Nada prende Bruno Pernadas

Em 2014 surpreendeu com um álbum que ia a todo o lado. Agora que tem dois discos novos pusemos os conhecimentos de Bruno Pernadas à prova a desenhar um mapa do seu som. Na terça-feira está em concerto no Maria Matos, em Lisboa.

Foto
O regresso de Pernadas acontece com dois discos Those Who Throw Objects at the Crocodiles Will Be Asked to Retrieve Them e Worst Summer Ever FOTO: Vera Marmelo

A resposta surge pronta, como se estivesse num canto privilegiado do cérebro à espera de ser disparada. Chet Baker canta “I fall in love too easily”, há um piano melancólico ao fundo a que se hão-de juntar sopros suaves. Bruno Pernadas sabe de cor estas curvas, por isso dificilmente falharia a identificação do seu criador na prova cega do Ípsilon. Inspirados pela revista inglesa Wire, pusemos o músico de Lisboa a tentar identificar os autores de músicas seleccionadas por nós, com a esperança de, assim, desenhar um mapa do seu som.

PÚBLICO -
Foto
Chet Baker canta I fall in love too easily, há um piano melancólico ao fundo a que se hão-de juntar sopros suaves. Bruno Pernadas sabe de cor estas curvas

Começou a ouvir jazz no 10.º ano do ensino secundário – muito antes da maioria das pessoas que ouvem jazz. Interessavam-lhe as harmonias, as melodias e o facto de “o som ser despido, muito orgânico, muito natural – o som dos instrumentos ouvir-se todo”.

Em festas caseiras de amigos era vê-lo na sala ao lado a gravar para cassete os discos dos pais. Até que o jovem lisboeta descobriu em VHS o concerto do trio de Keith Jarrett em 1996, em Tóquio. “De alguma forma mudou a minha vida”, revela. “Consegui ouvir do início ao fim todas as notas, de toda a gente. Todas. Conseguia ouvir tudo separado e tudo junto.”

Os ouvidos de Bruno, hoje com 33 anos, atingiam a “maturidade”. “Era o ouvido e a capacidade de abstracção que estavam a evoluir sem eu dar conta, como se fosse [risos] uma doença, uma patologia que se estava a desenvolver e a alargar, mas de uma forma positiva. Estava a começar a ouvir mais e a ouvir melhor.”

PÚBLICO -
Foto
“Ela [Lætitia Sadier, a vocalista dos Stereolab] tende a desafinar um bocadinho”, aponta. Isso não afasta Bruno Pernadas, que estudou música clássica e jazz? “Não tenho qualquer preconceito com isso. O que soa bem soa bem, o que soa mal soa mal.”

Na dieta jazz de Pernadas, o de origem na Costa Oeste dos Estados Unidos, de que Chet Baker foi um dos maiores patrões, tem um lugar especial. “Como eles moram ali ao pé da praia, não é aquela coisa frenética de Nova Iorque, Chicago ou Los Angeles, em que a cidade quase obriga a fazer aquela música”, teoriza.

Não estranhamos que aprecie as melodias “mais próximas” da canção e “mais líricas” desta forma de jazz. Afinal, Bruno Pernadas deu nas vistas em 2014 com How Can We Be Joyful in a World Full of Knowledge?, um disco em que a elasticidade do jazz tornava todas as fusões possíveis: ia da pop à folk, da música africana ao Caribe, com paragens na era espacial.

O regresso de Pernadas faz-se agora, não com um disco, mas dois, feitos com músicos diferentes: Those Who Throw Objects at the Crocodiles Will Be Asked to Retrieve Them, “fusão pop” (expressão dele) na linha do disco de 2014, e Worst Summer Ever, um álbum onde o jazz é prato forte – mas não único. Apresenta-os um de cada vez no Teatro Maria Matos, em Lisboa: Those Who Throw Objects... na próxima terça-feira, Worst Summer Ever no dia 20.

PÚBLICO -
Foto
Não é a primeira vez que Pernadas recorre aos samples. Em Huzoor, de How Can We Be Joyful…, ocorreu-nos a ideia de que Panda Bear podia ser inspiração. Ele diz que não

Unir mundos

Ele sempre foi uma ave rara. Na adolescência ouvia jazz, mas também Sonic Youth, Pixies e Morphine. “Não seria a mesma pessoa hoje se não tivesse ouvido aquilo. Vai totalmente contra todo o lado académico e todo o lado das pessoas ligadas ao jazz”, admite. Por isso, entusiasma-se quando lhe mostramos Stereolab (a resposta sai hesitante porque Super-Electric, quase-pastiche dos Neu!, é dos primórdios da banda e ele prefere os discos pós-Emperor Tomato Ketchup).

“Ela [Lætitia Sadier, a vocalista dos Stereolab] tende a desafinar um bocadinho”, aponta. Isso não afasta Bruno Pernadas, que estudou música clássica e jazz? “Não tenho qualquer preconceito com isso. O que soa bem soa bem, o que soa mal soa mal.”

Bruno dá aulas de música e vai percebendo que os miúdos já ouvem outras coisas, incluindo aquelas que desprezam ou subvertem a técnica. “Ainda há puristas, atenção! Mas quando estudava no Hot Clube dizia ‘Conheces o Goo, dos Sonic Youth?’ e eles [os colegas] podiam ter ouvido falar, mas não ouviam. Vinham de mundos diferentes.”

PÚBLICO -
Foto
Com isso na cabeça, recuámos 40 anos e fazemos “play” em Palm Desertz, de Van Dyke Parks. Reconhece-a no segundo inicial. “É das minhas músicas preferidas”, confessa

Unir mundos diferentes é o que Pernadas volta a fazer nos seus dois novos discos. Em Worst Summer Ever temos jazz ora sentimental, baladeiro, ora quase violento (o fecho de Granado Wire, o riff de guitarra em September 4th, inspirador de headbanging).

Those Who Throw Objects… é ainda mais diverso. Valley in the Ocean parece uma cantiga soul, tamanha a delicadeza amorosa com que os instrumentos se roçam. Problem Number 6 é uma jam rock africana e Anywhere in Spacetime compra bilhete para um país do Médio Oriente, mas a viagem acaba noutro planeta. Este exercício permanente de recontextualização e transformação (nada disto soa mesmo a África ou ao Médio Oriente) define a face pop de Pernadas.

“Para mim é fácil fazer música. Não digo isto do ponto de vista altivo, atenção! Tenho centenas [de músicas]. A certa altura tenho de fazer o rastreio e escolher o que quero trabalhar. Para mim é uma coisa fácil: surge-me uma ideia, gravo-a ou escrevo-a na pauta”, descreve. “Não sabia quantas músicas iam ser mais jazz ou mais rock. É tão surpreendente para mim quando estou no processo criativo como para quem está a ouvir pela primeira vez.”

PÚBLICO -
Foto
Em 2014, Bruno Pernadas levou ao palco do Maria Matos música inspirada em Sun Ra, como parte do espectáculo 100 Ra, que assinalava o centenário do seu nascimento

Em Worst Summer Ever encontramos Waltz D Minor, que, entre o jazz e classicismos, se constrói à volta de um sample, coisa rara num disco jazzístico. Ya Ya Breathe, de Those Who Throw Objects…, também recorre a um pedacinho de som alheio – uma voz liquefeita em substância de sonho – para aquecer nova viagem ao espaço (onde cabem excessos de guitarras, vozes robóticas e sintetizadores).

Não é a primeira vez que Pernadas recorre aos samples. Em Huzoor, de How Can We Be Joyful…, ocorreu-nos a ideia de que Panda Bear podia ser inspiração. Ele diz que não, mas é rápido a atirar “Comfy in Nautica” (2007) quando lhe mostramos a dita cantiga ensolarada, prima afastada dos Beach Boys, outra das suas preferências.

PÚBLICO -
Foto
Les Baxter, fundador da exotica, uma forma de easy listening apaixonada pelos sons da Polinésia, África e América do Sul, também faz parte deste lote de personagens que elevem as suas respectivas linguagens a um universo maior

Com isso na cabeça, recuámos 40 anos e fazemos “play” em Palm Desert, de Van Dyke Parks. Reconhece-a no segundo inicial. “É das minhas músicas preferidas”, confessa. “Isto é muito mais sofisticado do que Beach Boys ou Beatles.” Como muitos outros, chegou a Parks pelos Beach Boys. Foi um colega de trabalho no Casino Estoril, onde Bruno era músico residente (uma experiência “horrível”), que lhe mostrou que os Beach Boys eram mais do que Surfin’ U.S.A.. Descobriu Smile e quis saber quem ajudou a fazer aquela obra-prima. Parks escreveu letras, inspirou Brian Wilson e tocou em Smile. “Tem uma característica que nunca ouvi em mais ninguém: misturar o lado contemporâneo da música erudita com a coisa americana, que vem das canções populares americanas.”

Pelos caminhos do jazz

Não identifica o que está a ouvir quando lhe mostramos outra instituição americana. “Pode ser várias coisas. Não conheço a música. Não sei… Don Cherry?”, arrisca. Engana-se, é Sun Ra (India, de Super-Sonic Jazz, 1957), mesmo que seja um pedaço “muito arrumadinho” da vastíssima discografia do músico/xamã/outsider jazz. Em 2014, Bruno Pernadas levou ao palco do Maria Matos música inspirada em Sun Ra, como parte do espectáculo 100 Ra, que assinalava o centenário do seu nascimento. Pernadas e os seus músicos ora interpretaram a obra de Sun Ra, ora a levaram a novos sítios. De novo, a técnica a tornar reais os sonhos dele: "Da forma que eu fiz só seria possível com técnica.” Transcreveu para pauta as peças que queria interpretar e, “a partir dessa matriz”, transformou-as. “Um trabalhão enorme” que terá nova subida ao palco em Outubro, no Hot Clube.

PÚBLICO -
Foto
Na nossa prova cega, não identifica Surfboard, por Esquivel, um original de Tom Jobim

Gosta de personagens que elevem as suas respectivas linguagens a um universo maior – Van Dyke Parks fê-lo, Sun Ra idem. Les Baxter, fundador da exotica, uma forma de easy listening apaixonada pelos sons da Polinésia, África e América do Sul, também faz parte deste lote. Na nossa prova cega, não identifica Surfboard, por Esquivel, um original de Tom Jobim a que os Stereolab também se lançaram, mas sabe em que território estamos.

Nos discos pop de Pernadas ouvimos ecos deste mundo pós-II Guerra Mundial que tinha obsessões por destinos de praia e natureza quase utópicos e uma fé desmedida num progresso movido a foguetões e tecnologia (anota o nome de Joe Meek quando ouve I Hear a New World). “Todo o imaginário me atrai, desde as capas dos discos ao daydream”, revela. “Gosto de exotica, mas o Les Baxter é que é o meu herói.” E explica porquê: “Para eles, isto era música ligeira. O que o Les Baxter fez foi transformar música ligeira num estilo próprio dele, misturar a harmonia de jazz com o lado tradicional das ilhas do Pacífico. Estas coisas das percussões cheias de reverb, ouvir-se os pássaros lá atrás…”

PÚBLICO -
Foto
Joe Meek: “Todo o imaginário me atrai, desde as capas dos discos ao daydream”, revela

Também ele, Bruno Pernadas, usa o jazz para levar outras músicas, todas as músicas que queira, a novos lugares. “A improvisação do jazz faz com que consiga improvisar e criar melodias usando a mesma forma de pensar e trabalhar [do jazz] noutros estilos. Isso é uma liberdade enorme porque não estou preso a nada.”