O mistério persiste: onde é que a história de Portugal virou a esquina e se deu a batalha de Ourique?

Quase nove séculos passados do evento histórico, permanece o enigma sobre o local da batalha que adquiriu contornos míticos e ideológicos a que nem Camões, nem Marcelo Rebelo de Sousa, ficaram imunes.

Fotogaleria
Batalha de Ourique de Jorge Colaço no Centro Cultural Rodrigues de Faria
Fotogaleria
Monumento em Ourique
Fotogaleria
Monumento em S. Pedro da Cabeça
Fotogaleria
Monumento em Vila Chã
Fotogaleria
Monumento no Cartaxo

Passados que estão, há poucos dias, 879 anos do conflito que terá oposto a cruz de Cristo aos seguidores do islão, as conjecturas, hipóteses ou meras suposições persistem em manter a famosa batalha de Ourique como “um dos pontos mais incertos e falíveis da história de Portugal”, realça Jorge Alarcão, no ensaio Ourique – O Lugar Controverso.

A história regista que o confronto militar entre os cristãos liderados por Afonso Henriques e os muçulmanos, que alguns investigadores referem terem sido comandadas por Esmar, governador de Córdova, Granada e de todo o al-Andaluz, terá ocorrido no dia 25 de Julho de 1139, mas subsistem, nos dias de hoje, dúvidas sobre o sítio exacto onde decorreu o combate. Poderá ter tido lugar em Castro Verde, no distrito de Beja; em Campo de Ourique, perto de Leiria; Chão de Ourique, em Penela; Vila Chã de Ourique, no Cartaxo; ou, ainda, em Campo de Ourique junto a Campolide, Lisboa. O concelho de Ourique, no Baixo Alentejo, é a localização tradicionalmente aceite, mas o documento mais antigo que se reporta a esta localidade do distrito de Beja, a sua carta de foral, concedida por D. Dinis em 1290, nada refere sobre a batalha. 

A maioria dos historiadores, a começar em Alexandre Herculano, sempre defendeu que a batalha teria ocorrido na povoação de Ourique, no Baixo Alentejo, mas também há os que insistem em realçar a incoerência e os factos não provados na referida localização.

Mais recentemente, o historiador José Mattoso reconheceu que continua a haver “acaloradas discussões acerca do lugar onde a batalha se realizou”. O investigador medievalista “apenas” admite que “Ourique parece ser, de facto, a primeira grande batalha de Afonso Henriques com os Almorávidas, e que o confronto terá ocorrido em Julho de 1139”, sublinha.

Colocado perante um conjunto de associações que fazem referência ao local da batalha, José Mattoso também não avança certezas. “Podemos apenas admitir que, durante o Verão de 1139, Afonso Henriques dirigiu um fossado (incursão rápida em terras ocupadas pelo inimigo) constituído por forças bastante mais numerosas do que o habitual e que, apesar de ter sido atacado ou de atacar ele próprio um exército considerável, regressou cheio de glória ao território cristão. Ourique foi a sua primeira grande vitória contra os mouros”, assinala o historiador. 

Os indícios históricos e arqueológicos mais plausíveis sugerem que a batalha terá sido travada no concelho vizinho, Castro Verde, no lugar de S. Pedro das Cabeças, numa pequena elevação de terreno com 245 metros de altura. Conta uma das lendas, provavelmente inspirada na tradição oral, que o confronto militar decorreu nos dias 24 e 25 de Julho, do ano de 1139, e que “a mortandade foi tanta que as águas da ribeira de Cobres (que atravessa o local da refrega) se tingiram de vermelho”.

No entanto, o ensaio publicado pelo professor Jorge de Alarcão pretende “mostrar, contra a tendência maioritária, que talvez a batalha se não tenha travado no Baixo Alentejo”, considerando que, tendo em conta “a situação político-militar de cristãos e muçulmanos em 1139”, lhe parece “mais verosímil” que o cenário do confronto se deva localizar “na região de Leiria”.

Alarcão procura demonstrar que, tendo sido a cidade de Leiria reconquistada pelos muçulmanos em 1137, “não parece despropositado” que Afonso Henriques tenha “de imediato encarado a hipótese de vingar essa tomada” encarando a batalha (de Campo de Ourique) como “um episódio da reconquista de Leiria”. E reforça esta hipótese com a referência a um “achamento”, no local, “por volta de 1870, de numerosos esqueletos de indivíduos que teriam sido enterrados verticalmente e sem armas”, as quais terão ficado na posse dos cristãos.

Mesmo assim, a controvérsia subsiste: “Se vamos aqui sustentar que há argumentos fortes contra a localização da batalha no Baixo Alentejo e restaurar (ou retomar) a hipótese de o combate se ter travado no Campo de Ourique perto de Leiria, não concluiremos que este último é o local exacto sem contradição que se possa pôr”, acrescenta o historiador.

Deixando de lado o significado ideológico que alimenta as discussões acerca do lugar onde a batalha se realizou, sabe-se, hoje, que o evento bélico foi revestido – sobretudo a partir do século XV – de elementos simbólicos com destaque para o mito fundacional da nação portuguesa, a sua origem.

José Mattoso faz referência à necessidade de “imaginar uma intervenção divina que demonstrasse o seu sentido transcendente e que sublimasse a função de Afonso Henriques como enviado por Deus para esmagar os inimigos da fé”. O aparecimento de Cristo a Afonso Henriques na véspera da batalha revelavam a propensão para mitificar o acontecimento ligando-o à fundação da nacionalidade e à aclamação de Afonso Henriques como rei, depois de ter derrotado cinco reis mouros, outra das lendas associada à batalha de Ourique. No entanto, sobre a batalha real não há qualquer alusão tanto na historiografia peninsular não-portuguesa como nas fontes árabes.

Outras versões trazidas a reboque de lendas e narrativas são reveladoras da desproporção numérica das forças cristãs, sempre em muito menor número que o dos combatentes do Islão: 1000 cavaleiros e 10.000 peões cristãos contra 400.000 ou mesmo 900.000 muçulmanos.

Camões não esqueceu o feito heróico dos cristãos e exaltou-o no Canto III d‘Os Lusíadas: “Cinco reis mouros são os inimigos,/ dos quais o principal Ismar se chama/ todos experimentados nos perigos / da guerra, onde se alcança a ilustre fama.”

A lenda sobre a fundação que subordinava Portugal à protecção divina, assim como os contornos míticos da batalha, foi posta em causa, a partir de meados do século XIX, pelo historiador Alexandre Herculano. O escrutínio sobre o acontecimento de Ourique levantou forte “polémica sobre a historicidade e a validade da tradição da aparição de Cristo a Afonso Henriques nos alvores da nacionalidade”, analisa a historiadora Ana Isabel Buescu. A crítica “dissolvente” com que Herculano se envolveu no combate à “questão da tradição fundadora” veio alimentar um “violento antagonismo entre o historiador e parte do clero”. Mas não é “apenas” a questão do clero que alimentava a polémica: ela veio também demonstrar que “a tradição fundadora, longe de se apresentar meramente como pretexto de controvérsia, correspondia ainda a uma representação das origens” e surgia “fortemente ideologizada”, sintetiza Isabel Buescu.

Incisivo, Alexandre Herculano argumentava: “A grande religiosidade da Idade Média foi um dos factores para o desenvolvimento do carácter místico atribuído à batalha de Ourique – na crença que havia na existência de milagres interventivos na vida dos povos e neste caso colocando Portugal como país amparado pela vontade de Deus.”

A controvérsia sobre a famosa batalha de Ourique não terminou. Os aspectos míticos projectados por relatos maravilhosos, sem fundamento real, permanecem no imaginário dos portugueses e o seu significado simbólico mereceu, em 2016, uma menção do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no seu discurso de tomada de posse: “Aqui se criaram e sempre viverão comigo aqueles sentimentos que não sabemos definir, mas que nos ligam a todos os portugueses. Amor à terra, saudade, doçura no falar, comunhão no vibrar, generosidade na inclusão, crença em milagres de Ourique, heroísmo nos instantes decisivos.”

O certo é que a importância de Ourique não cessou de crescer desde o momento da batalha e se foram tecendo em torno dela uma série de conceitos hiperbólicos, destinados a conferir-lhe um significado simbólico. E a força ideológica do evento histórico estende-se a vários dos concelhos onde se encontram lugares com o nome Ourique.

No concelho de Ourique (Baixo Alentejo) ergue-se uma estátua a Afonso Henriques e um monumento evocativo da Batalha de Ourique. “A expressão maior da força dos guerreiros de uma Nação emergente ou do Milagre de Ourique” é a mensagem que o município local quer presente no imaginário dos habitantes e dos que visitam a terra.

No concelho vizinho de Castro Verde, um monumento evocativo simboliza o local da batalha em S. Pedro das Cabeças e um obelisco na sede do concelho reforça a convicção que o confronto entre cristãos e muçulmanos teve ali lugar. Em 2014, a Escola de Belas-Artes do Porto e duas jovens de Castro Verde pintaram um painel com 12 metros de comprimento em S. Pedro das Cabeças que simboliza o confronto guerreiro. 

 “A chamada Batalha de Ourique, pelo significado que encerra e pelas características simbólicas a que está associada, é a principal lenda épica da história portuguesa”, assinala o município de Castro Verde

Para lá do Tejo, na freguesia de Vila Chã de Ourique, no concelho do Cartaxo, foi inaugurado em 1932 um monumento alusivo à Batalha de Ourique. Convicta, a comunidade afirma que, “apesar de existirem opiniões divergentes, se acredita que tenha acontecido nas terras desta freguesia, entre D. Afonso Henriques e os muçulmanos, em 1139”.