Chamas em Monchique provocam 24 feridos, um em estado grave

Casa de presidente da Câmara de Monchique pode ter ardido.

Incêndio aproximou-se de Monchique
Foto
Incêndio aproximou-se de Monchique LUSA/FILIPE FARINHA

Vinte e quatro pessoas ficaram feridas durante a noite de domingo para segunda-feira no incêndio que lavra desde sexta-feira no concelho de Monchique e que não está controlado já obrigou a evacuar diversas localidades e pelo menos uma unidade hoteleira. 

As chamas estão em direcção a São Marcos da Serra, Silves. Há várias casas ardidas, entre as quais possivelmente a do presidente da Câmara de Monchique, Rui André. “Possivelmente a minha casa também ardeu”, disse ao PÚBLICO Rui André, presidente da Câmara de Monchique. A casa de Rui André fica a um quilómetro da vila de Monchique.

Um dos feridos, uma senhora de 72 anos, estava em estado grave e teve de ser transportada de helicóptero para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, adiantou uma fonte da Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC)?.

Segundo Manuel Cordeiro, adjunto de operações nacional da ANPC, até às 5h45 o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) tinha registado 64 ocorrências, com 40 pessoas assistidas (12 civis e 28 agentes da protecção civil).

O responsável explicou que, ao início da manhã, o incêndio progredia em duas frentes: uma em direcção a Caldas de Monchique, Podalgais e Vale do Boi e outra a avançar em direcção à freguesia de São Marcos da Serra.

A mesma fonte explicou que o fogo ladeou durante a noite a barragem de Odelouca, que ao início da manhã desta segunda-feira progredia em direcção à Estrada Nacional 124 (Sul) e que foram colocadas no terreno diversas máquinas de rastro para tentar travar o avanço das chamas.

O responsável da ANPC disse ainda que houve durante a "noite várias projecções" deste incêndio, sobretudo em Caldas de Monchique, e que as chamas obrigaram a evacuar as localidades de Caldas de Monchique, Rasmalho, Monchicão, Barranco do Banho e Montinho.

Manuel Cordeiro sublinhou ainda o "importante papel" do pelotão de militares no apoio à GNR na evacuação destes aglomerados populacionais.

Pelas 7h30, estavam no terreno 1017 operacionais, apoiados por 307 viaturas e um meio aéreo (kamov) estava já a caminho. Os helicópteros aguardavam para poder levantar voo e ajudar nas operações, uma vez que o intenso fumo do incêndio lhes retirava visibilidade.

Este incêndio deflagrou por volta das 13h30 de sexta-feira, em Perna da Negra, no concelho de Monchique.