Manuel Pinho ouvido terça-feira de manhã no DCIAP e à tarde no Parlamento

Advogado do ex-ministro diz que o Ministério Público decidiu marcar este interrogatório "de supetão".

Manuel pinho foi ministro da Economia no Governo de José Sócrates
Foto
Manuel pinho foi ministro da Economia no Governo de José Sócrates AMA Ana Maria Coelho

O ex-ministro da Economia Manuel Pinho vai ser interrogado nesta terça-feira, às 10h, no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), em Lisboa, no mesmo dia em que vai ser ouvido na comissão de Economia, no Parlamento.

O advogado Ricardo Sá Fernandes adiantou à agência Lusa que a audição de Manuel Pinho na Comissão Parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas já estava agendada há algum tempo e que o Ministério Público decidiu marcar este interrogatório "de supetão". Assim, o ex-ministro da Economia de José Sócrates estará nesta terça-feira, às 10h, no DCIAP e às 15h no Parlamento.

De acordo com o advogado, a chegada de Manuel Pinho a Lisboa estava prevista para este segunda-feira, devendo Sá Fernandes encontrar-se com o seu cliente até ao final do dia.

Em 29 de Junho, o deputado Hélder Amaral, que preside à Comissão Parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, revelou que a data da audição de Manuel Pinho nesta comissão foi combinada entre as partes e na sequência de um requerimento do PSD, votado favoravelmente em 2 de Maio. Com a abstenção do Bloco de Esquerda, o documento dos sociais-democratas foi aprovado para que o antigo governante possa "esclarecer cabalmente" decisões tomadas enquanto esteve no Governo, nomeadamente no sector energético, e o alegado relacionamento com o Grupo Espírito Santo (GES), segundo "suspeitas que têm vindo a público".

Em Maio, em comunicado, o advogado de Manuel Pinho, Ricardo Sá Fernandes, revelou que o ex-ministro, que deixou de ser arguido no caso EDP, estaria disposto a prestar "todos os esclarecimentos" aos deputados, mas só depois de ser interrogado pelo Ministério Público.

Em 19 de Abril, o jornal online Observador noticiou as suspeitas de Manuel Pinho ter recebido, de uma empresa do GES, entre 2006 e 2012, cerca de um milhão de euros. Os pagamentos, de acordo com o jornal, terão sido realizados a "uma nova sociedade offshore descoberta a Manuel Pinho, chamada Tartaruga Foundation, com sede no Panamá, por parte da Espírito Santo (ES) Enterprises - também ela uma empresa offshore sediada no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas e que costuma ser designada como o 'saco azul' do Grupo Espírito Santo".