No Ponto: brisas do Lis

Regularmente, a Fugas divulga um vídeo novo sobre um doce diferente.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Os doces de tipo conventual (chamemos-lhes assim, para não confundir com doces que foram comprovadamente feitos em conventos) usam quase em exclusivo os três suspeitos do costume: açúcar, amêndoa e gema de ovo. É o caso da brisa do Lis. Mas desengane-se quem acha que é um doce simples de fazer. São precisos pontos de açúcar certos, saber fazer o banho-maria, afinar a temperatura, enfim, uma série de detalhes que por vezes nos esquecemos quando pedimos ou procuramos receitas, sonhando que isso nos chegará para produzir este e aquele doce. E a mão experiente não vem na receita.

Por isso, prove quando puder as brisas do Lis que se fazem em Leiria desde os anos 30 do século passado. Quem faz há tanto tempo deve saber o que faz. As brisas do Lis são confeccionadas pela doçaria Ponto Rebuçado e estão disponíveis em vários espaços comerciais de Leiria.

A Doçaria Portuguesa

Cristina Castro criou o projecto No Ponto para registar e dar a conhecer os doces do país. Tem vindo a publicar a colecção A Doçaria Portuguesa, "os mais completos livros sobre a história e actualidade dos doces de Portugal". A investigação para este trabalho levou a autora a viajar por todos os concelhos em busca de especialidades doceiras. A partir da oportunidade de ver como se faz, de falar com quem produz, de conhecer vidas, histórias e tradições associadas à doçaria, surgiram os vídeos que desvendam um pouco de cada doce. Regularmente, a Fugas revela um vídeo novo sobre um doce diferente.

PÚBLICO -
Foto