Incêndios obrigam Suécia a pedir ajuda internacional

Há pelo menos 60 incêndios activos. País escandinavo com temperaturas anormalmente elevadas.

Suécia
Foto
Onze incêndios deflagraram acima do Círculo Polar Árctico Reuters/TT NEWS AGENCY

Há pelo menos 60 fogos activos na Suécia, esta quarta-feira, e 11 desses deflagraram em territórios acima do Círculo Polar Árctico, no Norte do país. A situação tem piorado desde terça-feira e já obrigou o Governo sueco a pedir ajuda internacional à União Europeia. Noruega e Itália já enviaram ajuda.

Tem sido um Verão atípico na Suécia: o país escandinavo enfrenta uma onda de calor, com temperaturas que chegam aos 30 graus em algumas localidades, precipitação escassa e muito sol — condições favoráveis aos incêndios. As autoridades já lançaram pelo menos nove alertas de “perigo máximo” de incêndio, escreve a Rádio Suécia. Os incêndios que mais preocupam as autoridades deflagraram em Gävleborg, Jämtland e Dalarna.

Britta Ramberg, chefe dos Bombeiros, disse aos meios de comunicação suecos que o incêndio em Jämtland era um “dos maiores e dos que mais rapidamente cresce”, cita o jornal britânico Guardian. Só na terça-feira, a área ardida naquela localidade aumentou de 1600 hectares para 3000 hectares e os bombeiros ainda não conseguiram dominar as chamas.

Algumas localidades afectadas foram completamente evacuadas pelas autoridades. Noutras, os responsáveis pediram aos moradores que não saíssem de casa e que mantivessem as janelas e portas fechadas. Há várias estradas cortadas e os serviços ferroviários registam interrupções e atrasos há alguns dias.

A situação forçou o Governo sueco a pedir ajuda internacional. De Itália chegaram pelo menos 13 pessoas e dois aviões Canadair CL-415, capazes de transportar 6000 litros de água de cada vez, explica a BBC.

A Noruega enviou ao país vizinho dez helicópteros de combate às chamas (seis na terça-feira e quatro na quarta-feira) e prepara-se para pôr à disposição outros seis, de acordo com a Rádio Suécia — apesar de o perigo de incêndio se estender também à Noruega.

As autoridades suecas dizem que o risco se vai manter “extremamente elevado” nos próximos dias porque se esperam temperaturas na ordem dos 30 graus.

Desde Maio que se registam temperaturas anormalmente elevadas no Norte e Centro da Europa, de acordo com a análise do Programa de Observação Meteorológico e Climático Europeu Copernicus.

Na capital sueca, Estocolmo, os termómetros chegaram aos 28 graus em Julho, pelo menos sete graus acima da temperatura normalmente registada neste mês, de acordo com a Organização Mundial de Meteorologia. Para os próximos dias estão previstas temperaturas entre os 30 e 31 graus.

Não é caso único: no último mês e meio registaram-se ondas de calor em várias zonas do Hemisfério Norte. É o caso da Sibéria (Rússia), onde os termómetros estiveram oito graus mais elevados do que as temperaturas habituais em Junho.