectáculos serão levados também a São Pedro do Sul, um gesto de “solidariedade para com uma zona fustigada no ano passado pelos incêndios e para com uma população que normalmente não tem acesso à grande música”, justifica António Jorge Pacheco.