Web Summit disponível para cancelar participação de Le Pen, se Governo pedir

Organização defende convite com a necessidade de debater diferentes pontos de vista.

O convite a Le Pen está a gerar críticas
Foto
O convite a Le Pen está a gerar críticas PASCAL ROSSIGNOL/reuters

A Web Summit está disposta a cancelar a participação da política de extrema-direita francesa Marine Le Pen, se o Governo fizer esse pedido. O esclarecimento foi feito nesta terça-feira por Paddy Cosgrave, o presidente da empresa que organiza o evento, num texto publicado online, em que justifica o convite com o interesse em dar espaço a opiniões diversas.

“Se os nossos anfitriões, o Governo de Portugal, nos pedirem para cancelar o convite de Marine Le Pen, claro que vamos respeitar esse pedido e fazê-lo imediatamente”, escreveu Cosgrave.

O PÚBLICO contactou o gabinete do primeiro-ministro, que remeteu a questão para o Ministério da Economia. As tentativas de contacto com este ministério, feitas ao final da tarde, não tiveram resposta até à hora de publicação deste artigo.

A presença de Le Pen foi noticiada neste fim-de-semana e suscitou uma onda de críticas por parte de políticos (incluindo do PS e do BE), de organizações anti-racismo e também de vários utilizadores nas redes sociais. Paddy Cosgrave, que ainda não tinha feito comentários sobre o assunto, veio agora defender o convite feito à líder do partido Reagrupamento Nacional com a necessidade de integrar no debate público todo o tipo de opiniões.

“A Web Summit é um fórum de debate e discussão de muitos pontos de vista, não uma plataforma político-partidária para um único ponto de vista”, afirmou Cosgrave. “A Web Summit é um lugar onde as pessoas devem estar preparadas para verem as suas opiniões a serem profundamente contestadas, e por sua vez para contestarem profundamente as opiniões de outros.”

A Web Summit, que decorrerá em Novembro em Lisboa, é um dos maiores eventos de tecnologia do mundo, mas tornou-se nos anos recentes também num fórum de ideias que reúne políticos, governantes e personalidades de fora do sector tecnológico. Le Pen faz parte de uma lista onde estão os comissários europeus Margrethe Vestager e Carlos Moedas, o co-fundador do Twitter Evan Williams, o inventor da World Wide Web, Tim Berners-Lee, bem como desportistas, celebridades e vários executivos de empresas. O Governo tem sido um promotor do evento e António Costa participou nas anteriores sessões de abertura. Marcelo Rebelo de Sousa esteve no encerramento do ano passado.

Cosgrave acrescentou que considera as opiniões de Le Pen erradas e que já em edições anteriores do evento convidou pessoas com cujos pontos de vista discordava. Deu como exemplos o empresário americano Pether Thiel, um dos co-fundadores do PayPal e um ultra-libertário apoiante de Donald Trump, e de Nigel Farage, o político britânico que foi um dos rostos da campanha pelo "Brexit".

O fundador da Web Summit argumentou ainda que seria mais fácil cancelar a participação de Le Pen: “Excluir todos os que são ‘demasiado socialistas’ ou ‘demasiado nacionalistas’ ou ‘demasiado extremistas’ da Web Summit seria, garanto-vos, uma decisão muito fácil e muito pragmática para, enquanto negócio, nós tomarmos.”

A Web Summit, que está a preparar a terceira edição em Lisboa, vende bilhetes que permitem o acesso de startups, investidores e empresários a um espaço onde podem fazer todo o tipo de contactos profissionais. O bilhete mais caro, que permite o acesso ao lounge dos oradores, custa quase 25 mil euros.