Paul Manafort, ex-director de campanha de Trump, condenado por crimes fiscais

O júri do Tribunal da Virgínia não foi capaz de chegar a um veredicto quanto a dez outras acusações.

Paul Manafort
Foto
Paul Manafort Reuters/HANDOUT

Paul Manafort, antigo director de campanha de Donald Trump, foi considerado culpado de oito dos 18 crimes de fraude financeira e fiscal de que estava acusado nesta terça-feira. O júri do Tribunal da Virgínia não foi capaz de chegar a um veredicto quanto a dez outras acusações.

Manafort foi acusado de evasão fiscal, ficando provado que usou contas em 31 bancos estrangeiros (de três países diferentes) para o efeito, revela a BBC. Rick Gates, subdirector da campanha de Trump, actualmente a colaborar com a Justiça, foi testemunha no julgamento. Gates admitiu que, em conjunto, os dois orquestraram um elaborado esquema de ocultação de rendimentos.

O republicano foi ainda considerado culpado de cinco acusações falsificação de declarações de impostos, no valor de dezenas de milhões de dólares, escreve a agência noticiosa AP

Agora, o juiz T.S. Ellis III terá de fixar uma sentença para Paul Manafort e deverá tomar uma decisão sobre as dez acusações que ficaram por julgar.

Manafort, republicano de longa data e empresário, é alvo da investigação de Robert Mueller sobre os indícios de conluio russo nas eleições presidenciais de 2016, que elegeram Trump. Este foi um dos primeiros julgamentos de um dos envolvidos na investigação. O veredicto chegou ao quarto dia de deliberação — no mesmo dia em que Michael Cohen, ex-advogado de Donald Trump, chegou a acordo com a Justiça norte-americana.

Tanto Paul Manafort quanto Rick Gates foram acusados de ocultação de rendimentos e fraude financeira. Gates declarou-se culpado e começou a colaborar com a Justiça. Manafort declarou-se inocente e está detido desde 2017. Os factos de que é acusado remontam a 2016, meses antes de começar a trabalhar na campanha de Donald Trump.

Numa reacção à decisão, Donald Trump distanciou-se do caso. "Lamento o que aconteceu a Paul Manafort", disse em Virgínia Ocidental, à chegada a um comício. 
"Não me envolve", disse Trump. "Não tem nada a ver com conluio russo, continua a caça às bruxas."