Na linha do Alentejo sem se saber quando se parte ou como se chega

Material velho, avariado e fora de prazo de validade assegura com atrasos recorrentes as ligações ferroviárias entre Beja e Casa Branca e em piores condições que as que eram oferecidas há 50 anos. Por vezes a supressão de composições é contornada com o recurso a autocarros e táxis.

Esta é a primeira de uma série de reportagens do PÚBLICO sobre o estado das principais linhas ferroviárias do país. Ao longo dos próximos dias, acompanhe o dossiê A Ver Passar Comboios.

A data 3 de Agosto ficará, certamente, marcada na memória dos baixo alentejanos como o maior exemplo do “desdém” que tem vincado a relação de sucessivos governos com uma comunidade que já interiorizou um sentimento de revolta latente, por se sentir votada ao esquecimento.

Naquele dia o “Intercidades” que faz a ligação a Évora, deveria sair às 17h02, mas tardava em iniciar a marcha. As pessoas já não estranham os sucessivos atrasos que ocorrem no início e durante o percurso da composição. A sensação de alívio, apesar de mais um incumprimento do horário, percorreu os passageiros quando, às 17h30 a automotora, finalmente, partiu da Gare do Oriente com destino a Casa Branca, onde chegou próximo das 19h00. Processa-se o habitual transbordo dos passageiros para o comboio regional que segue para Beja, enquanto o “Intercidades” retoma a sua marcha para Évora. Como acontece amiudadas vezes, os passageiros tiveram que aguardar cerca de uma hora e vinte minutos pela chegada da composição.

Informações sobre o atraso não são prestadas, e a sala de espera nunca está disponível na remodelada estação de Casa Branca. Tem passagem aérea, tem dois elevadores onde foram investidas centenas de milhares de euros, e até um parque infantil, sem crianças à vista, mesmo em frente da porta da estação. As pessoas, enquanto aguardam pelo comboio, são forçadas a ficar sem resguardo ao frio no inverno e ao sol tórrido no verão. Naquele dia de 3 de Agosto a temperatura ambiente superava os 40 graus. A situação era má, mas o pior ainda estava para vir. 

A automotora chega e os passageiros transitam do calor exterior para a sauna no interior do comboio regional com uma temperatura ambiente insuportável. Ar condicionado não havia, apenas ventilação, e as janelas não são de abrir. O comboio inicia a marcha, mas decorridos apenas 20 minutos do percurso entre Alvito e Vila Nova da Baronia, a automotora avariou numa zona de difícil acesso, no meio de nada. O percalço que noutras circunstâncias é, normalmente, encarado pacientemente, desta vez, viria a revelar contornos insólitos e até dramáticos. A avaria que impedia a marcha desligou a luz e a ventilação. O pânico começa a tomar conta de algumas pessoas, impedidas de sair da composição. A escuridão era atenuada com a luz dos telemóveis

PÚBLICO -
Aumentar

Após mais de uma hora parados na linha, alguns passageiros decidiram sair da carruagem e percorreram cerca de quatro quilómetros, a pé, junto à linha de comboio, até à estação mais próxima em Vila Nova de Baronia, onde chegaram cerca das 23h00. Foram entretanto informados que partira de Lisboa um comboio que chegaria ao local às 00h30.

Outros passageiros, entre os quais alguns idosos e crianças, permaneceram no interior da automotora, sem água ou alimentos, sem informações ou esclarecimentos acerca do que se estava a passar.

A indescritível situação só foi superada após a intervenção dos bombeiros e da GNR de Alvito, que lhes facultaram alimentos e água. O transporte alternativo foi aparecendo e só de madrugada puderam, as últimas pessoas, chegar às suas casas.

Este episódio precipitou o mal-estar nas comunidades servidas pelo transporte ferroviário. Um rol de condenações e de críticas, por vezes exacerbadas, tem vindo a alimentar uma onda de revolta e de contestação à CP, ao Governo e com maior incidência ao ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, em que participam autarcas, empresários, figuras públicas, dirigentes partidários da direita à esquerda e pessoas sem partido. São patentes os sinais de cansaço e de exasperação pelo “desprezo” a que sucessivos governos têm votado o Baixo Alentejo e sobretudo a sua capital, Beja.  

Foi no rescaldo do acontecimento acabado de relatar que uma equipa de reportagem do PÚBLICO, tomou lugar na automotora que haveria de partir rumo a Casa Branca, às 8h22 da última terça-feira. 

PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos

A "carrancuda"

Às 8 horas, a “carrancuda”, assim alcunhada pelos passageiros, lá estava no cais de embarque a receber passageiros na estação ferroviária de Beja. Ouvia-se o motor a trabalhar “como um relógio” comentou Luísa Guerreiro, com uma expressão que pretendia ser de confiança. Um homem tira o bilhete e desabafa em surdina: “parece que não vai haver cenas” como tem sido recorrente ao longo dos últimos meses. Mesmo assim, cauteloso, o passageiro comenta para si próprio num tom de voz de quem pretende que alguém partilhe do seu pensamento em voz alta: “Vamos lá a ver se parte e cumpre o horário”.

Com alguma surpresa, que se expressa no olhar cúmplice entre passageiros, o comboio parte à hora. Nas duas carruagens 41 passageiros aceitam “a aventura”. Mas o patrão de Maria Gertrudes Carochinho já não acha piada à brincadeira. Já lhe chamou a atenção: “Não podia continuar a chegar atrasada quase todos os dias” confessa a passageira que vai com destino a Cuba… do Alentejo. E quando não há comboios há transporte alternativo em autocarros e táxis.

A seu lado, está um funcionário da CP que chama a atenção para o hiato de tempo que há entre a composição das 8h22 e a que se lhe segue às 16h11. “Entre as duas capitais de distrito, estas são as únicas ligações que existem por comboio. Não faz sentido”, observa. O estado de degradação a que chegaram os transportes ferroviários em todo o país, mas com maior gravidade na linha do Alentejo, vem demonstrar que “a electrificação da linha do Alentejo seria a melhor solução”. A linha deveria ter a circular duas composições. Mas na maioria dos dias só circula uma e, quando tal acontece, “todos os comboios andam atrasados” assume quem diz saber do que fala.

No “Intercidades” que faz a ligação entre Évora e Lisboa, está a circular até ao final de Agosto uma composição regional. “As pessoas comem gato por lebre” observa o funcionário da empresa que há muito está no banco dos réus. O PÚBLICO perguntou a José Feliciano Martins, que utiliza com frequência o Intercidades para Lisboa onde se desloca em tratamento médico, se tem conhecimento da alteração relatada. A resposta é um encolher de ombros, seguida de um “não sabia”. Mas a Câmara de Évora sabe.

Na sua última reunião o executivo municipal aprovou por unanimidade um voto de protesto “pela quebra da qualidade do serviço público Intercidades que liga Évora a Lisboa e que está a penalizar os utentes habituais”. Acrescenta ainda o documento aprovado que a CP “está a prestar um mau serviço ao turismo quando é notório que Évora, cidade património da Humanidade, é um dos mais procurados destinos turísticos no interior” no verão.

"Período estival"

Com efeito, nas últimas semanas a CP tem vindo a substituir, na ligação de passageiros Évora -Lisboa, “o comboio normal do serviço Intercidades por automotoras mais lentas, mais antigas e de muito menor qualidade” reconhecem os autarcas eborenses, frisando ainda que a “CP não cumpre os horários estabelecidos e reduz substancialmente a qualidade do serviço ferroviário mas continua a cobrar como se prestasse o serviço Intercidades anunciado”.

São os efeitos do período estival” comenta o funcionário da CP, revelando que a empresa “leva carruagens do Intercidades que faz a ligação Évora-Lisboa, para serem utilizadas na linha do Algarve onde fazem falta”.

Heitor de Figueiredo já testemunhou “cada história” no percurso entre Lisboa e Beja. É raro o dia que não tenha uma história para contar, uma aventura, um episódio caricato”, lembrando que já chegou a casa depois da uma da manhã. “Não sabemos quando partimos nem quando chegamos” observa, frisando que “já ninguém diz nada”.

O cenário descrito merece de Ana Fonseca um comentário crítico: “A situação não está mal. Está péssima”. Para esta passageira que recorre ao transporte ferroviário com alguma frequência, compara a realidade presente com a que vivenciou enquanto criança: “Não se admite que uma capital de distrito seja servida como acontecia há 50 ou 60 anos”. O funcionário da CP acrescenta uma outra diferença importante. Naquela época, há meio século fazia-se a ligação directa de Beja a Évora, “numa hora e meia, e hoje demora mais uma hora se não houver atrasos”. Outro passageiro, reformado da empresa explica o que se passa com o seu próprio exemplo: Desloca-se todas as semanas de Beja ao hospital de Évora para consultas. Até Casa Branca a viagem demora entre 48 e 53 minutos, “mas depois tenho de esperar hora e meia pelo comboio para Évora para fazer uma curta viagem de apenas 10 minutos”.

Entretanto a composição que chegou de Beja fica parada hora e meia para transportar, no regresso, os passageiros que entretanto cheguem no Intercidades às 10h30, 18h29 e 20h25.

Traçado de alta qualidade

Élio Bernardino, especialista em transportes ferroviários explicou ao PÚBLICO que os horários praticados pela CP na linha do Alentejo “colocam o comboio a horas que não servem as pessoas” dando o exemplo da composição que chega a Beja às 9h26 minutos quando o horário mais recorrente de entrada nos serviços e empresas aponta para 9 horas. Se for mais cedo ou mais tarde que esta hora, não há ligações compatíveis. Para o regresso, a incompatibilidade mantém-se. Só há comboios às 16h11 e às 18h15. E no entanto não há transporte rodoviário compatível com o ferroviário. Por exemplo: de Alvito a Beja, são 22 minutos de comboio. Tanto o carro como o autocarro exigirão, no mínimo, o dobro do tempo.

PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria

Outro dos aspectos que se salienta na qualidade do serviço prestado destaca a limpeza, sem reparos, que a CP assegura. Não há lixo acumulado nas composições. Os sanitários estão igualmente limpos, embora o acesso esteja dependente da chave do revisor. Mal a composição fica liberta de passageiros, uma funcionária varre as carruagens e com uma agulheta limpa-as por fora. Só não consegue libertá-las dos grafites que jovens vindos de Espanha pintam durante a madrugada nas estações de Beja e Évora, que ficam sem ninguém durante a noite, garantiu ao PÚBLICO um dos funcionários da CP.

E no entanto, a situação de abandono a que tem sido votada a linha do Alentejo contradiz o que consagra o Plano Nacional de Políticas de Ordenamento do Território (PNPOT) quando a define “como peça fundamental de suporte à integração funcional das regiões Alarve e Alentejo” destaca Manuel Tão, investigador da Universidade do Algarve e especialista em transportes ferroviários. A linha do Alentejo, prossegue Manuel Tão, “possui parâmetros técnicos, quer em perfil longitudinal, quer em planta, que lhe permitem, na quase totalidade do trajecto, entre Casa Branca e Ourique-Funcheira, a prática de velocidades comerciais e de ponta, idênticas àquelas que já são rotina quotidiana entre Pinhal Novo, Poceirão, Vendas Novas e Casa Branca: 200 quilómetros/hora”.

Élio Bernardino acrescenta: Apesar desta via férrea ter sido planeada no início do século XX, “mantém um traçado de altíssima qualidade”. Entre Casa Branca e Beja é uma via nova por ter sido totalmente remodelada nos anos 90 do século passado. Para este especialista, colocar em causa, como se pretende, a qualidade e a segurança de um troço ferroviário que foi elaborado com base em “parâmetros de cálculo excepcionalmente correctos e em regras técnicas muito rigorosas, é um erro grave”.

A Linha do Alentejo permite a circulação ferroviária de material circulante pesado à velocidade constante de 140 quilómetros/hora no traçado Beja-Casa Branca e “sem precisar de outro material tecnicamente diferente”. Para completar a sua funcionalidade, o valor estimado para a electrificação do traçado é de 18 milhões de euros, verba que não se encontra programada no Portugal 2020 ou no PNI 2030. No entanto o presidente do grupo parlamentar socialista, Carlos César anunciou em Beja durante as jornadas parlamentares do PS, realizadas no início de Julho, que será iniciado no segundo semestre de 2018, “o concurso para o projecto de electrificação da linha do Alentejo, até Beja”, informação que foi corroborada pelo ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques. A electrificação e modernização de toda a Linha do Alentejo, incluindo a renovação de via no traçado entre Beja e Ourique e respectivos ramais com restabelecimentos, apresenta “uma estimativa de custos de 99 milhões de euros, caso seja um concurso público internacional. A elegibilidade para comparticipação é no mínimo de 85%” acentua Élio Bernardino.