Boas na investigação, más na empregabilidade

Há várias universidades portuguesas que têm estado representadas nos principais rankings que comparam o desempenho das instituições do ensino superior. Mas nem todos os resultados são bons.

Universidade de Lisboa está presente em todos os rankings
Foto
Universidade de Lisboa está presente em todos os rankings Rita Chantre

Os rankings que comparam o desempenho das universidades de diferentes países passaram a ser uma indústria em expansão, como se comprova também pela entrada de empresas de consultoria neste mercado que, de início, era reservado a centros de investigação universitários ou a revistas da especialidade.

Nestas listagens das instituições do ensino superior, as universidades portuguesas têm conseguido estar representadas naquelas que são mais conhecidas. O ranking mais antigo (começou a ser elaborado em 1994) é feito pela revista Times Higher Education, agora em colaboração com a empresa de comunicação Thomson Reuters, e na sua edição de 2018 escolheu as 1000 melhores universidades do mundo. Entre elas estão nove portuguesas: Aveiro, Coimbra, Lisboa, Nova de Lisboa e Porto estão no intervalo entre os lugares 501 e 600; Algarve, Beira Interior, ISCTE e Minho ocupam o patamar seguinte (601-800).

Entre os indicadores que são tidos em conta para a elaboração deste ranking figuram, entre outros, a capacidade que a universidade tem para atrair alunos e graduados de outros países, o ambiente de aprendizagem, a capacidade para ajudar a indústria com inovações ou o número de citações de artigos publicados por elementos da instituição. Dois exemplos: a Universidade do Minho é a que melhor se situa na capacidade de ajudar a indústria e a do Porto a que tem cotação mais alta no que toca às condições de aprendizagem.

O segundo ranking mais antigo começou a ser elaborado em 2003 pela universidade chinesa Jiao Tong. É mais conhecido como o ranking de Xangai, agora a cargo de uma empresa de consultadoria, a ShanghaiRanking, e todos os anos apresenta a lista das 500 melhores universidades do mundo, tendo em conta critérios como o número de antigos alunos e de professores que receberam o Prémio Nobel ou as Medalhas Fields, no caso da Matemática. Apesar de não se distinguir nestes dois domínios, Portugal tem estado presente desde a primeira edição (ver texto nestas páginas), com a Universidade de Lisboa a ser a primeira classificada a nível nacional.

A partir de 2012, começou também a ser proposta uma ordenação feita pelo Centro para os Rankings Universitários Mundiais (CWUR, na siga inglesa), que é elaborada por uma empresa de consultoria, com sede na Arábia Saudita e que se apresenta como o maior do género. Aqui é avaliada a qualidade da educação, a empregabilidade dos graduados ou o prestígio da investigação realizada, entre outros critérios.

 Há seis universidades portuguesas entre as 1000 distinguidas neste ranking (Lisboa, Porto, Coimbra, Nova de Lisboa, Minho e Aveiro), sendo que o ponto forte de todas é a qualidade da investigação científica, enquanto o pior é o da empregabilidade dos seus licenciados. À excepção da Universidade do Porto, as instituições portuguesas também têm resultados fracos no que respeita à qualidade da formação que ministram.

A partir de 2016, a empresa multinacional Quacquarelli Symond começou também a elaborar um ranking das universidades ( QS World University Rankings), onde são medidos aspectos como a reputação das instituições, na academia e entre os empregadores, e a sua internacionalização.

Há sete instituições portuguesas neste ranking (Universidade do Porto, Lisboa, Nova de Lisboa, Aveiro, Minho e Católica). Nesta ordenação as universidades portuguesas são penalizadas sobretudo devido à sua má prestação no indicador de reputação entre os empregadores. Em todos estes rankings, que não esgotam o universo existente, há uma constante: os lugares de topo estão sempre ocupados por universidades norte-americanas.